Arquivo de 06/12/2010

Texto leve, objetivo, leitura obrigatória para quem gosta de formular seu próprio pensamento e tirar as próprias conclusões.

Fenômeno da Wikileaks tem tirado sono tanto da esquerda, como da Direita, mas sinceramente a conta, para mim, não fecha, há algo mais profundo em todo este movimento aparentemente insano de desnudar o DEA e a Inteligência Americana, fiz apontamento de algumas questões que gostaria de compartilhar com vocês: I – Internet x Velhas mídias 1)    Padrão de vazamento de documentos secretos sempre faz parte de conspirações ou guerras sujas internas em ó … Read More

via Arnobio Rocha

 

O relator do Orçamento da União de 2011, senador Gim Argello (PTB-DF), faria parte de um esquema que repassou cerca de R$ 3 milhões a institutos fantasmas por meio de emendas individuais do parlamentar. É o que afirma reportagem do jornal O Estado de S.Paulo.

A notícia denuncia que o dinheiro, procedente também dos ministérios do Turismo e da Cultura, teria passado pelos institutos Brasil Sempre à Frente, Planalto Central, Inbraest, Projeto Viver e pela RC Assessoria e Marketing, até chegar a um mecânico e um jardineiro. Indagado, o jardineiro Moisés Morais teria dito não saber da existência de tanto dinheiro e que recebia R$ 500 por mês do promotor de festas,  Carlos Henrique Pina, para assinar a documentação.

Fonte: Brasília Confidencial

l

Quem é o “palhaço” ?

 
Os paulistas deveriam se orgulhar do deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva (não é parente), também conhecido como Tiririca.

Um Estado que se notabiliza por conceder invariavelmente votações fulgurantes a Paulo Maluf teve a oportunidade de se recompor moralmente com a votação esmagadora do comediante cearense: 1 milhão e 300 mil (e cacetada, diz ele) de votos.

A Folha (*), pág. A11, reproduziu parte da entrevista que este ordinário blogueiro teve a honra de fazer com seu colega de trabalho, o comediante Tiririca.

Diz o título preconceituoso da Folha (*): “Tiririca diz ainda não saber ‘bem’ o que deputado faz”.

Resposta que qualquer deputado eleito pela primeira vez e ainda não empossado poderia dar.

Quando eu perguntei se ele sabia o que ia dizer na primeira vez em que subisse ao púlpito e bradasse solenemente: “Senhor Presidente !”, ele respondeu com cara de malandro: começa que eu não sei o que é púlpito.

Resposta que a Folha registrou – a sério.

(A Folha teria registrado também a sério outra resposta dele à pergunta sobre como ele jogava futebol (se bem ou mal, estava implícito) e ele respondeu: em pé !)

Na verdade, quem entende de “púlpito” é o Padim Pade Cerra, como se vê neste vídeo patético em campanha contra os homossexuais.

E para o PiG (**)  de São Paulo, Cerra é “a elite da elite”, como dizia a Veja.

Perguntei também a Tiririca: se ele fosse do “CQC” ou do “Casseta” – será que chamariam ele de “palhaço”, ou seria “comediante” ?

Comediante, ele respondeu.

A entrevista de Tiririca – que será reproduzida na RecordNews, nesta terça feira, às 21h15 – explica, primeiro, que ele sabe que deve sua votação consagradora à sua biografia: um nordestino sofrido que venceu na vida e quer acertar.

Os 1 milhão 300 mil (e cacetada) de eleitores não são cretinos.

Eles entenderam direitinho o que significava votar no Tiririca.

Como aquele um milhão de eleitores que elegeram o Clodovil por São Paulo.

O legado parlamentar do meu colega de trabalho Clodovil é exemplar – uma legislação impecável sobre como trabalhar a adoção de crianças (ele foi adotado).

E São Paulo deveria se orgulhar mais do deputado Clodovil do que do Paulo Maluf (o que fez Maluf por São Paulo, na Câmara, além de envergonhá-lo ?).

Perguntei a Tiririca se ele ia ser um deputado pelo Ceará, onde nasceu, ou por São Paulo.

E ele respondeu de forma mais articulada que o Cerra faria: pelos dois.

E será pelos dois.

E quando surgir uma votação em que esteja em jogo o interesse do Nordeste – disse o deputado Francisco Everardo – ele saberá, perfeitamente, distinguir onde está o interesse do Nordeste.

Como Clodovil e Lula, Tiririca é uma prova de que a democracia brasileira funciona.

E este ordinário blogueiro se orgulha disso.

Paulo Henrique Amorim

(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que matou o Tuma e depois o ressuscitou; e que é o que é,  porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

(**) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista