Arquivo de 10/09/2010

Por Adilene Ramos

Todo nós sabemos que 80% do PT no Maranhão é contra a aliança PT-PMDB e faz campanha para Flávio Dino.  Sabemos que essa candidatura se fortalece a cada dia, e apavora a oligarquia, que não consegue chegar aos 45% nas intenções de voto, embora suas pesquisas encomendadas digam o contrário (aliás nem elas têm coragem de dar a vitória no primeiro turno pra Branca).
 
Mas, mais grave de tudo isso é que milhões de santinhos, cartazes, botons e etc. chegam ao Maranhão para fazermos a campanha da Dilma e todo esse material é sonegado aos petistas anti-oligarquicas.   A adesão ao sarneismo é tão forte que preferem prejudicar a campanha da Dilma no Estado.  Isso também não é por acaso, afinal, querem  nos impingir a pecha de serristas a qualquer custo e acham que sonegando o material de Dilma ficaremos sem fazer a campanha dela pra presidente!
 
Ledo engano!! mesmo com nossos parcos recursos temos Dilma em nosso material e fazemos sua campanha.   Embora sintamos falta do material nacional, só temos a lamentar por esse novo erro da direção nacional em desconsiderar a maioria esmagadora do PT do Maranhão, fazendo clara opção pela oligarquia.  Será o já ganhou?? ….. 
 
Aqui a oligarquia não pede voto pra Dilma, só usa a imagem de Lula e Dilma pra fortalecer suas candidaturas. Com os dois pedindo voto ininterruptamente pra governadora e pros senadores na tv……  
 
Vamos em frente que o Maranhão quer e precisa mudar esta história!

Fonte: Pagina13.org

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Atualizado às 18h31.

O transporte de 26 presos da penitenciária José Parada Neto, em Guarulhos (Grande SP), para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pinheiros (zona oeste de São Paulo), na tarde desta sexta-feira, foi feito sem escolta policial. Durante o trajeto, quatro presos escaparam.

A SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) admitiu falha na segurança e atribuiu o problema à a administração do presídio, que deveria ter providenciado a escolta.

“A administração do presídio não fez uso de escolta para o transporte desses presos, procedimento esse que, sob o ponto de vista da segurança, é inaceitável, irregular e de natureza grave”, informou, em nota.

A Corregedoria Administrativa das penitenciárias foi acionada para buscar explicações e apurar as responsabilidades no caso, além de aplicar as eventuais punições.

A SAP informou que a decisão de transferência dos presos foi tomada após a ameaça de motim –eles alegaram estar sendo ameaçados de morte pelos demais presidiários. Dos 26, metade iria para o CDP-2, e a outra metade para o CDP-3.

A PM informou que foi acionada para recapturar os foragidos na marginal Tietê. Já a secretaria afirma que a fuga só foi registrada na chegada ao CDP e que ainda não sabe em qual ponto do trajeto os presos escaparam.

Também ainda não é clara a forma como os presos conseguiram deixar o veículo. Informações preliminares apontavam que eles teriam feito um buraco no teto do carro-forte. A SAP, entretanto, disse que ainda não sabe como eles fugiram.

Equipes da polícia, que contam com apoio do helicóptero Águia, buscam os quatro foragidos.

JOÃO CARLOS MAGALHÃES
ENVIADO A MACAPÁ (AP)

Manifestantes ligados ao governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), preso pela Polícia Federal, causaram um princípio de tumulto no aeroporto da cidade na tarde de hoje.

Um grupo de cerca de 200 pessoas se aproximou do ônibus que trazia Dias para o local, de onde ele será levado para Brasília. Carregando bandeiras, os manifestantes gritaram palavras de ordem e até xingaram o senador José Sarney (PMDB-AP).

Policiais precisaram intervir para afastar os manifestantes. O voo levando Dias para o Distrito Federal deve partir ainda no fim da tarde.

BRASÍLIA

Dias e o presidente do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Júlio Miranda, vão ficar presos na sede da Polícia Federal em Brasília, no mesmo local onde o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (sem partido) ficou preso no início do ano.

Os outros 16 presos na operação Mãos Limpas, entre eles o ex-governador do Estado Waldez Góes (PDT), candidato ao Senado, vão ser conduzidos ao presídio da cidade, na Papuda. Todos são aguardados ainda hoje na capital do país.

Os presos pela PF são acusados de desviar recursos públicos do Estado e da União.

MÃOS LIMPAS

A operação cumpriu 18 mandados de prisão temporária, 87 mandados de condução coercitiva e 94 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). O caso foi revelado pela Folha.

Segundo a PF, a organização criminosa é composta por servidores públicos, agentes políticos e empresários. As investigações iniciaram-se em agosto de 2009 e o esquema desviou recursos estimados em mais de R$ 300 milhões.

As apurações, de acordo com a PF, revelaram indícios de um esquema de desvio de recursos da União que eram repassados à Secretaria de Educação do Estado do Amapá, provenientes do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) e do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental).

Durante as investigações, foi constatado que a maioria dos contratos administrativos firmados pela Secretaria de Educação não respeitavam as formalidades legais e beneficiavam empresas previamente selecionadas. Apenas uma empresa de segurança e vigilância privada manteve contrato emergencial por três anos com a Secretaria de Educação, com fatura mensal superior a R$ 2,5 milhões, e com evidências de que parte do valor retornava, sob forma de propina, aos envolvidos.

Durante as investigações, constatou-se que o mesmo esquema era aplicado em outros órgãos públicos. Segundo a PF, foram identificados desvios de recursos no Tribunal de Contas do Estado do Amapá, na Assembleia Legislativa, na Prefeitura de Macapá, nas Secretarias de Estado de Justiça e Segurança Pública, de Saúde, de Inclusão e Mobilização Social, de Desporto e Lazer e no Instituto de Administração Penitenciária.

OUTROS ESTADOS

Além do Estado do Amapá, os mandados foram cumpridos no Pará, Paraíba e São Paulo. Participaram da ação 60 servidores da Receita Federal e 30 da Controladoria Geral da União.

Os envolvidos estão sendo investigados pelas práticas de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, advocacia administrativa, ocultação de bens e valores, lavagem de dinheiro, fraude em licitações, tráfico de influência e formação de quadrilha.

A reportagem não conseguiu contato com o governo para comentar as prisões.

Redação Carta Capital 10 de setembro de 2010 às 15:29h

Polícia Federal prende governador, ex-governador e mais de 16 pessoas para desbaratar organização criminosa

A Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal, prendeu na manhã desta sexta-feira 10, na cidade de Macapá, o governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP).

A investigação é levada a cabo em conjunto com a Receita Federal, a Controladoria-Geral da União e o Banco Central. Sua missão é desbaratar uma organização criminosa, formada por servidores públicos do Estado e fora dele.

A PF apurou a existência de esquema de desvio de recursos da União que deveriam chegar a secretarias e órgãos públicos do Estado. Os contratos favoreciam empresas ligadas aos contraventores.

Também foi preso o ex-governador Waldez Góes, do PDT e mais 16 pessoas.

Góes é candidato ao Senado Federal. Pedro Paulo Dias é candidato à reeleição. Os dois são da coligação “O trabalho precisa continuar”, (PP, PRB, PDT, PSL, PR, DEM, PHS, PCdoB e PTdoB).

O esquema da PF mobilizou 600 policiais, munidos de mandados de busca e apreensão expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça. Os mandados também estão sendo cumpridos em São Paulo, Paraíba e Pará.

As investigações avaliam as práticas de crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, peculato e lavagem de dinheiro, entre outras

Fonte: Carta Capital

10 setembro, 2010
14:53

Não foi apenas o debate da APP-Sindicato que foi apimentado. O pós-debate também foi.

Agora pouco, o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Castro, Antonio Kava, foi registrar uma reclamação policial por agressão física. A denúncia é contra o prefeito de Castro, Moacyr Fadel (PMDB), que é também presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP). Após o debate dos candidatos ao governo do Estado, os dois teriam se encontrado no banheiro do Shopping Novo Batel, em Curitiba e teriam discutido sobre as reivindicações sindicais.

Fadel teria resolvido partir para agressões e teria desferido socos e pontapés contra o Antonio Kava. Nenhum dos dois foi encontrado pela reportagem do Bem Paraná, mas o motivo da briga teria sido a ação civil pública ajuizada pelo sindicato contra o prefeito (e noticiada ontem aqui no blog).

Justiça – A ação pede o afastamento do prefeito, quebra de sigilo telefônico, bloqueio de bens e ressarcimento aos cofres públicas pela contratação de uma empresa nos bairros Morada do Sol e Araucária em março de 2006, quando o prefeito ainda era Reinaldo Cardoso. Entre os questionamentos da ação estão: excesso de termos aditivos antes do término das obras, uso de máquinas da prefeitura pela empresa contratada, terceirização da obra, diferença de espessura da camada asfáltica e trechos inacabados.

Testemunha – “Eu não vi a briga, mas o rosto do Kava estava todo ferido, a boca também. Os dois tem uma disputa sindical antiga”, contou o deputado federal Florisvaldo Fier (PT), o Dr. Rosinha. Apesar de ser do PMDB, Fadel apoia a candidatura de Beto Richa (PSDB) para o governo do Estado e coordena a campanha do tucano na região dos Campos Gerais.

 

A filha do Serra, uma especialista em violação 

 

A revista CartaCapital que está nas bancas traz reportagem de Leandro Fortes que vai calar o Zé Baixaria e seus auto-falantes do PiG (*).

Por 15 dias no ano de 2001, no governo FHC/Serra a empresa Decidir.com abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros.

É isso mesmo o que o amigo navegante leu: a filha de Serra abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros por 15 dias durante o governo FHC/Serra.

A Decidir.com é o resultado da sociedade, em Miami, da filha de Serra com a irmã de Daniel Dantas.

Veja aqui a prova da associação com documentos do Estado da Flórida, nos Estados Unidos.

O primeiro “plano de negócios” da empresa era assessorar licitações públicas.

Imagine, amigo navegante, assessorar concorrências !

A certa altura, em 2001, a empresa resolveu ser uma concorrente da Serasa.

Fez um acordo com o Banco do Brasil e através disso conseguiu abrir sigilos bancários.

O notável empreendimento de Miami conseguiu também a proeza de abrir e divulgar a lista negra do Banco Central.

O intrépido jornalismo da Folha (**) fez uma reportagem sobre o assunto, mas motivos que este ordinário blogueiro não consegue imaginar, omitiu o nome da empresa responsável pelo crime.

A Folha (**) divulgou ela própria o sigilo de autoridades que passaram cheques sem fundo.

O então presidente da Câmara, Michel Temer, oficiou o Banco Central.

E, a partir daí, operou-se um tucânico abafa.

O Banco Central não fez nada.

A Polícia Federal não fez nada.

O Ministério da Fazenda não fez nada.

O Procurador Geral da República não fez nada.

Faltava pouco para a eleição presidencial de 2002, quando José Serra tomou a surra de 61% a 39%.

A filha dele largou a empresa, provavelmente em nome dos mais altos princípios da Moral.

Mino Carta tem a propriedade de publicar reportagens que equivalem a tiro de misericórdia.

Quando dirigia a revista IstoÉ, publicou a entrevista do motorista que implodiu o governo Collor.

Agora, ele e Leandro, processados por Gilmar Dantas (***), dão o tiro de misericórdia na hipocrisia dos tucanos paulistas.

A partir desta edição da CartaCapital, a expressão “violar o sigilo” passa a ser uma ofensa à memória dos brasileiros.

 

Paulo Henrique Amorim

(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

(**) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que avacalha o Presidente Lula por causa de um  comercial de TV; que publica artigo sórdido de ex-militante do PT; e que é o que é,  porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

(***) Clique aqui para ver como um eminente colonista (****) do Globo se referiu a Ele. E aqui para ver como outra eminente colonista (**) da GloboNews e da CBN se refere a Ele.

(****) Não tem nada a ver com cólon. São os colonistas do PiG (*) que combatem na milícia para derrubar o presidente Lula. E assim se comportarão sempre que um presidente no Brasil, no mundo e na Galáxia tiver origem no trabalho e, não, no capital. O Mino Carta costuma dizer que o Brasil é o único lugar do mundo em que jornalista chama patrão de colega. É esse pessoal aí.

PS_ entre aqui e veja como a ” decidir”  “facilita a vida de seus clientes”:   http://web.archive.org/web/20040212163504/www.decidir.com.br/servicios/svi.asp               

VIVENDO E APRENDENDO !!!!  INFORMAÇÃO UTILÍSSIMA !!!

                    

Cheques são apagados no microondas…

 Cheques preenchidos por máquinas de preencher cheques, aquelas que você só assina depois de preenchido automaticamente pela máquina numa ”cortesia” do local onde você está pagando, podem ser apagados em microondas, sobrando apenas a sua assinatura, que é feita a caneta, diferente do restante onde foi feita com a tinta da máquina de preencher cheques…
 
Golpistas que atuam em Santa Catarina descobriram um jeito de adulterar os valores de cheques que são preenchidos em máquinas eletrônicas. Os valores dos cheques impressos mecanicamente são apagados quando colocados em fornos microondas por determinado tempo e potência. 
 
Com o procedimento, apenas a assinatura do cliente, feita a caneta, permanece intacta. Assim, os cheques podem ser preenchidos novamente. 
 
“O preenchimento [pela máquina] é feito com toner, que é um pó. Este pó é desintegrado dentro do microondas”, diz o perito em falsificações Arnaldo Ferreira.
Nos últimos dois meses, uma mesma agência bancária de Florianópolis recebeu 11 cheques adulterados da mesma forma. 
Segundo o perito, um cheque de R$ 27,00 emitido em um circo na capital foi compensado dois meses depois, em Feira de Santana , na Bahia , por R$ 4.200,00.

O perito recomenda, como precaução, usar a caneta para o preenchimento dos cheques, mesmo que haja máquina de preencher, no estabelecimento. Divulgue esta informação! ! !

BRASÍLIA – Entre os diversos candidatos as dez vagas do Espírito Santo na Câmara Federal, 15 nomes aparecem como os prováveis para vencer a disputa.

É dessa quinzena que deve sair à nova bancada federal capixaba para atuar por quatro anos em Brasília, provavelmente sob o governo da primeira mulher presidente do país.

Pesquisas encomendas por partidos mostram que mais de 60% do eleitorado ainda não definiu candidato a deputado.

Mas entre os 40% que já sabem em quem vão votar, os 15 candidatos mais citados para Câmara federal são os seguintes: (ver lista)

Os mesmos nomes dos candidatos capixabas apareceram em três consultas distintas encomendadas por agremiações e candidatos, realizadas na segunda quinzena de agosto.

Todos, no entanto, vão depender do coeficiente eleitoral de cada coligação para saber se jogarão no time titular ou ficarão na reserva (suplência).

A renovação da bancada, entretanto, deverá ser de no mínimo 50%, e no máximo 60%. Isso significa que somente quatro ou cinco novos parlamentares terão gabinetes na capital federal.

O Espírito Santo tem uma das menores bancadas federais do país. O Estado figura entre os 14 Estados com até 10 deputados, e tem o menor número de cadeiras do Sudeste.

TIME FEMININO

A expectativa é que a bancada também mantenha quatro ou três mulheres entre os dez membros. Hoje são quatro as deputadas federais capixabas, Rita Camata, Sueli Vidigal, Iriny Lopes e Rose de Freitas.

São consideradas certas as reeleições de Sueli Vidigal (PDT) Rose de Freitas (PMDB), e Iriny Lopes (PT). E muito provável a eleição da cantora gospel Lauriete (PSC).

COSER CONTRA LACERDA

A reeleição de Iriny Lopes se consolida na medida em que a eleição de Guilherme Lacerda encontra um forte opositor dentro do próprio PT, o prefeito de Vitória João Coser.

Lacerda é ligado ao núcleo nacional do PT e sua ascensão ameaçaria a liderança de Coser no ES. Já Iriny, se for reeleita, vai para um terceiro mandato sem nenhuma ambição política.

Na principal coligação proporcional de apoio a Casagrande, sete candidatos a Câmara disputam de quatro a cinco vagas.

Na segunda, integrada pelo PDT, cinco candidatos disputam de três a quatro vagas, conforme avaliação junto a dirigentes partidários.

Os 15 candidatos mais citados (*)

Lelo Coimbra, Camilo Cola e Rose de Freitas.

Sueli Vidigal, Manato e Marcus Vicente.

Audifax, Foleto e Capitão Assumção.

Iriny Lopes, Guilherme Lacerda e Max Filho

Lauriete, César Colnago, Ledir Porto.

•Em uma das três consultas

____________________________________________________________________

ranking:A POSIÇÃO DE CADA UM

1º Sueli Vidigal (PDT)

2º Max Filho (PTB)

3º Lelo Coimbra (PMDB)

4º Camilo Cola (PMDB)

5 Lauriete (PSC)

6º Iriny Lopes (PT)

7º Rose de Freitas (PMDB)

8o Carlos manqato (PDT)

9º Audifax Barcelos (PSB)

10} Paulo Foletto (PSB)

11º Capitão Assumção (PSB)

12º Guilherme Lacerda (PT)

13º Marcus Vicente (PP)

14o Rafael Favarato (PR)

15º Ledir Porto (PR)

__________________________________________________________________

Veja a votação obtida em 2006 pela atual bancada

1º Lelo Coimbra (PMDB) 120.821

2º Sueli Vidigal (PDT) 118.127

3º Camilo Cola (PMDB) 106.165

4º Luiz Paulo (PSDB) 100.570

5º Rita Camata (PMDB) 74.997

6º Rose de Freitas (PMDB) 73.049

7º Neucimar Fraga (renunciou) 71.474

8º Iriny Lopes (PT) 60.637

9º Carlos Mannato (PDT) 52.363

10º Jurandyr Loureiro (PSC) 33.863

Fonte: pagina13.org

Vereador pelo segundo mandato na cidade de Araras-SP, Breno Cortella fala um pouco de sua trajetória, lutas e propostas, e da importância de derrotar os tucanos no ninho
 
Qual a importância da eleição para o governo de São Paulo? 
Breno Cortella: Precisamos lutar por uma transformação política em São Paulo. Os tucanos governam esse Estado há 16 anos e o mesmo grupo político se revezam no poder há decadas. O Estado de São Paulo precisa estar presente na vida das pessoas com políticas públicas. Não existe ações de governo para os municípios, o Estado não é cobrado, e as pessoas lembram somente das prefeituras e do Governo Federal. Por exemplo, em quase toda delegacia de polícia existem servidores municipais cedidos pelas Prefeituras e a polícia não consegue dar o mínimo de manutenção na frota. E poucos percebem. O mesmo na educação, existe uma aparência que ninguém é responsável pelas escolas estaduais. É preciso dar uma oportunidade para o PT e para o Mercadante transformarem São Paulo com um governo forte, atuante e presente nas demandas sociais.

Como você analisa a Assembléia Legislativa hoje?
Breno Cortella: A Assembléia Legislativa é comandada pelo governo dos tucanos e no meu ponto de vista – como cheguei da dizer da Câmara de Araras na legislatura passada  – é um “Poder Carimbativo” e não exerce a mínimo de representatividade popular.  E aprovam a política privatista dos tucanos como é o caso dos pedágios.  Em 1997, havia 40 praças – todas sob gestão estatal. Agora são 227 – e todas sob concessão privada. Significa que, em 13 anos, os governos do PSDB autorizaram a operação de 187 novos postos de cobrança. Só o Governo Serra autorizou, em três anos, o funcionamento de mais de 80 novas praças de pedágio. E quem paga é a população, esse pedágio abusivo, que sobretaxa o trabalhador. Em 2009, por exemplo, quem passou pelas rodovias pedagiadas do Estado bancou R$ 4,5 bilhões de tarifas — valor superior ao orçamento de alguns estados brasileiros. Privatizou o Banespa e agora vendeu a Nossa Caixa, que, numa saída encontrada foi incorporada pelo Banco do Brasil.

E o que falta na Assembléia de São Paulo?
Breno Cortella: Tansparência, representatividade e participação popular. Como deputado quero ajudar combater as tercerizações e pelo fortalecimento da Democracia do Estado. Defender a regulamentação da democracia direta (plebicito, referendo e iniciativa popular), a participação no controle social  e o fortalecimento e a integração entre os mecanismos de democracia participativa  com os conselhos. A população precisa participar, e saber das decisões tomadas pelo Governo. Precisamos ampliar a força do PT no parlamento paulista e quero cumprir esse papel.

Qual a importância da participação da juventude na política?             
Breno Cortella: Eu comecei militância aos 16 anos no movimento estudantil. Tive logo cedo grande experiência de como é importante a juventude na política. Tenho podido travar vários debates, trazer novas idéias e propostas, com uma visão diferente de muitos que ainda querem fazer política à moda antiga. Mas muita gente tem acreditado em jovem na política. Isso me anima muito. E os jovens acabam também conseguindo repercutir suas demandas levantar essa bandeira e juntos discutir políticas públicas de juventude.

Com sua militancia no movimento estudantil, como você avalia a Educação de São Paulo?
O Estado de São Paulo apesar de ser o mais rico da federação, tem uma das piores qualidade de ensino do país. É possível usar uma expressão do  professor Mário Sergio Cortella, um “pedagocídio”. A qualidade do ensino nas escolas paulistas é o reflexo do descaso do poder público. A aprovação automática precisa acabar. É necessária a ampliação das vagas nas universidades estaduais e expansão dos campi. Também o aumento das escolas técnicas. São Paulo precisa investir em infraestrutura, formação continuada dos servidores e radical mudança no planejamento pedagógico. Para fazer educação tem que ter um olhar no futuro. Falta o básico da informática, e a tecnologia hoje é parceira pedagógica. 

Como você vê esse salto de um mandato vereador para deputado estadual?
Como um grande desafio. E tenho aprendido e me formado em cada embate eleitoral.Tenho a convicção que minha candidatura está alicerçada em vários grupos de apoio que tenho em diversas regiões e que meu mandato é para ajudar o meu estado e meu país, com propostas de mudanças voltadas principalmente para a defesa da educação, juventude, segurança, diretos humanos e pela agricultura familiar sustentável.  Sempre estive envolvido nos movimentos sociais, dos trabalhadores, pela luta da moradia digna e na defesa dos estudantes. Sempre fui coerente com os ideais do socialismo petista. O objetivo do meu mandato democrático-popular é travar debates e lutar contra qualquer tipo de discriminação. São por esses motivos, que é importante que a esquerda petista de Sâo Paulo esteja de volta na Assembleia. E vamos juntos com Dilma, Mercadante, Marta e Netinho.
 

            Breno Cortella é uma revellação política do nosso Estado. Aos 16 anos, iniciou militância no movimento estudantil segundarista e aos 17 anos, foi o primeiro presidente da Câmara-Jovem de Araras.

Em 2003, atuou na defesa dos direitos dos estudantes pelo direito da meia entrada em um grande evento da cidade. Nas eleições de 2004, apoiado por movimentos sociais, estudantis, da juventude e por setores do município que buscavam mudanças no legislativo, candidatou-se a vereador. Sua campanha trouxe à tona a atuação democrática e popular dos mandatos petistas e a ideia de que a juventude pode ocupar os espaços institucionais e contribuir para a transformação da sociedade.

Com 19 anos, foi eleito vereador e reeleito em 2008 como o segundo vereador mais votado. Aos 25 anos, é advogado e atual líder da bancada do PT  e vice presidente da Câmara. Breno tem pautado sua atuação legislativa em defesa dos direitos humanos, empenhando-se contra a discriminação racial, a favor dos direitos das mulheres, pela defesa do meio ambiente, pelos direitos dos servidores públicos, em defesa do direito à moradia, em defesa à educação pública, na luta por benefícios para a terceira idade, em prol da juventude e pela cidadania LGBT.  Como o mais jovem candidato a deputado estadual do PT, Breno quer renovação na Assembléia Legislativa e mudanças política de nosso Estado.

O jovem candidato têm propostas de renovação para as áreas de educação, meio ambiente, agricultura, saúde, cultura, esporte, direitos humanos e políticas antidiscriminatórias, desenvolvimento econômico e geração de emprego, habitação, segurança e participação popular.