Arquivo de 14/09/2010

do Brasília Confidencial

    Numa das mais impressionantes viradas da campanha deste ano, entre todas já identificadas nas disputas pelo cargo de governador, o candidato do PT no Distrito Federal, Agnelo Queiroz, abriu vantagem de 13 pontos sobre o ex-governador Joaquim Roriz (PSC), franco favorito até poucas semanas atrás. Segundo a mais recente pesquisa Ibope, divulgada ontem, o petista tem 43% das intenções de voto, enquanto Roriz tem 30%.  

    Além de Agnelo, ameaça Roriz a lei da Ficha Limpa. A candidatura dele depende de um recurso a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal, depois que o Tribunal Regional Eleitoral, o Tribunal Superior Eleitoral e um ministro do STF, Carlos Ayres Britto, vetaram o registro de Roriz por ter renunciado ao cargo de senador, em 2007, para evitar a cassação de seu mandato.

    Na corrida pelo Senado, a liderança é de aliados a Agnelo: Cristovam Buarque (PDT), que tem 50% das intenções de voto, e Rodrigo Rollemberg (PSB) que tem 39%.

MINAS GERAIS   

    O candidato do PSDB à reeleição para o governo de Minas, Antonio Anastasia, abriu vantagem de 9 pontos percentuais sobre seu principal adversário, Hélio Costa (PMDB), segundo pesquisa feita pelo Ibope sob encomenda da Rede Globo. Ouvidos 1.806 eleitores entre os dias 10 e 12, Anastasia alcançou 41% contra 32% de Hélio Costa, apontou o Ibope.

    O resultado é bastante desigual ao apurado pelo instituto Datafolha, que entrevistou eleitores mineiros nos dias 8 e 9 de setembro, imediatamente antes do Ibope. O Datafolha apontou empate técnico, com 39% para Hélio Costa e 36% para Antonio Anastasia.

    Na pesquisa anterior do Ibope, no fim de agosto, o instituto apontara empate técnico – 35% para Anastasia e 33% para Costa. Comparado este resultado com o que o Ibope divulgou ontem, o tucano cresceu 6 pontos enquanto o peemedebista perdeu 1.

De novo a Rede Globo, no seu site G1, tendenciosa, apoia O PROJETO CRIANÇA DESESPERANÇA. Mostra cidades da Bahia copiando o toque de recolher para criança e adolescente de Fernandópolis SP como uma medida de sucesso. Foi um fracasso, transformou Fernandópolis em uma gigantesca cracolândia.
Cidades pequenas como Antonio Cardoso, Epicaetá e Santo Estevão no interior da Bahia, adotam a medida desastrosa e inconstitucional do toque de recolher, com medidas mais duras e menos democráticas ainda. Cidades muito mais pobres com tendência ao povo menos esclarecido, aceitam as medidas truculentas e injustas como naturais. Assim como povo menos esclarecido aceita a corrupção como inevitável.
Em São Paulo, não deu certo em Fernadópolis, o CONANDA deu em cima e a ação está desmoralizada. Não proliferou para todo estado como era a intenção.
Impedir criança e adolescente de circular pela cidade, não dimuniu a violência e não educa.
Repressão no lugar de educação sempre traz resultados desastrosos e produz resultado contrário.
Responsabilizar criança e adolescente pelo tráfico de drogas e pela violência é uma estupidez, uma vez que apenas um por cento dos crimes são cometidos por adolescentes sózinhos.
Em Fernandópolis SP,  a polícia militar saiu “enquadrando” aluno que cabula aula, com direito a ser filmado pelas câmeras da televisão, e os policiais dando entrevista, felizes, como se tivessem acabado de prender um bandido perigoso que oferecesse risco para toda sociedade.
Esqueceram perseguir os traficantes, que tomaram conta da cidade ???
Escola é direito, se é direito é obrigação do estado oferecer nela um ambiente acolhedor e produtivo. Se aluno é obrigado a permanecer ali por força de lei, e proibido de faltar, é uma cadeia. Cadeia coletiva. E na Bahia começa a repressão a partir dos 4 anos de idade.
Os pais do aluno “fujão” serão penalizados da  com multa de 20 salários minimos, numa cidade onde o povo sobrevive com salário mínimo ou com os programas Fome Zero do Governdo Federal que são 10,00 reias por pessoas ao mes. Ameaçar os pais com uma multa assim descomunal é um terrorismo atróz, brutal….
Se conhece o grande pelo modo com que trata o pequeno. Que tipo de justiça é essa, e que tipo de cidades dão essas da Bahia, onde impera essa lei responsabilizando os pequenos a partir dos 4 anos. Se é um lugar onde é obrigado a ficar, sem nenhum direito de defesa e nenhuma regalia, ficar ali na marra, é uma cadeia.  Então podemos dizer que em Santo Estevão , Antonio Cardoso e Epicaeta na Bahia, o rebaixamento da idade penal foi para 4 anos de idade. Pior ainda, sem nenhum crime. Nasceu pobre na Bahia e com azar de ser pobre nessas cidadezinhas, aos 4 anos é preso sem ter cometido ainda nenhum delito. Uma espécie de prisão preventiva, sem nenhum motivo.
Ficarão presos até os 18 anos, depois salve-se quem puder, com acontece em Fernandópolis.
A PODEROSA GLOBO no seu site, se esqueceu desse lado.  Se a função da imprensa é informar, ela não informou que em Fernandópolis não deu certo, não podia dar.
A diferença é que no Estado de São Paulo o povo é minimamente mais esclarecido que na Bahia, pelo jeito. Aqui o povo está reagindo…. Educando os jovens evitaremos punir os adultos.
Na Bahia já pune criança a partir dos 4 anos e terão que construir novos presidios, isso se esses futuros revoltados, transformados em criminosos pela sanha e incoerência dos adultos, não migrarem para São Paulo e Rio de Janeiro…. 
Todos pagaremos a conta dessa insanidade. Em plena época eleitoral, se comete uma barbaridade dessas e nenhum candidato fala disso. Calam e quem cala consente.


“Governo que não respeita a Defensoria Pública, não respeita os direitos da sua população!”

cremildaestella@hotmail.com