Arquivo de 09/01/2011

 

Só ele pode nos no salvar!

Estranhei quando vi a “reportagem” da “Folha” logo cedo nesse domingo: os jornalistas Valdo Cruz, Simone Iglesias e Breno Costa trouxeram – no pé de uma matéria na página A9 – a informação de que Dilma retirara o crucifixo do gabinete e a Bíblia da mesa de trabalho do Palácio do Planalto.

Uma pulga atrás da orelha: por que o jornal não deu foto, mostrando o gabinete “antes” (com crucifixo e Bíblia) e “depois” (sob a intervenção da malvada presidenta atéia)?

E, se o fato era tão importante (a ponto de os editores botarem em primeira página), por que os repórteres incluíram a informação no pé e não na abertura do texto? Jabuti não sobe em árvore – é o que dizem. O assunto talvez não interessasse aos jornalistas que assinaram a matéria, mas certamente interessou aos donos do jornal. E certamente interessa à direita que trouxe a religião para o centro do debate político, sob os auspícios de Serra, na última campanha eleitoral. É uma forma de mandar o recado: nós avisamos, ela é a favor do aborto, não é religiosa, esses comunistas são perigosos!

Pois bem. Isso estava evidente. Mas o mais interessante veio no começo da tarde. A minstra-chefe da Secom, Helena Chagas, usou o twitter para desmentir a “Folha”. Entendam bem: a ministra não minimizou, não tentou explicar a decisão (que, aliás, seria legítima) de retirar curcifixo e Bíblia. Não! A ministra, simplesmente desmentiu o jornal!

E o curioso: desmentiu não com nota oficial, mas pelo twitter!!!

O que disse Helena Chagas:

– “Pessoal, só esclarecendo:a presidenta Dilma não tirou o crucifixo da parede de seu gabinete.A peça é do ex-presidente Lula e foi na mudança”;

– “Aliás,o crucifixo,que Lula ganhou de um amigo no início do governo,é de origem portuguesa.Mais:Dilma também não tirou a bíblia do gabinete.”;

– “A bíblia está na sala contígua, em cima de uma mesa – onde, por sinal, a presidenta já a encontrou ao chegar ao Planalto. Por fim…”;

– “…um último detalhe:embora goste de trabalhar com laptop,a presidenta não mudou o computador da mesa de trabalho.Continua sendo um desktop.”

Ou seja: segundo a ministra, a “Folha” errou no factual!

A “Folha” pode detestar a Dilma, e pode até achar que deve insuflar a direita religiosa. Mas, pra isso, precisa se ater aos fatos!

De todo jeito, sejamos cuidadosos: vamos aguardar as explicações do jornal da família Frias…

Esse espisódio, do “crucifixogate”, tem tudo pra entrar na mesma lista do “bolinhagate”, do grampo sem áudio e da ficha falsa da Dilma! Com um detalhe extra: ao desmentir o jornal pelo twitter, Helena Chagas não deixa de mandar um recado pra turma da Barão de Limeira – vocês já não estão com essa bola toda.

Humilhante: o maior jornal (?!) do país desmentido pelo twitter

Texto publicado originalmente em: http://www.rodrigovianna.com.br

 

O presidente do Incra, Rolf Hackbart, divulga a mais nova pesquisa sobre qualidade de vida em áreas de Reforma Agrária.

A pesquisa de Avaliação da Qualidade dos Assentamentos, Produção e Renda, realizada em 2010, com 16 mil famílias, em 26 estados do país, foi divulgada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), nesta terça-feira (21). Os dados levantados nos 1.161 assentamentos revelam um retrato de como é o assentado no Brasil.

– 23% tem entre 11 e 20 anos.
– 55% das famílias tem de dois a quatro membros.
– 69% cursaram entre a primeira e a nona série. 6% possui ensino médio completo e 0,56% o ensino superior completo.
– 86% das crianças estão matriculadas na escola.
– 62% avalia a quantidade e qualidade dos professores como “boa/ótima”.
– 64% considera a qualidade da água que recebe como “boa/ótima”.

Tamanho do lote – Mais da metade dos pesquisados, cerca de 58,5%, afirmam que o tamanho do lote é “ótimo” ou “bom”. Em relação à fertilidade do solo, esse percentual é um pouco menor: 52,74%. A maioria (68%) declarou ter conhecimento de técnicas de produção entre “razoável” e “ótimo”.

 

  Pronaf e comercialização – O Programa Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf) financia 52,2% das famílias assentadas e 62% delas receberam auxílio para a compra de material de construção. Em relação à satisfação com a comercialização dos produtos, 60% consideram entre “razoável” e “ótima”.

 

  Cooperativismo – Dois em cada três assentados participam de associações ou cooperativas. 51,9% dizem que participam “frequentemente” das reuniões e 16% diz participar “regularmente”. Apenas 0,04% destaca que não participa das reuniões.

 

 Campo mais informatizado – Após assentados, muitos deles conseguiram comprar bens e equipamentos. Neste recorte da pesquisa, é possível notar que triplicou o número de entrevistados que tinham celulares, motocicletas, antenas parabólicas e fornos microondas. Todavia, o destaque ficou para a aquisição de impressoras, com crescimento de 569% entre os assentados e computadores com 450%. Quadriplicou também o número daqueles que possuem acesso à internet.

Fonte: Brasília Confidencial