Archive for the ‘PEDOFILIA’ Category

Três mulheres foram presas por suspeita de exploração sexual de adolescente. A prisão foi efetivada no fim de semana na cidade de União dos Palmares, a cerca de 80 km de Maceió (AL). Segundo as investigações, as suspeitas teriam promovido uma festa onde seria leiloada uma virgem adolescente e haveria rifas de sexo oral.

As informações chegaram pelo Conselho Tutelar de Alagoas e levou a uma investigação da Polícia Civil do Estado. Os policiais também encontraram no bar denunciado duas adolescentes ingerindo bebida alcoólica.

O delegado pediu à Justiça a prisão preventiva das promotoras do evento e do dono do bar

Fonte: terra.com.br

Político condenado a 21 anos de prisão por abuso sexual demoniza criança vitimizada em manifesto público. Cerca de 30 pessoas fizeram ato em defesa de ex-deputado do DEM, condenado por pedofilia.

 Manifestantes defendem Sefer em frente à Alepa

Hoje pela manhã uma manifestação em favor do ex-deputado Luiz Sefer foi realizada em frente à Assembléia Legislativa do Pará (Alepa), na rua do Aveiro, região central de Belém.

Os manifestantes portavam cartazes e gritavam palavras de ordem em defesa do ex-parlamentar, condenado a 21 anos de prisão em regime fechado na terça-feira (8), por crime de pedofilia.

A sentença de condenação e a ordem de prisão imediata foram decididas pela juíza Maria das Graças Alfaia. A ordem de prisão não durou nem 24 horas.

Ontem (9), a desembargadora Vânia Fortes, do Tribunal de Justiça do Pará, concedeu habeas corpus a Sefer, que poderá assim recorrer da setença de prisão, proferida em primeira instância, em liberdade.

O ex-deputado não chegou a ser preso enquanto perdurou a validade da ordem de prisão. Procurado pela polícia e considerado foragido da Justiça, Sefer não foi localizado.

Na manifestação de hoje, lanches foram servidos gratuitamente aos manifestantes e um panfleto intitulado “Conheça a Verdade do Caso Sefer” foi distribuído às pessoas no local. Nenhum dos manifestantes quis informar quem estava pagando pelos lanches.

O panfleto distribuído tinha o seguinte teor, transcrito abaixo na íntegra.

Conheça a Verdade do caso Sefer

Pedofilia é um crime em série, um pedófilo nunca possui uma única vítima. Sefer não possui nenhum outro processo ou acusação deste tipo.

– A menor afirma que Sefer abusava dela e de outra menor juntas, porém, exames comprovaram que a outra menor era virgem.

– A menor, por inúmeras vezes, fugia para as festas pela madrugada em companhia de seu namorado sem o conhecimento de Sefer.

– A menor foi pega pelo Conselho Tutelar em uma batida de rotina e estava na companhia de 5 rapazes maiores de idade e visivelmente alcoolizada.

– A menor possui uma irmã que era abusada pelo pai e tem filho incestuoso com o mesmo.

– A menor molestou o neto da secretária de Sefer que tinha 6 anos.

– A irmã da menor relatou que a menor era abusada pelo próprio pai.

– A menor fugiu da casa de Sefer às vésperas de voltar a morar no interior.

– Das 50 testemunhas ouvidas no processo, nenhuma acusou Sefer.

Tendo estes conhecimentos, você acha que a condução deste processo foi justa ou cedeu a pressões

Entidade aponta que são cometidos 700 crimes sexuais contra crianças na internet. Equivale a uma média de um por hora
Ernesto Braga
ernestobraga.df@dabr.com.br

 Brasília – O crescimento da internet tem contribuído para a expansão de um crime que não respeita as fronteiras: a pedofilia. De acordo com dados divulgados pela ONG SaferNnet Brasil, que recebe denúncias de pedofilia e de outros crimes cibernéticos, são registrados no país, a cada mês, cerca de 700 crimes sexuais contra crianças e adolescentes na rede mundial de computadores. Uma média de 23,3 por dia, um por hora.

A rapidez com que esse tipo de delito se difunde é uma das preocupações das organizações policiais internacionais. No Brasil, não é diferente. Em Minas Gerais, a Delegacia de Defesa Institucional (Delinst) da Polícia Federal já abriu neste ano 23 inquéritos para investigar ações de grupos internacionais de pedofilia na web. O número equivale ao total de inquéritos abertos ao longo de 2009, assim como de 2008, e comprova a tendência de crescimento desse tipo de prática criminosa.

Além do aumento do número de inquéritos abertos para investigar as redesinternacionais, as constantes operações da PF para apreender material pornográfico divulgado pela internet e prender suspeitos de pedofilia são mais uma prova de que é preciso agir com rigor para reprimir este delito. Em 27 de julho, a PF deflagrou a Operação Tapete Persa, abrangendo Distrito Federal e 10 estados. Foram presas 24 pessoas, na maior operação de combate à pedofilia já feita no Brasil, e apreendido farto material em computadores, DVDs, CDs e meios eletrônicos.

Somente nas três últimas semanas, a PF prendeu dois homens envolvidos com redes internacionais de pedofilia na internet em Minas. Pornografia infantil é crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), com pena de até oito anos de cadeia. De acordo com o ECA, é proibido armazenar, oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar e/ou divulgar fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cenas de sexo explícito ou pornografia envolvendo criança ou adolescente.

A chefe da Delinst, delegada Tatiana AlvesTorres, explica que é atribuição da PF investigar casos em que as redes de pornografia têm ramificações internacionais. “Geralmente, quando cai na internet, há essa ramificação”, ressalta, lembrando que isso dificulta mensurar a quantidade de criminosos e vítimas. “Dependendo do caso, são milhares de pessoas. Caiu na internet, o acesso é ilimitado”, explica. Segundo o senador Magno Malta (PR-ES), presidente da CPI de Combate à Pedofilia, cada pessoa que posta uma foto pornográfica a repassa a pelo menos outras 20.

Ramificado – Uma operação da PF em setembro de 2009, em Minas, São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará, constatou a ligação de pedófilos desses estados com outros de 23 países. Na ocasião, sete pessoas foram presas. À frente da Delinst desde março, a delegada Tatiana Torres se diz surpresa com a quantidade de queixas em relação ao tema. “É incrível a quantidade de sites e material oferecido na internet.”

Denuncie

Os canais de apoio da Polícia Federal são o Disque 100 (serviço telefônico), o site http://denuncia.pf.gov.br e o e-mail denuncia.ddh@dpf.gov.br

30.07.10 | 12h54 – Atualizado em 30.07.10 | 16h06
 

Eduardo Zeferino, de Dom Aquino, criou um programa infantil para se aproximar das crianças; MPE pode pedir prisão preventiva
MidiaNews


Ministério Público pode pedir a prisão preventiva do prefeito Zeferino, de Dom Aquino

  • MAYARA MICHELS
    DA REDAÇÃO 

    Em um dos casos mais graves de  pedofilia em Mato Grosso, a Polícia Civil vai descobrindo novos detalhes envolvendo o prefeito Eduardo Zeferino (PR), de Dom Aquino. Além das cinco vítimas já identificadas pela Polícia Civil, outras 11 crianças também podem ter sido molestadas por ele. De acordo com a polícia, as outras vítimas que podem ter sido vítima de abuso sexual são crianças de 7 a 11 anos que participaram de um projeto social criado pelo prefeito.

    Segundo informações de testemunhas, Zeferino formou um grupo, supostamente de assistência social, denominado “Batutinha”, do qual podiam participar apenas crianças de até 12 anos.

    As mães tinham que liberar os filhos para passear com o prefeito. “Ele acariciava as crianças, pedia para elas acariciar o corpo dele”, contou, em entrevista à TV Centro América (Globo/4), a mãe de uma das uma das meninas, que foi molestada quando tinha 8 anos.

    De acordo com as informações do delegado que acompanha o caso, Victor Hugo Teixeira, as investigações sobre o crime cometido pelo político ainda estão no início.

    “Estamos investigando esse projeto criado por Eduardo Zeferino. Temos a informação de que o crime teria sido praticado, também, antes de ele ser eleito. O grupo de crianças visitava a casa dele para almoçar, lanchar e brincar, além de participar passeios que ele oferecia”, contou o delegado.

    Ao MidiaNews, o delegado informou que já começou a tomar o depoimento das meninas e dos pais de cada uma delas.

    Ameaça de morte

    Segundo as informações, o prefeito estaria ameaçando de morte as famílias das vítimas. “Estamos com muito medo. Ele ameaçou a minha família… Tá gerando uma insegurança de sair de casa, de deixar as crianças sozinhas. Temos medo de deparar com alguém que pode nos matar”, afirmou uma das mães, que não não identificada por questões de segurança, em entrevista à TVCA.

    O prefeito de Dom Aquino deve ser intimado para prestar depoimento ainda nesta semana. Além de se defender das acusações de abuso sexual, ele também vai ter que responder perguntas sobre supostas ameaças, que teriam sido feitas aos pais das crianças.

    “Eu sugeri para o procurador-geral de Justiça que peça a prisão preventiva deste prefeito, porque ele tem poder político e tem poder econômico”, afirmou o promotor da Infância e da Juventude, José Antonio Borges.

    Segundo o delegado Victor Hugo Teixeira, a previsão de conclusão do inquérito é de 30 dias. O prefeito continua trabalhando normalmente na cidade. Segundo o delegado, ele nega todas as acusações.

    Outro lado

    A reportagem tentou novamente, nesta sexta-feira (30), entrar em contato com Eduardo Zeferino, porém ele não foi localizado.

    A assessoria de imprensa da Prefeitura informou que ele está na cidade, mas não dá expediente na prefeitura

     http://www.midianews.com.br/?pg=noticias&cat=3&idnot=28092

  • 27/07/2010 10:30
     
    Arquivo – Diógenes Santos
    Fagundes diz que a exploração sexual infantil está se alastrando.

    A Câmara analisa o Projeto de Lei 7269/10, do deputado Wellington Fagundes (PR-MT), que prevê a interdição de estabelecimentos e instituições que facilitem ou promovam a exploração sexual comercial e o aliciamento de crianças e adolescentes.

    Em caso de flagrante, de acordo com a proposta, o estabelecimento será imediatamente lacrado e impedido de funcionar. Já o proprietário ficará proibido de participar de sociedade em quaisquer outros estabelecimentos comerciais, uma vez comprovada sua responsabilidade por decisão judicial transitada em julgado.

    Citando dados da Matriz Intersetorial de Enfrentamento da Exploração Sexual Comercial de Crianças e Adolescente (trabalho coordenado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República), o deputado afirma que a exploração sexual contra crianças e adolescentes vêm se intensificado, se interiorizando e alcança hoje cidades pequenas e pobres em todas as regiões do País, não apenas cidades litorâneas ou turísticas.

    “Dos 5.561 municípios brasileiros, ocorre exploração sexual de crianças e adolescentes em pelo menos 937. O número representa quase 17% das cidades do País”, afirma o deputado.

    Tramitação
    O projeto será examinado de forma conclusivaRito de tramitação pelo qual o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo. O projeto perderá esse caráter em duas situações: – se houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra); – se, depois de aprovado pelas comissões, houver recurso contra esse rito assinado por 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário. pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

    Disque 100 atendeu mais de dois milhões de chamadas em sete anos

    Brasília Confidencial

    disque_100    O serviço telefônico que recebe denúncias de violência contra crianças – Disque 100 – registrou mais de dois milhões de atendimento entre o ano 2003 e abril de 2010, informou ontem a Secretaria Especial de Direitos Humanos, da Presidência da República. A média diária de denúncias caiu, no primeiro quadrimestre deste ano, em comparação com 2009. No ano passado a média foi de 605 denúncias por dia; de janeiro a abril de 2010, foram 454.

        Desde que o Disque 100 foi criado, no primeiro ano do Governo Lula, o maior número de denúncias foi registrado na Região Nordeste – 43.000 – e o menor na Região Norte – aproximadamente 12.000.

        A pesquisa também indicou que 62% das 215.689 vítimas que informaram o sexo ao registrar a denúncia eram mulheres. Em casos de exploração sexual, a parcela formada por vítimas do sexo feminino chegou a 82%. Os casos de pornografia infantil, abuso sexual e tráfico de crianças e adolescentes do sexo feminino tiveram índices de 70%, 79% e 81%, respectivamente.

        O Disque 100 funciona diariamente das 8h às 22h. Outra forma de apresentar denúncias é o endereço eletrônico disquedenuncia@sedh.gov.br.

    Crimes de guerra: escravas sexuais no Iraque e no Afeganistão 

    Uma menina iraquiana de 12 anos é obrigada a se prostituir nos subsolos de Bagdá, enquanto os guardas privados norte-americanos fazem uma coleta de poucos dólares e fazem fila. As moças são recrutadas no Leste Europeu com a promessa de um trabalho como doméstica em Dubai e depois dali são desviadas e segregadas ao coração do Iraque. As garçonetes dos restaurantes chineses de Kabul, por trás das luzes vermelhas, escondem o segredo que todos conhecem. O artigo é de Angelo Aquaro, do jornal La Repubblica. 

    Angela Aquaro – La Repubblica (IHU On-line) 

    Matéria publicada em português no IHU On-line

    O último horror das “guerras gêmeas” que Barack Obama herdou de George W. Bush tem o rosto das mulheres exploradas em nome daquele outro ídolo que divide o altar com o dinheiro: o sexo. Mas oito anos depois do início da guerra contra o terror, o balanço dessa batalha é ainda mais magro: zero a zero. As ordens do presidente eram retumbantes como as proclamações da vitória que não chegava.

    É severamente proibido que os contratantes ou funcionários do governo se tornem responsáveis pelo tráfico sexual nas zonas de guerra. Qualquer um que se torne responsável pelo tráfico sexual será suspenso do cargo. Quem for surpreendido em tráfico sexual será denunciado às autoridades. Os resultados? “Não há nenhum processo aberto”, diz a ex-detetive do Human Rights Watch, Martina Venderberg. “Enfim, não há vontade de fazer com que se respeite a lei”.

    A vergonha foi descoberta por uma investigação do Center for Public Integrity, publicada neste domingo pelo Washington Post. E os contratantes da ex-Blackwater acabaram sob acusação: o grupo privado já tristemente famoso pelos massacres de civis no Iraque. A empresa goza de uma fama tão ruim que, para voltar a trabalhar hoje, mudou de marca e se chama Xe Service.

    Um ex-guarda conta que não quer revelar o nome por medo de represálias: “Eu mesmo vi guardas mais velhos recolherem dinheiro, enquanto moças iraquianas, dentre as quais meninas de 12 e 13 anos, se prostituíam”. O guarda diz também que denunciou tudo ao seu superior, mas que “nenhum procedimento foi tomado: me entristece só de falar nisso”.

    De fato, quem não se entristece é a porta-voz da ex-Blackwater, Stacy De Luke, que, no Washington Post, nega “com força essas acusações anônimas e sem provas: a política da empresa proíbe o tráfico humano”. Claro.

    O caso das trabalhadores do leste que pensam em voar para Dubai e acabam no Iraque foi descoberto por uma jornalista freelancer. Aqui, a organização era muito mais acurada. Um verdadeiro tráfico organizado por subcontratantes que trabalham para o Exército e para o Exchange Service da Aeronáutica: nome que deveria indicar o escritório que se ocupa de organizar o serviço de restaurantes, mas que evidentemente também se ocupa de outras coisas. Assim que aterrizam, as pobrezinhas são privadas do passaporte. Há também um preço para o resgate: 1.100 dólares. Uma quantia enorme, visto que se prostituem por poucos dólares.

    A fábrica do sexo é ainda mais sólida no Afeganistão. Lá, há quatro anos, uma centena de chinesas foram libertadas em uma série de blitzes que, ao invés do Talibã, atingiram os bordéis. Mas o tráfico continuou. Com a “aquisição” de uma mulher por 20 mil dólares, um empresário do ArmorGroup, a empresa que, até pouco tempo atrás, se ocupava da segurança da embaixada norte-americana em Kabul, se orgulhava de poder organizar um tráfico rentável. A investigação que iniciou rapidamente chegou ao altos níveis do FBI. Mas parou por aqui.

    Os federais defendem que não tiveram meios suficientes. Nas zonas de guerra, enfileiraram-se cerca de 40 agentes, mas eles já têm muito a fazer ao se ocupar de fraudes e corrupção. Mas os ativistas dos direitos humanos têm uma outra explicação: a verdade é que as autoridades preferem fechar um olho. Diz Christopher H. Smith, deputado e autor de uma lei antitráfico, para a crônica republicana: como é possível tolerar que essa gente possa explorar as mulheres com o dinheiro que nós pagamos? Eis uma outra herança da qual Obama deverá se ocupar.

    Tradução: Moisés Sbardelotto.

    19/07/10

    Da Agência Brasil

    Brasília – Uma empresa especializada em perícia digital decidiu lançar um programa que ajuda os pais a monitorar os acessos feitos pelos filhos na internet. O guarda-costas virtual é um software que registra acessos de páginas que tenham conteúdo impróprio ou que a criança, porventura, receba no computador. Ele ainda captura em tempo real conversas realizadas em sites de bate-papo.

    O software emite relatórios a partir das palavras-chave. Por exemplo: ao cadastrar a palavra sexo, toda vez que a criança acessar algum site que a contenha, ou citá-la durante conversas em sites de relacionamento ou qualquer tipo de rede social, chegará um aviso à caixa de e-mail cadastrada na adesão do programa. Os pais podem escolhem a periodicidade do recebimento desse conteúdo, podendo ser diária, semanal ou mensalmente.

    O especialista em perícia digital Wanderson Castilho afirma que o programa ajuda os pais a fazer uso da tecnologia a seu favor, preservando a segurança dos filhos durante a navegação na internet. “Os pais sempre reclamavam do atraso tecnológico em relação aos filhos. Então, a ideia é usar esse recurso a seu favor para monitorar as crianças. Hoje, fica enviável contratar 24 horas um guarda-costas no mundo físico, mas, no virtual, essa realidade é perfeitamente possível, evitando que maiores danos aconteçam”.

    Segundo Castilho, o programa foi desenvolvido depois de uma simulação feita na internet, em 2009. Adultos se passavam por crianças nos chats, usando idade que remetia a um menor. O especialista conta que, nas 25 salas de bate-papo acessadas, em menos de um minuto a “criança” era aliciada e, em até quatro, o pedófilo já estava com ela no programa de conversas reservadas exibindo, com uma câmera, o órgão genital.

    Atualmente, existem programas que fazem registros de acessos no computador. A diferença desse aplicativo é que não há instalação na máquina. O pai acessa um link recebido no seu e-mail confirmando a adesão do serviço para aquele equipamento.

    O idealizador do novo aplicativo ressalta que essa é uma maneira de evitar que haja a remoção do software. O investimento custa à família, mensalmente, R$ 60. Em três meses, o guarda-costas virtual ajudou a desvendar 20 casos de pedofilia na internet. Para ajudar os pais com filhos menores que acessam a internet regularmente e alertar aos usuários dos riscos que há ao navegar a rede de computadores, Castilho escreveu um livro que reúne experiências de crimes na web.