O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, afirmou que o Brasil receberá, em 2011, aproximadamente US$8 bilhões em investimentos da China, durante evento realizado na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Pimentel disse que a economia brasileira está satisfeita com o volume de exportações para os chineses que, no ano passado, foi de mais de US$ 30 bilhões e deve chegar a US$ 37 bilhões este ano. A velocidade com que as trocas comerciais vêm se ampliando, fez com que os dois países criassem um grupo técnico para melhorar a relação.

“Vamos precisar de muita agilidade para tomar as decisões”, explicou Pimentel. Ele esteve reunido com o ministro chinês do Comércio, Chen Deming, a quem se referiu como profundo conhecedor da economia brasileira e “disposto a resolver as questões”.

Chen Deming avalia que “o Brasil tem bons produtos, de boa qualidade, que o povo chinês não conhece” e pediu ao empresariado presente no encontro da CNI que trabalhem melhor a divulgação dos produtos.

Maior investidora – A iniciativa de fortalecer as relações com a China, em diversos níveis, teve início em 1993, pela diplomacia do Governo Itamar Franco, quando a recém criada Comunidade Européia ainda era a principal parceira comercial do Brasil.

De lá para cá, o crescimento gradativo da economia chinesa, tornou-a não só a principal parceira comercial, como também a responsável pela maior parte dos investimentos estrangeiros em território brasileiro. Somente na última década (2000-2010), as trocas comerciais entre Brasil e China aumentaram 24,5 vezes e continuam crescendo. Entre 2009 e 2010, por exemplo,houve crescimento de 52% no fluxo de exportações e importações, chegando a US$ 56 bilhões. E a balança foi favorável ao mercado brasileiro, que saiu lucrando US$ 5 bilhões.

No mês passado, a presidente Dilma Rousseff esteve em Pequim, com uma comitiva de ministros e 250 empresários para estreitar mais a relação entre os dois países. A missão do governo brasileiro conseguiu firmar acordos em vários setores, como a exportação de carne de porco e frutas. O objetivo do governo brasileiro é diversificar os produtos que são exportados para a China. “Cerca de 80% do volume de exportações estão concentrados em apenas três produtos: minério de ferro, soja e petróleo”, pondera Pimentel.

Fonte: Brasília Confidencial

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s