Arquivo de 26/03/2012

por Marcelino Galo

O Partido dos Trabalhadores (PT) em seu quarto Congresso Nacional, no final do ano passado, deu um salto importante no que diz respeito à renovação dos quadros de dirigentes do partido quando aprovou a cota de 20% de jovens participantes obrigatórios nas direções das instâncias partidárias, a partir do Processo de Eleição Direta (PED) de 2013. Houve avanço também na presença de mulheres quando o PT aprovou 50% de participação feminina e pelo menos 20% de negros e negras nas direções. Com essas decisões, o PT está colaborando para a construção de um partido realmente representativo em sua base, além de participar na continuidade do projeto, com o empoderamento de jovens e no caminho da reforma política.
Os avanços não param por aí, além dessas novas resoluções, o partido também aprovou o limite para mandatos a partir das eleições de 2012. Cada parlamentar, no âmbito municipal, estadual ou federal, só poderá cumprir três mandatos consecutivos, e no Senado, apenas dois. Com isso, o PT fez a sua própria reforma política, mostrando para a sociedade a importância de mudar a política para modificar o país e assim, dando a oportunidade também para nossa renovação no poder legislativo no próximo período.
Acredito que, além da presença da juventude nos movimentos, cargos e mandatos, exercendo seu papel enquanto protagonista dos processos sociais e políticos, defendo uma política pública voltada para a juventude que ofereça respostas às diversas necessidades que os jovens possuem. Desse modo, melhoraríamos a qualidade de vida e favoreceríamos ao máximo a participação de jovens nas decisões políticas dos municípios e do país. É necessário, por exemplo, que os municípios tenham Conselhos Municipais de Juventude, Centros de Referências e pastas de Políticas Públicas para a Juventude, para garantir a aplicação dessa política.
Erro político
Um erro comum cometido pelos políticos é tratar a juventude como se fosse um conjunto único. As necessidades dos jovens devem ser observadas de acordo com o local onde vivem, gênero, sexualidade, raça, etnia, faixa etária e classe social, para assim saber os problemas e necessidades de cada grupo. É claro que alguns problemas são os mesmos de toda a população, como por exemplo: educação, saúde e emprego. Porém, merecem atenção especial em alguns aspectos como a entrada no mercado de trabalho e a qualificação profissional. Os jovens precisam ter acesso a cursos profissionalizantes e a educação de nível superior. Além de incentivo e inserção na produção e consumo de cultura, que dialogue com sua realidade e valorize seus potenciais.
É necessário também estimular e encantar a juventude com a luta para a transformação social. Como disse o ex-presidente Lula em mensagem para a juventude: “se você não gosta dos governantes que temos, então interfira, participe e mude a realidade!”. Assim, é fundamental a participação da juventude em todos os processos políticos, inclusive nos eleitorais, contribuindo com suas novas ideias. Tirar o título, entrar nas campanhas e participar o quanto mais cedo possível, significa também mais cedo entrar na luta pelas mudanças que sonhamos para o país. Esta é a importância do voto aos 16 anos. E que não pare por aí, que continue a luta nos movimentos sociais e em todos os espaços que a juventude possa conquistar.
No nosso estado, nas eleições de 2008, elegemos 42 candidatos jovens entre homens e mulheres ao cargo de vereador pelo PT. Nestas eleições de 2012, nosso partido e mandatos devem se dedicar ao estímulo, apoio e acompanhamento de candidaturas jovens, oferecendo meios para que homens e mulheres jovens possam se organizar e preparar politicamente para este momento fundamental da nossa democracia. E não apenas segurando as bandeiras ou distribuindo panfletos, mas coordenando as campanhas e não apenas votando, como também sendo votado. Todo apoio às jovens candidaturas e caminhemos juntos para a construção de um jovem partido e de uma nova política.
* Marcelino Galo é deputado estadual do Partido dos Trabalhadores

 

 

A Família Yamaguchi Ferreira convida para a cerimônia de nominação da sala da Comissão de Direitos Humanos OAB SP.

Ficaria honrado em contar com sua presença.

Abraços,
Paulo Teixeira

O MLS DENUNCIA O ASASSINATO DE TRÊS LIDERANÇAS NO TRIANGULO MINEIRO
Ontem os companheiros Valdir Dias Ferreira, 40 anos e Milton Santos Nunes da Silva, 52 e a companheira Clestina Leonor Sales Nunes, 48, membros da Coordenação Estadual do MLST no Estado de Minas Gerais, foram executados na rodovia MGC-455, a dois quilômetros de Miraporanga, distrito de Uberlândia. O bárbaro crime aconteceu na presença de uma criança de 5 anos.
Os companheiros e a companheira eram acampados na Fazenda São José dos Cravos, no município do Prata, Triangulo Mineiro/MG. A Usina Vale do Tijuco (com sede na cidade de Ribeirão Preto/SP) entrou com pedido de reintegração de posse apenas com um contrato de arrendamento. Diversas usinas vem implementando na região o monocultivo da cana de açúcar, trabalho degradante e o uso intensivo de agrotóxico e destruição do meio ambiente.
Essa área foi objeto de audiência no último dia 8 de março de 2012, não havendo acordo entre as partes. Dezesseis dias depois da Audiência as três lideranças que tinham uma expressiva atuação na luta pela terra na região e eram coordenadoras do acampamento foram assassinadas.
Trata-se de mais um crime agrário, executado pelo tão endeusado Agronegócio onde a vida e o direito de ir e vir não são respeitados. A impunidade e a ausência do Estado de Direito na região vem causando o aumento da violência e da tensão social.
Os nomes dos companheiros Ismael Costa, Robson dos Santos Guedes e Vander Nogueira Monteiro estão na lista de morte. Solicitamos imediatamente do Governo do Estado de Minas Gerais e da Política Federal proteção às lideranças ameaçadas. Não podemos mais ficar chorando a perda de pessoas, a obrigação do Estado é garantir o direito a vida de sua população, independente de classe social, cor e raça.
Por tudo isso, O MLST reivindica aos Governos Federal e Estadual a constituição imediata de uma Força Tarefa na região do Triangulo Mineiro com a participação efetiva da Ouvidoria Agrária Nacional do MDA, INCRA, Secretaria Especial de Direitos Humanos, Secretaria da Presidência da República, Ministério da Justiça, Polícia Federal e o Promotor Agrário de Minas Gerais, Dr. Afonso Henrique.
Reivindicamos o assentamento imediato das famílias acampadas na região do Triangulo Mineiro.
Por fim, exigimos a prisão imediata dos fazendeiros mentores intelectuais dos assassinatos, bem como dos executores. Basta de Impunidade. Basta de Violência.
O MLST presta sua última homenagem aos três dirigentes do Movimento no Triangulo Mineiro, clama por justiça e reafirma seu compromisso na luta pela democratização da terra para construir um País mais justo e igualitário.
Viva Clestina Leonor Sales Nunes!
Viva Valdir Dias Ferreira!
Viva Milton Santos Nunes da Silva!
Uberlândia, 24 de março de 2012

Coordenação Nacional do MLST