Posts Tagged ‘CPÌ’

Apesar da afetação de arrogância de seus paus-mandados, o italiano Roberto Civita, dono da revista Veja, está perdendo noites de sono com a disposição de cerca de metade do Congresso Nacional de convocá-lo a dar explicações na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que terá início na semana que entra.Durante a semana que finda, Fábio Barbosa, presidente do grupo Abril, reuniu-se em Brasília com lideranças dos partidos a fim de apresentar um pleito do patrão: não ser convocado a depor.

Há relatos de que Barbosa voltou com a pasta vazia para São Paulo, munido apenas de uma notícia para dar ao chefe: ele colecionou muitos inimigos no Legislativo e, apesar de ter amigos, eles são minoria nas duas Casas legislativas e, assim, dificilmente o capo da Veja não será convocado a explicar uma relação suspeitíssima de sua revista com o crime organizado.

Não é por outra razão que, agora, a grande imprensa escrita – que, inicialmente, tentou ignorar as relações de tenentes da Veja com o crime e a constatação de que incontáveis matérias que a revista publicou originaram-se desses contatos – já trata abertamente do assunto.

As televisões abertas ainda escondem as relações suspeitas da Veja com o crime organizado, mas será difícil que relação tão íntima da revista com os bandidos fique fora dessa mídia quando a CPMI começar a funcionar, pois, nas escutas, a quadrilha de Cachoeira cita reportagens da Veja para favorecê-la, algumas das quais acabaram de fato sendo publicadas.

Além disso, o segredo mais bem guardado sobre a Operação Monte Carlo, até o momento, é o teor amplo dos contatos entre a revista de Civita e a quadrilha. Esse teor, suspeita-se, pode ser muito mais explosivo do que estão supondo jornalistas de outros grandes veículos de comunicação que, tal qual os senadores que apoiaram Demóstenes Torres precipitadamente, nem imaginam o que a Veja andou fazendo nessa cachoeira de corrupção.

O ódio visceral que a mídia nutre por Lula impede que reconheça que ele não é um ingênuo que estimularia uma CPI achando que os adversários políticos e midiáticos não tentariam inverter o foco das investigações, jogando-o contra o governo, o PT e aliados. E que, portanto, sabe muito mais sobre o trabalho da Polícia Federal do que supõem seus inimigos.

A possibilidade de a chapa esquentar para Civita, portanto, não é desprezível. No limite, pode ser considerado membro da quadrilha de Cachoeira, se não for o cabeça. Se isso ocorrer, tal qual o italiano Salvatore Cacciola, Civita pode picar a mula para a Itália a fim de se colocar a salvo da lei brasileira.

Até porque, não haverá de faltar um juiz do Supremo Tribunal Federal para lhe conceder um habeas-corpus às duas da madrugada.

Publicado originalemnte em Blog da Cidadania
Eugênio Kishi

 

O lider do PT no senado, Walter Pinheiro (BA), começará a colher assinaturas para abrir a CPI do Cachoeira no Senado.

Já existe um pedido idêntico na Câmara feito pelo deputado Protógenes Queiroz (PCdoB/SP).

A Câmara só pode abrir 5 CPI’s simultaneamente, e o próprio Protógenes chegou a avaliar que dificilmente seria viável abrir a CPI do Cachoeira e da Privataria Tucana simultanemente na casa. O Senado não tem essa limitação.

Deslocando a CPI do Cachoeira para o Senado, melhora as condições para instalar a da Privataria na Câmara, pois o caminho fica mais livre.

Mas o motivo alegado pelo líder do PT não foi esse. O STF disse que não pode atender ao pedido dos senadores para terem acesso ao inquérito sobre Demóstenes por estar sob sigilo de justiça. Só uma CPI poderá ter esse acesso. Com isso, sem ter acesso amplo aos diálogos entre Demóstenes e Cachoeira, os senadores entendem que fica prejudicado um julgamento no Conselho de Ética, pois estariam julgando com base em vazamentos parciais na imprensa, que não são oficiais. Isso facilitaria a defesa de Demóstenes.

Candidatura de Serra é usada para inibir CPI da Privataria

Tucanos estão acusando a CPI da Privataria Tucana de ser usada eleitoralmente, o que leva muita gente boa a admitir que esta CPI deva ser instalada após as eleições.

Por outro lado há forte suspeita de que um dos motivos de José Serra sair candidato foi justamente para bloquear esta CPI.

É fácil entender o cálculo demotucano.

Se ele não saísse candidato, e a CPI da Privataria fosse instalada, a carreira política dele iria a pique e em 2014 só teria condições de concorrer a Deputado Federal, igual a Paulo Maluf.

Saindo candidato agora, ele tenta bloquear a instalação da CPI antes das eleições. Se conseguir, tem dois caminhos:

Se perder a prefeitura, sua carreira política naufraga, com ou sem CPI.

Se ganhar a prefeitura (coisa difícil), fortalecido, continuará usando o mesmo argumento o tempo todo para continuar bloqueando a CPI: dirá que é por interesse político contra ele, por ser prefeito de oposição e por se tornar o principal nome tucano para candidatar-se a presidente em 2014.

Por: Zé Augusto