Posts Tagged ‘DEM’

O senador Randolfe Rodrigues. A articulação feita por ele no Amapá provocou insatisfação dentro do PSOL.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

No último domingo, o PSOL ganhou a sua primeira prefeitura em uma capital. Venceu por uma estreita margem de 2,3 mil votos no segundo turno em Macapá. Para conseguir o cargo, o prefeito eleito Clécio Luís subiu ao palanque com parte do DEM. Também declarou apoio a Marcus Alexandre, candidato petista à prefeitura de Rio Branco. Depois, disse querer o diálogo com José Sarney (PMDB), senador pelo Amapá. Todas foram atitudes inesperadas para um partido cuja atuação parlamentar como oposição sempre foi marcada pelas críticas a práticas corriqueiras da política brasileira e também ao PT, partido do qual o PSOL se originou.

A postura de Clécio gerou críticas dentro do PSOL. Diante disso, o prefeito eleito e o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) divulgaram uma carta nesta quinta-feira 1º endereçada à militância do PSOL. Eles justificam os apoios recebidos pela necessidade de “uma engenharia política que (…) neutralizasse e fracionasse uma provável coalizão conservadora em torno do atual prefeito [Roberto Góes (PDT)]”.

A carta traz desculpas à direção do partido, que não foi consultada sobre os apoios, mas lamenta parte das críticas recebidas. “Admitimos que a nossa engenharia política pudesse ter sido mais bem construída internamente ao partido, dialogando com nossas instâncias nacionais e ouvindo ponderações, fato que gerou dúvidas sinceras e também ataques desleais, alguns dos quais foram ostensivamente utilizados pelo nosso adversário”.

Os dois líderes do partido ainda justificam o apoio ao PT na capital do Acre. “Aproveitamos para esclarecer que consideramos um erro ter declarado apoio ao candidato do PT em Rio Branco sem ter antes conversado com nossa direção local. Esta postura foi motivada pela necessidade de vencer o crime organizado naquele estado e pela repercussão positiva que este gesto teria nos possíveis apoios do PT em Macapá e em Belém”.

Sarney não é citado na carta. Segundo Randolfe, o apoio dele nunca seria buscado. Tudo, disse o senador a CartaCapital, não passou de um “exercício de manchete do criativo jornalismo brasileiro”. Clécio vai à Brasília na próxima semana e deve ser recebido pelo presidente do Senado. “Não vamos procurar Sarney para mudarmos de credo, mas precisamos dialogar com o governo”, diz o senador.

PSOL discute o assunto na próxima semana

A direção nacional do PSOL deve se reunir e discutir esses assuntos na próxima semana, quando será feito um balanço das eleições municipais. A expectativa é de que seja feita uma crítica às alianças no Amapá, mas sem nenhuma punição aos integrantes.

Para a ex-deputada federal Luciana Genro (RS), o partido deve, agora, olhar para frente e ter certeza que alianças com partidos de direita não sejam feitas em seu governo. “Nós temos que ser um aprimoramento, e não uma repetição farsesca das administrações do PT”, disse a deputada. “Uma coisa é receber um apoio e falar: ‘muito obrigada, agora nós vamos governar’. Outra é apresentar aliados de ocasião como estratégicos, que é o que aconteceu em Macapá”, diz Genro. “Um governo do PSOL não pode ficar refém dessa lógica que nós sempre criticamos em relação ao governo petista. Muitas vezes eles não se apoiavam na mobilização popular e tinham propostas contrárias ao povo, como no caso da reforma da previdência, quando fomos expulsos do PT.”

O senador Randolfe diz que Clécio não deve fazer nenhuma concessão programática na prefeitura, mas aceitaria o apoio de quem estiver disposto a se adequar aos seus princípios. “Se alguém apoia um governo de esquerda é porque se converteu ao nosso programa. Não há luta de classes quando a burguesia apoia as reivindicações do proletariado. Aí a burguesia deixa de ser burguesia.”

Por Altamiro Borges

Na sexta-feira, 7, terminou o prazo de filiação partidária para quem deseja disputar as eleições municipais de 2012. Superando as expectativas, o recém-criado PSD, do prefeito Gilberto Kassab, atraiu inúmeras lideranças de direita e centro-direita e causou enorme estrago na oposição demotucana. As filiações ao novo partido-ônibus reforçam as dúvidas sobre o futuro do DEM, PSDB e PPS.


Balanço parcial das deserções

Segundo levantamento parcial, o PSD já nasce com 47 deputados federais, dois senadores, cinco vice-governadores e dois governadores, dezenas de deputados estaduais, 600 prefeitos e perto de 6 mil vereadores. E o número de filiados ainda pode aumentar, já que o prazo para a troca de legenda sem caracterizar infidelidade partidária termina no dia 28 deste mês.

“Chegamos ao prazo final das filiações para os candidatos às eleições municipais com uma musculatura muito do maior do que esperávamos. A correria foi muito grande. E no último dia, ainda garantimos a filiação de um craque para nosso time, o Meirelles, que já desponta como um candidato fortíssimo à prefeitura de São Paulo”, comemora o secretário-geral do PSD, Saulo Queiroz.

A ridícula declaração de Agripino

Como já era previsto, a principal vítima do PSD é o DEM. Ironia da história, Gilberto Kassab, eleito prefeito de São Paulo por esta legenda, está enterrando de vez os demos. O partido já perdeu 17 deputados federais e corre o risco de sofrer mais duas baixas. Com estas deserções, o DEM perde o título de quarta maior bancada da Câmara Federal e terá que ceder salas e cargos. Desespero total!

Em alguns estados, os demos já queimam no inferno, para desespero do diabo. É o caso de Santa Catarina. “Todos os prefeitos do DEM, sem exceção, seguiram os passos do governador Raimundo Colombo e do ex-deputado Paulo Bornhausen, e migraram para o PSD”, informa o jornal O Globo.

Apesar do desastre, o senador José Agripino, presidente da sigla agonizante, ainda tenta disfarçar. “Não fechamos a contabilidade sobre as perdas nos municípios. Mas a nossa preocupação não é com o número de prefeitos com que ficamos, mas com os que serão eleitos no próximo ano”. Cínico e ridículo! A tendência é que o DEM não sobreviva por muito mais tempo.

O inferno astral dos tucanos

Outros partidos também sofreram abalos com a criação do PSD. O PP de Maluf perdeu seis deputados e o PPS de Roberto Freire teve quatro baixas – ficando com apenas oito federais. PMDB, PMN e PR perderam três deputados, cada. Mas depois da tragédia dos demos, os tucanos são os mais afetados. Três deputados já abandonaram o ninho e outros dois farão o mesmo nos próximos dias.

Mas o PSD parece insaciável e deseja engolir outros tucanos, descontentes com a falta de rumo do partido e com as intermináveis brigas internas. As bicadas ficam cada dia mais sangrentas entre Alckmin e Serra. Na escolha do candidato a prefeito da capital, as rasteiras e baixarias vieram à tona. Para piorar, o PSDB não tem como fugir das denúncias de corrupção na Assembléia Legislativa. O inferno astral dos tucanos pode render ainda outros filiados para o PSD de Kassab.

*****

Leia também:

Corrupção em SP: Barbiere ameaça Alckmin

Meirelles será o candidato de Kassab?

Tucanos sabotam CPI do mensalão em SP

“Tucanocídio” e a crise da direita

Linknet, Linkdata, Prodata, Conecta, Poliedro e Brasil Telecom terão de devolver R$ 240,8 milhões. O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) condenou as seis empresas a devolverem aos cofres públicos R$ 240,8 milhões por contratos supostamente irregulares celebrados sem licitação com o GDF.
Cinco são citadas no Inquérito 650, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que investiga o Mensalão do DEM. É o maior volume de recursos que a Justiça do DF mandou devolver desde que o esquema veio à tona. Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo, as empresas teriam sido contratadas em caráter emergencial pela Codeplan, de forma “absolutamente ilegal”, para prestar serviços de informática. A Codeplan, segundo investigações da Polícia Federal, teria sido o primeiro canal de desvio de dinheiro público que abasteceu o esquema…..

A sentença foi proferida em 24 de agosto pela juíza Gislaine Reis, da 4ª Vara de Fazenda Pública. O processo, que corre em sigilo, é de 2006, portanto, durante a gestão do ex-governador Joaquim Roriz. Na época, quem controlava a estatal era Durval Barbosa, delator do esquema que originou a Operação Caixa de Pandora.

Na decisão, a juíza diz que as empresas não poderiam ser contratadas sem licitação porque não havia configurada situação de emergência.
Assim, pede a devolução do dinheiro para a Linknet (R$ 79 milhões), Linkdata (R$ 50 milhões), Prodata (R$ 38 milhões), Conecta (R$ 36 milhões), Poliedro (R$ 35 milhões) e Brasil Telecom (R$ 2,8 milhões).
Segundo o TJDFT, a decisão deve ser publicada hoje no Diário Oficial.
Após acordo de delação premiada, Durval teria passado a colaborar com a Justiça e afirmou que os contratos seriam utilizados para financiar a campanha de políticos do DF. O advogado de Durval, Dante Teixeira, disse que o cliente não é réu no processo e que não pode se pronunciar. “O processo foi iniciado antes do acordo delação”, afirmou.
Paulo Fona, assessor de Roriz, ponderou que durante a gestão dele o TCDF não encontrou irregularidades nos contratos. Em nota, a Conecta afirmou ter recebido as informações com surpresa e disse não ter tido “conhecimento de qualquer tipo de irregularidade no processo”.
O advogado da Prodata, Tiago Rodrigues, disse que a empresa vai aguardar ser notificada para se manifestar.
A Linkdata afirmou que, por não ter tido acesso à decisão, não poderia se pronunciar. A Brasil Telecom, comprada pela Oi, não foi citada em depoimento por Durval e afirmou não comentar processos em andamento.
A Linknet não retornou as ligações e a Poliedro não foi localizada.
Adler na mira do TC
Aos poucos, os processos referentes à Operação Caixa de Pandora que tramitam no Tribunal de Contas do DF vão sendo solucionados. Auditoria nos serviços prestados pela empresa Adler Assessoramento Empresarial e Representações à Secretaria de Governo sem cobertura contratual concluiu que, entre janeiro de 2007 e fevereiro de 2009, houve superfaturamento e prejuízos que chegariam a pelo menos R$ 269.795,26. A empresa prestou serviços de instalação, locação de equipamentos e manutenção de rede elétrica e lógica no Centro Administrativo e em diversas unidades do GDF.
Segundo o tribunal, o governo teria “ignorado diversas exigências previstas na Lei de Licitações, mantendo ilegalmente a referida empresa como prestadora de serviços”.
 A auditoria apontou que não houve registro de que tenha sido feito estudo de viabilidade entre as opções de aquisição e locação. Isso porque os valores do aluguel dos equipamentos fornecidos pela Adler teriam sido “ex – cessivamente elevados”, atingindo em poucos meses o mesmo valor para compra dos bens. “Foi constatado que dos sete equipamentos pesquisados, cinco atingiram o valor de aquisição médio em torno de apenas 12 parcelas de locação mensais, tornando a opção de locação extremamente desvantajosa”, apontou o relatório.
Com relação à prestação de serviços com fornecimento de material, foram encontradas ainda diferenças percentuais entre os valores cobrados pela Adler e a média dos valores pesquisados pela equipe de auditoria na faixa de 50,79% a 258,67%, o que, para os técnicos, “denotou o caráter extremamente antieconômico dos pagamentos realizados”.
PRAZO DE 30 DIAS
Os conselheiros deram prazo de 30 dias para que a Secretaria de Governo se manifeste, esclarecendo os fatores e as circunstâncias que contribuíram para a ocorrência e adotando as medidas saneadoras.
Os processos relacionados ao Mensalão do DEM estão sob a tutela do secretário de Transparência, Carlos Higino. Ele afirmou que a decisão reforça a medida de sanção aprovada pela secretaria no mês passado, que declarou a Adler inidônea. “Vem ao encontro do que já vínhamos trabalhando, de que esta empresa teve participação em fraudes e reforça o nosso entendimento de que havia problemas na prestação de serviços”.
Os responsáveis pela Adler não foram localizados para comentar a decisão. (AC)
A Operação Caixa de Pandora foi deflagrada em 27 de novembro de 2009 e desvendou um esquema de pagamento de propina envolvendo o GDF e empresas fornecedoras.
Estes recursos abasteceriam deputados e integrantes do governo.
O processo está no Ministério Público e, nas últimas semanas, a subprocuradora-geral da República, Raquel Dodge, responsável pelas investigações, solicitou diligências complementares e análise de gravações de mídias para a PF. Estes podem ser os últimos passos para que a denúncia seja oferecida.
 Publicado originalmente em Ninho da Vespa

Apesar de alguns erros derivados de certa soberba e de percalços sobre os quais não teve controle, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva executou com sucesso uma estratégia que traçou no começo do segundo mandato: eleger Dilma Rousseff como sucessora.

Foram eixos da estratégia não cair na tentação do terceiro mandato e apostar num plebiscito sobre os seus oito anos de governo contra os oito anos de Fernando Henrique Cardoso.

Enquanto a oposição e parte da imprensa acreditavam que Lula queria o terceiro mandato e fazia jogo de cena para esperar o melhor momento de mudar a Constituição, Dilma Rousseff ficou livre para aparecer nas vitrines positivas do governo. Se ela tivesse sido apontada candidata lá atrás, auxiliares como Erenice Guerra teriam entrado bem antes na alça de mira.

No entanto, dando o devido crédito ao chefe, Dilma ficou livre para ter o controle de todas as bandeiras positivas do governo, como conduzir as mudança da lei para explorar o pré-sal, gerenciar o programa de habitação “Minha Casa, Minha Vida” e virar a “mãe” do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

No teste de fogo da crise internacional de 2008/2009, Lula foi aprovado. Esse teste foi bem mais duro do que o rigoroso ajuste fiscal e monetário de 2003. A oposição cobrava de Lula capacidade de gerenciar a crise. E ele foi bem. Fez um rápido e certeiro diagnóstico da crise financeira internacional e de como o Brasil deveria enfrentá-la. O maior acerto: medidas para reforçar o mercado interno como forma de atravessar o deserto e compensar a queda da economia global.

Nessa estratégia vitoriosa, é justo registrar a importância da aliança PT-PMDB. Na crise do Senado, em 2009, a oposição tentou criar um racha na relação entre peemedebistas e petistas. A ideia era transformar o Senado, Casa na qual Lula sempre teve dificuldade, num bunker oposicionista. Mas Lula não jogou ao mar o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Em troca, obteve uma aliança formal com todo o PMDB, o que garantiu uma máquina política ainda mais expressiva no país e um tempo de propaganda no horário eleitoral gratuito para vender Dilma na hora decisiva.

O bom momento econômico favoreceu a tese de polarização PT-PSDB, apesar do susto com o desempenho de Marina Silva (PV-AC), que forçou a realização do segundo turno. Um taxa de crescimento de cerca de 7% neste ano fortaleceu a defesa do continuísmo, dando gás a uma candidata tirada do bolso do colete. No contexto econômico, destacaram-se ainda as políticas de reajuste do mínimo, de ampliação do crédito, de massificação de programas sociais e de incentivo a grandes grupos nacionais considerados estratégicos e amigos.

Os principais erros da campanha não comprometeram o resultado final, mas trouxeram muita tensão ao governo na virada do primeiro para o segundo turno. A campanha de marketing de Dilma demorou a perceber a sangria de votos com o debate sobre a legalização do aborto. Gente da cúpula dava como favas contadas uma vitória no primeiro turno quando já era evidente que uma segunda etapa seria inevitável. O próprio Lula se iludiu com sua alta taxa de popularidade. Entre os percalços sobre os quais não teve controle, o principal foi a doença de Dilma em 2009.

Obtida a vitória, há também uma importante lição: a realização do segundo turno e o percentual de votos dados a Dilma não autorizam uma atitude arrogante em relação aos adversários e à imprensa, mas isso será assunto de outra coluna.

*

Ninguém ganha sozinho

Num cenário de extrema adversidade política, é surpreendente a performance de José Serra. Ele disputou a eleição contra a candidata do presidente mais popular da história recente num contexto de crescimento econômico e de transformações sociais inéditas no país. Nesse sentido, é uma derrota que não envergonha o PSDB, mas o candidato cometeu o principal erro de quem deseja conquistar a Presidência: achar que poderia se eleger sozinho.

Na primeira metade de 2009, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso selou um acordo entre Serra e o então governador de Minas Gerais, Aécio Neves. Garantidos alguns compromissos, o mineiro seria vice de Serra, que governava São Paulo naquela época.

Fiador dos compromissos, FHC testemunhou Serra rompê-los. O primeiro deles: Serra não quis participar de reuniões prévias pelo país, nas quais o PSDB ouviria seus dois pré-candidatos e depois decidiria quem disputaria o Palácio do Planalto.

Líder disparado nas pesquisas, Serra julgava a ideia uma forma de miná-lo politicamente. Mas Aécio queria uma saída para dizer ao eleitorado de Minas porque aceitaria ser vice do governador paulista. Outro compromisso era afirmar com todas as letras que, se eleito, Serra patrocinaria novas mudanças constitucionais para que Aécio fosse o próximo da fila. Pelo acordo, Serra articularia a aprovação de projetos no Congresso para acabar com a reeleição e reinstituir o mandato de cinco anos. Aécio sempre demonstrou pouca crença na capacidade de, sentado no Planalto, Serra abrir mão da possibilidade de se reeleger. Mas FHC dizia a Serra que era importante que ele se comprometesse com essas alterações a fim de tranquilizar Aécio e Minas. O final dessa história é sabido.

Entre setembro e fevereiro, a folga sobre Dilma nas pesquisas deu a Serra a ilusão de que poderia ignorar os apelos para assumir a candidatura e fazer concessões a Aécio. Ele não aceitou as cobranças do PSDB e do DEM para admitir que era candidato e montou uma estrutura de campanha centralizada e distante dos aliados.

Esticou a corda até junho para tentar obter a companhia de Aécio em sua chapa, mas estava tão fraco que não teve como enfrentar a resistência dos democratas à escolha do senador Álvaro Dias (PSDB-PR) para vice. Ao explicar as razões de aceitar o pouco conhecido deputado federal Indio da Costa (DEM-RJ) como companheiro de chapa, Serra admitiu que a questão estava encaminhada em outro sentido, mas não havia dado certo.

A biografia respeitável, a tenacidade com a qual se jogou na disputa e a assimilação de um discurso conservador que destoa de suas próprias ideias não foram suficientes para levar o tucano à vitória. Serra quis ganhar sozinho. A exemplo de Lula, colheu o que plantou.

Kennedy AlencarKennedy Alencar, 42, colunista da Folha.com e repórter especial da Folha em Brasília. Escreve na Folha.com às sextas. É comentarista do telejornal noturno RedeTVNews. E apresenta o programa de entrevistas “É Notícia”, às 0h15 na noite de domingo para segunda.

Por Luis Nassif

Dia após dia, episódio após episódio, vem se confirmando o cenário que traçamos aqui desde meados do ano passado: o suicídio do PSDB apostando as fichas em José Serra; a reestruturação partidária pós-eleições; o novo papel de Aécio Neves no cenário político; o pacto espúrio de Serra com a velha mídia, destruindo a oposição e a reputação dos jornais; os riscos para a liberdade de opinião, caso ele fosse eleito; a perda gradativa de influência da velha mídia.

O provável anúncio da saída de Aécio Neves  marca oficialmente o fim do PSDB e da aliança com a velha mídia carioca-paulista que lhe forneceu a hegemonia política de 1994 a 2002 e a hegemonia sobre a oposição no período posterior.

Daqui para frente, o outrora glorioso PSDB, que em outros tempos encarnou a esperança de racionalidade administrativa, de não-sectarismo, será reduzido a uma reedição do velho PRP (Partido Republicano Paulista), encastelado em São Paulo e comandado por um político – Geraldo Alckmin – sem expressão nacional.

Fim de um período odioso

Restarão os ecos da mais odiosa campanha política da moderna história brasileira – um processo que se iniciou cinco anos atrás, com o uso intensivo da injúria, o exercício recorrente do assassinato de reputações, conseguindo suplantar em baixaria e falta de escrúpulos até a campanha de Fernando Collor em 1989.

As quarenta capas de Veja – culminando com a que aparece chutando o presidente – entrarão para a história do anti-jornalismo nacional. Os ataques de parajornalistas a jornalistas, patrocinados por Serra e admitidos por Roberto Civita, marcarão a categoria por décadas, como símbolo do período mais abjeto de uma história que começa gloriosa, com a campanha das diretas, e se encerra melancólica, exibindo um  esgoto a céu aberto.

Levará anos para que o rancor seja extirpado da comunidade dos jornalistas, diluindo o envenenamento geral que tomou conta da classe.

A verdadeira história desse desastre ainda levará algum tempo para ser contada, o pacto com diretores da velha mídia, a noite de São Bartolomeu, para afastar os dissidentes, os assassinatos de reputação de jornalistas e políticos, adversários e até aliados, bancados diretamente por Serra, a tentativa de criar dossiês contra Aécio, da mesma maneira que utilizou contra Roseana, Tasso e Paulo Renato.

O general que traiu seu exército

Do cenário político desaparecerá também o DEM, com seus militantes distribuindo-se pelo PMDB e pelo PV.

Encerra-se a carreira de Freire, Jungman, Itagiba, Guerra, Álvaro Dias, Virgilio, Heráclito, Bornhausen, do meu amigo Vellozo Lucas, de Márcio Fortes e tantos outros que apostaram suas fichas em uma liderança destrambelhada e egocêntrica, atuando à sombra das conspirações subterrâneas.

Em todo esse período, Serra pensou apenas nele. Sua campanha foi montada para blindá-lo e à família das informações que virão à tona com o livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr e da exposição de suas ligações com Daniel Dantas.

Todos os dias, obsessivamente, preocupou-se em vitimizar a filha e a ele, para que qualquer investigação futura sobre seus negócios possa ser rebatida com o argumento de perseguição política.

A interrupção da entrevista à CNT expôs de maneira didática essa estratégia que vinha sendo cantada há tempos aqui, para explicar uma campanha eleitoral sem pé nem cabeça. Seu argumento para Márcia Peltier foi: ocorreu um desrespeito aos direitos individuais da minha filha; o resto é desculpa para esconder o crime principal.

Para salvar a pele, não vacilou em destruir a oposição, em tentar destruir a estabilidade política, em liquidar com a carreira de seus seguidores mais fiéis.

Mesmo depois que todas as pesquisas qualitativas falavam na perda de votos com o denuncismo exacerbado, mesmo com o clima político tornando-se irrespirável, prosseguiu nessa aventura insana, afundando os aliados a cada nova pesquisa e a cada nova denúncia.

Com isso, expôs de tal maneira a filha, que não será mais possível varrer suas estripulias para debaixo do tapete.

A marcha da história

Os episódios dos últimos dias me lembram a lavagem das escadarias do Senhor do Bonfim. Dejetos, lixo, figuras soturnas, almas penadas, todos sendo varridos pela água abundante e revitalizadora da marcha da história.

Dia após dia, mês após mês, quem tem sensibilidade analítica percebia movimentos tectônicos irresistíveis da história.

Primeiro, o desabrochar de uma nova sociedade de consumo de massas, a ascensão dos novos brasileiros ao mercado de consumo e ao mercado político, o Bolsa Família com seu cartão eletrônico, libertando os eleitores dos currais controlados por coronéis regionais.

Depois, a construção gradativa de uma nova sociedade civil, organizando-se em torno de conselhos municipais, estaduais, ONGs, pontos de cultura, associações, sindicatos, conselhos de secretários, pela periferia e pela Internet, sepultando o velho modelo autárquico de governar sem conversar.

Mesmo debaixo do tiroteio cerrado, a nova opinião pública florescia através da blogosfera.

Foi de extremo simbolismo o episódio com o deputado do interior do Rio Grande do Sul, integrante do baixo clero, que resolveu enfrentar a poderosa Rede Globo.

Durante dias, jornalistas vociferantes investiram contra UM deputado inexpressivo, para puni-lo pelo atrevimento de enfrentar os deuses do Olimpo. Matérias no Jornal Nacional, reportagens em O Globo, ataques pela CBN, parecia o exército dos Estados Unidos se valendo das mais poderosas armas de destruição contra um pequeno povoado perdido.

E o gauchão, dando de ombros: meus eleitores não ligam para essa imprensa. Nem me lembro do seu nome. Mas seu desprezo pela força da velha mídia, sem nenhuma presunção de heroísmo, de fazer história, ainda será reconhecido como o momento mais simbólico dessa nova era.

Os novos tempos

A Rede Record ganhou musculatura, a Bandeirantes nunca teve alinhamento automático com a Globo, a ex-Manchete parece querer erguer-se da irrelevância.

De jornal nacional, com tiragem e influência distribuídas por todos os estados, a Folha foi se tornando mais e mais um jornal paulista, assim como o Estadão. A influência da velha mídia se viu reduzida à rede Globo e à CBN. A Abril se debate, faz das tripas coração para esconder a queda de tiragem da Veja.

A blogosfera foi se organizando de maneira espontânea, para enfrentar a barreira de desinformação, fazendo o contraponto à velha mídia não apenas entre leitores bem informados como também junto à imprensa fora do eixo Rio-São Paulo. O fim do controle das verbas publicitárias pela grande mídia, gradativamente passou a revitalizar a mídia do interior. Em temas nacionais, deixou de existir seu alinhamento automático com a velha mídia.

Em breve, mudanças na Lei Geral das Comunicações abrirão espaço para novos grupos entrarem, impondo finalmente a modernização e o arejamento ao derradeiro setor anacrônico de um país que clama pela modernização.

As ameaças à liberdade de opinião

Dia desses, me perguntaram no Twitter qual a probabilidade da imprensa ser calada pelo próximo governo. Disse que era de 25% – o percentual de votos de Serra. Espero, agora, que caia abaixo dos 20% e que seja ultrapassado pela umidade relativa do ar, para que um vento refrescante e revitalizador venha aliviar a política brasileira e o clima de São Paulo.

Fonte: página13.org

Tucanos abriram  22 licitações para privatização de 18 aeroportos paulistas.

O governo do Estado prepara a concessão dos 30 aeroportos sob sua administração. Eles interligam as principais cidades do interior ao restante do Brasil, às nações do Mercosul e a 20 países. Enquanto isso, o Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp), ligado à Secretaria de Estado dos Transportes, está reformando a estrutura aeroportuária.

Foram abertas 22 licitações em 18 aeroportos paulistas para melhorias, ampliação e concessão de uso de áreas. Novas concorrências serão lançadas em setembro.

 Para prosseguir no processo de concessão à iniciativa privada, a administração estadual aguarda manifestação da Secretaria da Aviação Civil, do Ministério da Defesa. A primeira consulta sobre concessões de pistas paulistas foi feita em fevereiro de 2009 e submetida à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), segundo o Daesp. Nenhuma resposta foi viabilizada.

 De acordo com Sergio Camargo, superintendente do Daesp, o objetivo é atender ao aumento da demanda de usuários. “O Daesp está tornando áreas disponíveis para a construção de hangares e outras atividades aeronáuticas, tendo em vista o grande número de empresas e proprietários de aeronaves que tem nos procurado.” De 1.º de janeiro a 30 de junho, 817.260 passageiros passaram pelos 30 aeroportos mantidos pelo Daesp – no mesmo período do ano passado, haviam sido 598.570.

Segundo o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar), Apostole Lazaro Chryssafidis, há interesse na concessão de aeroportos, principalmente São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, Presidente Prudente e Bauru. “Alguns associados têm interesse na concessão, mas não em todos os aeroportos. Não adianta pedir um valor absurdo”, afirma. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br

Político condenado a 21 anos de prisão por abuso sexual demoniza criança vitimizada em manifesto público. Cerca de 30 pessoas fizeram ato em defesa de ex-deputado do DEM, condenado por pedofilia.

 Manifestantes defendem Sefer em frente à Alepa

Hoje pela manhã uma manifestação em favor do ex-deputado Luiz Sefer foi realizada em frente à Assembléia Legislativa do Pará (Alepa), na rua do Aveiro, região central de Belém.

Os manifestantes portavam cartazes e gritavam palavras de ordem em defesa do ex-parlamentar, condenado a 21 anos de prisão em regime fechado na terça-feira (8), por crime de pedofilia.

A sentença de condenação e a ordem de prisão imediata foram decididas pela juíza Maria das Graças Alfaia. A ordem de prisão não durou nem 24 horas.

Ontem (9), a desembargadora Vânia Fortes, do Tribunal de Justiça do Pará, concedeu habeas corpus a Sefer, que poderá assim recorrer da setença de prisão, proferida em primeira instância, em liberdade.

O ex-deputado não chegou a ser preso enquanto perdurou a validade da ordem de prisão. Procurado pela polícia e considerado foragido da Justiça, Sefer não foi localizado.

Na manifestação de hoje, lanches foram servidos gratuitamente aos manifestantes e um panfleto intitulado “Conheça a Verdade do Caso Sefer” foi distribuído às pessoas no local. Nenhum dos manifestantes quis informar quem estava pagando pelos lanches.

O panfleto distribuído tinha o seguinte teor, transcrito abaixo na íntegra.

Conheça a Verdade do caso Sefer

Pedofilia é um crime em série, um pedófilo nunca possui uma única vítima. Sefer não possui nenhum outro processo ou acusação deste tipo.

– A menor afirma que Sefer abusava dela e de outra menor juntas, porém, exames comprovaram que a outra menor era virgem.

– A menor, por inúmeras vezes, fugia para as festas pela madrugada em companhia de seu namorado sem o conhecimento de Sefer.

– A menor foi pega pelo Conselho Tutelar em uma batida de rotina e estava na companhia de 5 rapazes maiores de idade e visivelmente alcoolizada.

– A menor possui uma irmã que era abusada pelo pai e tem filho incestuoso com o mesmo.

– A menor molestou o neto da secretária de Sefer que tinha 6 anos.

– A irmã da menor relatou que a menor era abusada pelo próprio pai.

– A menor fugiu da casa de Sefer às vésperas de voltar a morar no interior.

– Das 50 testemunhas ouvidas no processo, nenhuma acusou Sefer.

Tendo estes conhecimentos, você acha que a condução deste processo foi justa ou cedeu a pressões

Eis abaixo um bom exemplo de como o modelo de gestão pública demo-tucano tem operado na cidade e no Estado de São Paulo… Simplesmente lamentável. Transformaram um serviço público de primeira necessidade numa imensa galinha dos ovos de ouro.
 
Lula Ramires

Posto de saúde terceirizado contratou empresa para realizar consultas

Para o TCM, situação é irregular porque entidade deveria contratar de forma direta equipe médica

RICARDO WESTIN
DE SÃO PAULO 

Uma entidade criada por empresários da construção civil ganhou da Prefeitura de São Paulo o título de OS (organização social) e passou a receber dinheiro público para dirigir postos de saúde municipais.
Depois, com essa verba, a entidade contratou a empresa médica do filho de um de seus diretores para realizar as consultas em postos da Penha e de Ermelino Matarazzo (zona leste).
A empresa em questão se chama Apos (Associação Paulista de Oftalmologia e Saúde). Cada oftalmologista recebe R$ 77 por hora.
O diretor da Apos é o médico Francisco Penteado Crestana, filho de Francisco Virgílio Crestana, ex-presidente e atual conselheiro da entidade, o Seconci (Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo).
Nos três anos do contrato, até 2011, o Seconci receberá R$ 46 milhões da prefeitura -valor suficiente para construir e equipar um hospital de médio porte.

IRREGULARIDADE
Para o Tribunal de Contas do Município, órgão que fiscaliza as contas da prefeitura, a situação é irregular. Isso porque, como OS, a entidade deveria contratar e pagar diretamente os médicos que atuam nos postos de saúde, e não terceirizar esse serviço.
“A prefeitura terceiriza a gestão do posto, entrega a uma OS. Depois, a OS terceiriza o atendimento, a própria atividade-fim. Essa “quarteirização” não é prevista no contrato”, diz o conselheiro do TCM Maurício Faria.
Em 30 dias, o tribunal julgará o contrato entre essa OS e a prefeitura -o TCM pode, por exemplo, determinar maior fiscalização sobre as OSs ou até mesmo o rompimento desse contrato.
Segundo Faria, a contratação dessa empresa é uma das evidências de que a prefeitura não é capaz, hoje, de verificar se as OSs que dirigem hospitais e postos de saúde municipais aplicam a verba pública corretamente.
Na terça-feira, a Folha revelou que a prefeitura estuda contratar um auditoria privada para conferir as prestações de contas das OSs. Elas receberam R$ 1,4 bilhão dos cofres municipais em 2009.
Lenir Santos, advogada que coordena na Unicamp o curso de especialização em direito sanitário, também questiona a contratação.
“Não precisa haver aquele processo de licitação, já que não é relação entre entes públicos. Mas o que está envolvido é dinheiro público. Portanto, é preciso haver moralidade, um dos princípios da administração pública”, diz.
As OSs dirigem hospitais e postos de saúde paulistanos desde 2006. Vários Estados e prefeituras adotam esse tipo de parceria. O objetivo é dar agilidade à saúde pública.
Ao contrário da prefeitura e do Estado, a OS não precisa realizar licitação para comprar, concurso para contratar e sindicância para demitir. Pode pagar salário mais alto aos melhores profissionais.

Fonte: Folha de São Paulo