Arquivo de 21/10/2010

Do UOL Eleições
Em São Paulo

Serra é atingido na cabeça após confronto entre petistas e tucanos no RJ

O tumulto causado por militantes petistas e tucanos na tarde de ontem (20), no Rio de Janeiro, em que o candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, foi atingido na cabeça por um objeto não claramente identificado, é um dos assuntos mais comentados no Twitter na manhã desta quinta-feira (21). Em uma versão inicial, o objeto seria um rolo de fita crepe, mas um vídeo mostrou algo parecido com uma bola de papel.

Às 10h50, #serrarojas aparecia em sétimo lugar entre as dez hashtags (símbolo que define um assunto) mais citadas pelos usuários do serviço de microblog. No ranking brasileiro, a hashtag ocupava a sexta posição.

A palavra “Rojas”, que acompanha o sobrenome do candidato, faz referência ao goleiro chileno Roberto Rojas e um episódio que ocorreu em 1989, nas eliminatórias para o Mundial da Itália. Na época, o goleiro aproveitou um rojão lançado por uma torcedora brasileira para cair no gramado e simular um ferimento supostamente causado pelo sinalizador.

Outra hashtag que ganhou destaque, ocupando a segunda posição entre as mais citadas, no microblog é #boladepapelfacts, que também faz brincadeiras com o fato. A expressão se refere ao vídeo de uma reportagem divulgada ontem pelo SBT Brasil que aponta que o candidato foi atingido por uma espécie de bola de papel.

Entre as mensagens publicadas, a maioria ironiza o fato. O usuário @marcopsc, por exemplo, diz: “#Serrameerra decreta: folhas A4 apenas com porte de arma, A3 será restrito às Forças Armadas”. Já @Diogo_Justino brinca: “Especialista de Harvard diz que lesões causadas por bolas de papel podem deixar sequelas irreversíveis”. @oobservadorbr cita Paulo Preto, engenheiro envolvido em escândalo de desvio de verbas de campanha tucana: “Sacanagem! Estão dizendo q na bolinha de papel estava escrito: “Não me deixem só!!” Assinado Paulo Preto”.

Sobre a agressão, Serra postou a seguinte mensagem em seu perfil no microblog no final da manhã desta quinta: “Muito obrigado a todos vocês que se preocuparam comigo. Estou bem, mas por recomendação médica tive que parar por 24hs”.

20/10/2010, Time, em http://www.time.com/time/world/article/0,8599,2026442,00.htm 

Resposta do Time: “Por que a imprensa brasileira, controlada por seis famílias reunidas em cartel, é uma merda!” (Deu no Time HOJE!)

O sucesso do Twitter no Brasil, diz James Green, professor de Estudos Brasileiros e Portugueses na Brown University, está intimamente ligado ao processo pelo qual o país saiu das sombras da ditadura até alcançar o status atual de potência global emergente. Depois de 21 anos de ditadura que durou até1985, um pequeno grupo de famílias que monopolizam as comunicações ajudou a manter a homogeneidade da opinião pública na emergente sociedade civil brasileira. Apesar da imensidão do território brasileiro – que vai do Amazonas às metrópoles da costa atlântica – o país viveu condenado à falta de diversidade de informação. Assim, quando o Twitter entrou em cena, os brasileiros estavam sedentos desse tipo de novidade no universo da informação e da comunicação. “Já há clara consciência da importância e do poder do país, e o fato de o Brasil estar longe do resto do mundo motiva os brasileiros”, diz Green. “Todos querem informar-se melhor e saber das últimas tendências.”

A possibilidade de uma classe média antes inexistente ter ativa participação cívica também dinamizou o crescimento do Twitter no Brasil. O próximo segundo turno das eleições presidenciais, que acontecerão dia 31/10, foi o principal tópico de discussão no Twitter na primeira semana do mês, segundo pesquisa publicada na página Mashable.com, que acompanha as mídias sociais.

“Todos os jornais são furiosamente contra o presidente Lula”, diz Green, referindo-se ao presidente que está concluindo seu segundo mandato, Luiz Inácio Lula da Silva, “presidente que governa para os pobres”, ele mesmo ex-metalúrgico sem graduação universitária. “A Internet é um espaço de resistência dos eleitores contra as empresas jornalísticas brasileiras”. A sucessora de Lula, escolhida por ele, e ex-guerrilheira, é a favorita para vencer as eleições do dia 31/10, contra o candidato do centro-direita, José Serra.

Nos tempos de antes se dizia que “o castigo vem à cavalo”. Eram tempos em que este era o meio de transporte e comunicação mais rápido existente. Vivemos outros tempos, tempos de internet ….

A Justiça não vem instantaneamente, nem seria justa se assim fosse. O Brasil e o mundo estão mudando e os coronéis hoje estão começando a aprender que não ganham todas. Eles não podem mais fazer o que bem entendem simplesmente por serem coronéis.

A história continua, este é mais um capítulo, vale a pena ler.

Veja aqui o texto original do Tribunal de Justiça  Acórdão A REDE da Cidadania PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 2a Câmara de Direito Público   ACÓRDÃO 1 lUlllHIln •™*JgSlí*y&í^5* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação / Reexame Necessário n° 994.09.222847-2, da Comarca de Jales, em que são apelantes ADERJ ASSOCIAÇÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS DA REGIÃO DE JAL, ASSOCIAÇÃO REGIONAL EDUCACIONAL DE DEFESA D … Read More

via A REDE da Cidadania

Eduardo Simões
Da Reuters
Em São Paulo

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, tem 51% das intenções de voto, contra 39% de seu adversário, José Serra (PSDB), segundo pesquisa Vox Populi divulgada nesta terça-feira pelo portal IG.

De acordo com o Vox Populi, 4% dos entrevistados se declararam indecisos e 6% disseram que votariam em branco ou nulo.

Na pesquisa anterior do instituto, realizada nos dias 10 e 11 de outubro, Dilma tinha 48%, contra 40% de Serra. Os indecisos somavam 6% e os votos brancos e nulos, 6%.

Se considerados somente os votos válidos –que excluem os brancos, nulos e indecisos– Dilma tem 57%, contra 43% de Serra. Na sondagem anterior, a petista aparecia com 54% dos válidos, ante 46% do tucano.

O levantamento do Vox Populi analisou ainda o voto religioso. Conforme o instituto, Serra tem 44% das intenções de voto entre o eleitorado evangélico, ante 42% de Dilma. Entre os entrevistados que se declararam ateus, Dilma tem 49%, ante 36% de Serra.

Dilma também aparece à frente de Serra entre os eleitores que se disseram católicos praticantes (54% contra 37%) e não praticantes (55% contra 37%).

O voto religioso foi apontado como um dos fatores que impediram a vitória de Dilma já no primeiro turno da eleição presidencial em 3 de outubro.

O motivo seria uma rejeição dessa classe do eleitorado à suposta posição de Dilma favorável à descriminalização do aborto. Pressionada por setores religiosos, Dilma assinou uma carta na semana passada se comprometendo a não alterar a legislação existente sobre o aborto.

Segundo o Vox Populi, 89% dos entrevistados declararam estarem decididos sobre em quem votarão no dia 31 de outubro, enquanto 9% afirmaram que ainda podem trocar de candidato. A consolidação é maior entre os eleitores de Dilma, 93%, enquanto entre os de Serra 89% estão decididos.

A pesquisa, realizada entre os dias 15 e 17 de outubro, tem margem de erro de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos. O instituto ouviu 3.000 pessoas para o levantamento.

A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número 36193/2010.

Fonte: http://eleicoes.uol.com.br

reuters (via yahoo)

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O candidato à Presidência pelo PSDB, José Serra, afirmou nesta terça-feira que o instituto Vox Populi manipula o resultado de suas pesquisas desde o primeiro turno da eleição presidencial.

O Vox Populi divulgado nesta manhã apontou uma vantagem de 12 pontos para sua adversária Dilma Rousseff (PT).

“Pesquisa do Vox Populi nós não levamos em consideração porque trata-se de instituto de comprovada falta de credibilidade, que manipulou os resultados do primeiro turno inteiro para a realidade das urnas mostrar como eles estavam fantasiando”, disse Serra a jornalistas.

Mais cedo, o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), coordenador da campanha tucana, disse que a pesquisa desta terça-feira “é uma vergonha”.

Pelo Vox Populi, Dilma Rousseff tem 51 por cento das intenções de voto e Serra aparece com 39 por cento. Considerando apenas os votos válidos (sem nulos, brancos e indecisos), a petista tem 57 por cento, contra 43 por cento de Serra. Outras pesquisas mostraram diferença menor.

Pelo segundo dia consecutivo, Serra estava ao lado do deputado Fernando Gabeira, candidato derrotado ao governo do Rio. Membro do PV, sigla que optou pela neutralidade no segundo turno, Gabeira pode externar seu apoio por não ser dirigente dos verdes.

CÂMBIO

O candidato também fez comentários sobre o câmbio. Ele afirmou que a valorização do real é responsabilidade do atual governo, que estimulou as importações. Disse que o consumo de importados no início do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva era de 12 por cento e agora alcança 20 por cento, sem detalhar o parâmetro.

“No meu caso, presidente, a mudança vai ser muito mais ampla do ponto de vista de política econômica e de equipe, na maneira de encarar a questão econômica e o gasto público. É um outro contexto”, disse.

O governo vem tentando frear a alta do real e na segunda-feira, pela segunda vez neste mês, elevou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) em aplicações de estrangeiros em renda fixa.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)