Uma defesa do distritão. Porque o Brasil é uma democracia

Posted: 17/03/2011 in Reforma Política
Etiquetas:,

 

Só se fôr com a ajuda do voto distrital

Depois de ler na Folha (*) entediante artigo do Padim Pade Cerra a favor do voto distrital, percebi que deveria haver algo de errado com o voto distrital.

Se o Cerra e o Farol de Alexandria defendem o voto distrital deve ser para acabar com a “democracia de massas”, aquela de que o Otavinho tem ojeriza e construir a “democracia de Higienópolis”, do Country Club, ou do Paulistano, onde babá tem que usar uniforme e crachá.

Resolvi me ilustrar com o sempre sábio Oráculo de Delfos.

– O voto distrital no Brasil é um sonho de uma noite de verão, meu filho, diz ele.

– Por quê ?

– Como é que você vai dividir os distritos do Amazonas ?

– Ou em São Paulo, mesmo ?

– Sim ! Me diga aí: como é que você vai dividir o ABCD em distritos ? Só se for com sangue.

– Mas, os Estados Unidos têm voto distrital e o Cerra e o Fernando Henrique acham que copiar os Estados Unidos significa “avançar”…

– Lá nos Estados Unidos a eleição para a Câmara é de dois em dois anos … uma loucura … e tem gente que se re-elege por oito mandatos …

– Ou seja, não há renovação.

– Não !  Petrifica a representação.

– Êta ! E o distrital misto, o distrital com lista ? O PT ama !

– Claro que o PT ama. É o partido do poder, é o mais conhecido.

– E vai atrair mais gente.

– O ponto não é esse. O problema da lista é que beneficia a oligarquia dos partidos. Os partidos é que escolhem quem vai se eleger.

– Mas, isso não vai fortalecer os partidos ?

– Meu filho, no  Brasil não há partidos para valer. E como é que eu faço: eu quero votar no Zé da Silva, mas não quero votar no PT. Como que eu faço ?

–  Hoje, se você votar no Zé da Silva você votará na coligação em que o PT estiver.

– Tudo bem. Mas, não vou votar no Joaquim Manuel que eu detesto, mas o PT quer eu eleja ele com o voto do Zé da Silva. Entendeu ?

– Entendi. E o distritão ? Dizem que ele não presta porque o patrono dele é o Francisco Dornelles, um político conservador.

– Não sei se é conservador ou modernista. O que eu sei é que é o que melhor se adapta ao Brasil.

– Por que ?

– Você elege os mais votados de um estado – o estado é o distritão. Se o Estado tem direito a 30 cadeiras, você elege os trinta mais votados. Os trinta representam a população daquele estado. É em razão da população. Nada mais democrático.

– Bom, você quer que  se elejam os mais rico, os que têm os maiores financiadores…

– E hoje, como é que é ? Quem tem mais chance de se eleger: quem tiver mais dinheiro ou menos dinheiro ? Não seja ingênuo, meu filho. Dinheiro vota !

– Só com o financiamento público das campanhas, resolvo interromper.

– Não sei …, diz o Oráculo, sempre cético.

– Mas, também criticam no distritão que ele esmaga as minorias, esmaga os menos votados da coligação de hoje …

– Você quer dizer … esmaga os que não têm voto …

– Exatamente, os que não têm voto, mas estão na coligação bem votada.

– Meu filho, democracia é para quem tem voto. Quem não tem voto hoje trate de ter amanhã.

– Quem não tem voto não tem voto.

– Você está bom, hoje !

– Mas, você diz que o Brasil não tem partidos. Você quer o distritão, que acaba com as coligações partidários, ou seja, essa reunião em torno de partidos que têm idéias parecidas …

– Meu filho, não há nada mais diferente do PT do Rio Grande do Sul do que o PT do Rio Grande do Norte.

– Deve ser.

– É. Então, como é que se formam as alianças ideológicas ?

– Boa pergunta.

– O que se elege num distritão chega a Brasília e se aproxima dos que pensam como ele, em outros distritões.

– Isso tem mais legitimidade do que hoje ?

– Qual é a legitimidade de uma aliança que tem um deputado por São Paulo com três votos, eleito pelo Tiririca ?

– Você, então, caro Oráculo, não tem medo de o distritão esmagar a minoria.

– Não, meu filho.

– Por quê ?

– Porque o Brasil é uma democracia.

– Não entendi.

– Eu sei. Você é um pouco lerdo.

– Não precisa humilhar, Oráculo.

– Democracia só é democracia se a minoria puder ser a maioria de amanhã.

– Com voto.

– Sempre.

Pano rápido.

Paulo Henrique Amorim

 

(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que matou o Tuma e depois o ressuscitou; e que é o que é, porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s