Arquivo de 26/04/2011

Temos insistido que a Cartilha NORMAS GERAIS DE CONDUTA ESCOLAR, é a cartilha dos Corvos.

– Autoriza a escola a violar as leis e criminaliza todo movimento do aluno dentro da escola.
– Autoriza a suspender aluno por até 10 dias e a transferi-lo compulsóriamente, medida ilegal que viola e afronta a Constituição Federal, o ECA, os Direitos Humanos e a Lei de Diretrizes e Bases.

A Cartilha tem quase quarenta ítens, mas a escola ainda consegue arrumar coisa pior, como suspender aluno sem comunicar os pais e transferi-lo sem quaisquer avisos. O aluno chega e a escola comunica que ele não estuda mais alí. Isso o Manuel Tertuliano denunciou várias vêzes que acontece muito na região de Parelheiros e Marcilac, zona sul de São Paulo, a região mais pobre do estado mais rico da nação.

Probido celular é o básico. Só que tem aluno que reclama que professor fica o tempo todo no celular.

Esse é um dos maiores problemas da escola pública. Regras exageradas rígidas para alunos e o que é proibido para o aluno é permitido para professor.

Tem, claro, essa não poderia faltar: A lei da morçada. O AI 5 da escola.

-Proibido desrespeitar, desacatar diretores, professores funcionários ou colaboradores da escola.

Tenho sempre colocado que desacatar é não acatar e que abusos os pais e alunos não devem acatar devem sim DESACATAR, denunciar e dar ampla publicidade da violência e do abuso cometido frequentemente pela equipe escolar.

O aluno não pode nada, mas o mais interessante vem das normas que os maus professores não cumprem:

-Apropriar-se de objeto que pertençam a outra pessoa, sem sua autorização ou sob ameças.

Gente, isso acontece sempre na escola. Professora se apodera de objeto de aluno com a desculpa que está atrapalhando a aula e não devolve.

– Ameaçar, intimidar ou agredir fisicamente qualquer membro da comunidade escolar.

Aluno olhou feio para qualquer pessoa da comunidade escolar e é tido como ameaça, o Governador já declarou pela Rede Globo que é para chamar a policia diante de qualquer atitude considerada anormal. Olhou feio para professor ou funcionário de maus bofes da escola é considerado ameaça.

O que mais me chamou a atenção foi : Proibido portar, consumir, distribuir, vender, bebidas alcóolicas e drogas lícitas e ilícitas no ambiente escolar.

ESTAMOS FALANDO DE UMA UNIDADE ESCOLAR DO ESTADO DE SÃO PAULO OU DE UM ANTRO?

Interessante, aluno não pode usar, distribuir ou vender droga dentro da escola ???

A escola deixa alunos ao Deus dará, sem aula e com muita repressão, uma mistura explosiva, que não dá certo mesmo.

UMA ESCOLA QUE NÃO ENSINA NADA E DÁ OS PIORES EXEMPLOS, JÁ É UMA DROGA E DA MAIS DANOSA. CUSTA CARO E DESEDUCA.

Contaram isso para o Secretário de Educação de S.Paulo ?

Ah…se resolver a gente podia usar isso na Cracolândia. Colocaria, placas em todos os pontos de venda de droga dizendo PROIBIDO

Essa excrescência que é a Cartilha de Normas Gerais de Conduta Escolar, só serviu mesmo para autorizar a escola a violar a lei e esvaziar a escola.

Cremilda Estella Teixeira – De olho na escola.

Maria Stella Calças

Edvaldo Santos

Alunos que não têm apostila têm de xerocar ou copiar à mão

A Secretaria Estadual de Educação culpou a direção das escolas pela falta de apostilas a alunos de Rio Preto, conforme mostrou reportagem publicada pelo Diário, no último dia 22. O Estado alega não ter sido comunicado da demanda causada pelos estudantes matriculados tardiamente, depois do prazo regulamentar.

Esse problema, segundo a pasta, explicaria parte do problema que faz com que, três meses depois do ano letivo, os alunos tenham ainda que xerocar ou copiar à mão os conteúdos do material. O problema é mais grave no ensino médio. A Diretoria Regional de Ensino, em Rio Preto, recebeu da secretaria determinação para fazer um levantamento e saber qual o déficit de apostilas.

A promessa é regularizar a situação até esta sexta-feira. Em nota, a assessoria de imprensa da pasta informou que a Coordenadoria de Ensino do Interior (CEI) e a Diretoria Regional de Ensino enviarão uma equipe de supervisores às escolas mencionadas na reportagem para apurar a conduta da direção das unidades com objetivo de “adotar as medidas cabíveis”.

A assessoria ressaltou ainda que, sobre a falta das apostilas, “a Secretaria de Estado da Educação não havia sido notificada até o momento e providenciará imediatamente o envio do material às instituições”. Além de não ter sido comunicada, a secretaria afirmou que teve problemas com o transporte para algumas escolas, fazendo com que turmas inteiras ficassem sem os cadernos.

Porém, não informou que problemas foram esses e nem quantas apostilas deixaram de ser entregues. A reportagem do Diário mostrou que pelo menos cinco escolas estaduais de Rio Preto estão com falta de material e faz com que uma parte fique sem ter como estudar em casa.

Matérias

Na escola José Felício Miziara, bairro Chácara Municipal, zona sul, por exemplo, faltam materiais de geografia, história, física, biologia, arte, sociologia, química e inglês para o segundo e terceiro anos do ensino médio. Segundo estudantes da escola Justino Jerry Faria, no Alto Rio Preto, duas das três turmas do primeiro ano do ensino médio estão sem apostilas de biologia, história, matemática, artes e educação física.

Segundo o Estado, as escolas estariam oferecendo xerox das apostilas aos alunos, porém, segundo os alunos, isso não está acontecendo. “Quem ficou sem, tem de xerocar. Mas a maioria não tem dinheiro, e fica sem ter como estudar em casa”, diz Pamela Barbosa, 17 anos, estudante do 3º ano do ensino médio da escola Justino Jerry Faria.