Hoje recebi uma singela messagem no Twitter com o link para o texto, que logo abaixo está transcrito, da Falha da Ditabranda… ele me fez viajar.

Não tenho o gosto de remoer o passado, mas num momento desatento me vi novamento nos anos 80. Mudança, da sede na Major Quedinho para o casarão da Alameda Barão de Limeira. Não lembro bem se era o meu segundo ou o terceiro mandato como Presidente Estadual da JS – Juventude Socialista – PDT.  São Paulo fervilhava, fervilhava a política e a disputa no Movimento Sindical tambem. Tempos agitados aqueles. CONCLAT, fundação do CGT, fundação da CUT, eleições sindicais com contornos que quase ninguem imagina hoje… anos 80…

Zé Ibraim rompe com o PT, é recebido com muita festa pelo PDT. O camarada revolucionário e médico David Lerer (o nosso Chê Guevara) chega e junto com ele jovens sindicalistas, rompidos com o “Joaquinzão”, logo seria nosso vice-presidente estadual.  Rogê Ferreira passando o bastão para Adhemar de Barros Filho no comando do PDT paulista, fruto de uma erro de avaliação de Brizola que tentava reconstruir a velha aliança PTB-PSP no Estado. A história só se repete como farsa… neste contexto a JS-PDT no Estado de São Paulo tornou-se uma barricada da resistencia socialista aos recem chegados ” velinhos Adhemaristas” (tinha um de Jales). Era brabo o negócio.

A disputa pelo Sindicato dos Metalúrgicos ficou na história, a CUT e o PT vieram prá cima da gente com tudo. Tinha “bate-estaca” de todo tipo e tamanho. A UNE em reconstrução. Danilo Groff (este voto vale uma pedrada), Francisco Julião das Ligas Camponesas, Therezinha Zerbini (da Anistia, ) o saudoso Euzébio Rocha (da PETROBRÁS)… tanta gente boa lutando junto com a gente. O mundo gira…CREDO!

Na reunião  Comissão Executiva Estadual da JS-PDT  São Paulo, que eu presidia pelo segundo (ou terceiro) mandato estava o Paulinho, meu Vice Presidente. Lembro quando a repressão baixou quando a gente estava ajudando na greve e meu braço foi quebrado pela cavalaria do “Choque”. Lembro da chamada que o “Velho” – “Cavaleiro da Esperança” Senador Luiz Carlos Preste nos deu. “Não estão dadas as condições pré-revolucionárias” … mesmo assim muita gente morreu.

Nos que viajamos desordenadamente nas lembranças de nosso passado REAL. Já estivemos muitas vezes de saco cheio. Já mandamos, e nos mandaram muitas vezes, se foder. Não precisamos de um jornalismo que já estece a serviço da ditadura para mardarmos ninguem “se foder”. Nem o PT precisa, nem o Paulinho, hoje Deputado, precisa. Quem precisa da gente é voce que escreve um texto deste, prá dar “audiência” … e já foi melhor nisto….

Segue a matéria do Marcelo:

Antônio Cruz/ABr

Você já deve ter percebido que esse texto contém linguagem chula. Se tem menos de cinco anos, interrompa a leitura. Se é adulto, afaste as crianças da tela.

Como se sabe, há várias maneiras de um sujeito livrar-se do outro com um insulto. Os mais lhanos mandam o desafeto ao chuveiro. Ou ao excremento.

Os menos refinados remetem o semelhante à presença da prostituta —senhora que, tendo lhe dado à luz, não consegue dizer com precisão o nome de seu pai.

Em litígio com o PT, o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), recorreu a uma ofensa intermediária. Optou por recomendar ao partido de Dilma Rousseff a autofornicação.

Paulinho da Força Sindical, como é chamado, concedeu uma entrevista ao repórter Marcelo Rocha.

Inquirido sobre a insatisfação do petismo com o fato de ter jogado contra o governo na partida do salário mínimo, Paulinho soou assim:

— […] Nós não vamos mudar as nossas opiniões porque eles estão insatisfeitos. O PDT tem um programa histórico, sempre defendeu os direitos dos trabalhadores, e se o PT abandonou os trabalhadores, a culpa não é nossa. Manda o PT se foder. Estou de saco cheio deles já.

O repórter quis saber de Paulinho, distinto companheiro do ministro Carlos Lupi (Trabalho), se considera rompido o diálogo das centrais sindicais com Dilma.

— Ela nos abandonou. Não quer mais falar conosco. Agora, a decisão das centrais é de disputar a Dilma. Achamos que nesse primeiro momento ela foi ganha pelos rentistas e por aqueles que gostam de ganhar dinheiro sem trabalhar. Embora Lula não admita, houve um rompimento com aquilo que ele vinha fazendo. Esse corte do ‘Minha Casa, Minha Vida’ é um retrocesso.

Imaginava-se que não andavam bem as relações interpartidárias no consórcio governista. Tolice. Paulinho demonstra que, em verdade, eles já nem se falam.

Os pseudoaliados precisam da intermediação de terceiros até para mandar uns aos outros a lugares esquisitos ou para recomendar práticas pouco recomendáveis

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s