Posts Tagged ‘Financiamento de Campanha’

 do Brasília Confidencial

Quem confere a lista das receitas da campanha eleitoral do governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), fica impressionado com um fato: existe apenas um doador declarado, o Banco Itaú, que contribuiu com R$ 1 milhão. O restante dos R$ 34,2 milhões investidos pela campanha tucana – segundo foi declarado à Justiça Eleitoral – correspondem às chamadas “doações ocultas”, nas quais as empresas doam dinheiro para os comitês que o repassam para o candidato. A doação do Itaú foi realizada no dia 5 de agosto de 2010 e é equivalente ao que foi pago na produção de todos os programas de rádio e televisão de Alckmin.

Fraude no metrô –
Praticamente todos os partidos, porém, recorrem às doações ocultas por conta de uma brecha na legislação eleitoral. Entre os governadores eleitos em 2010, Siqueira Campos (PSDB-TO) recebeu 98% de suas doações através de partidos ou comitês. Algo semelhante ocorreu com Raimundo Colombo (DEM-SC), que teve 92% de contribuições “ocultas” e Roseana Sarney (PMDB-MA) que registrou 87% na mesma modalidade. No entanto, a quantidade de doações via comitê para a campanha tucana ao Palácio dos Bandeirantes expõe uma situação delicada: R$ 5,8 milhões tem sua origem em empresas suspeitas de fraudar licitações da Linha 5 (Lilás) do metrô paulistano. É o que se constata na prestação de contas divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A construtora Camargo Corrêa, participante do consórcio vencedor do lote 3, encaminhou R$ 2,5 milhões ao comitê de Alckmin. Mendes Junior (R$ 1,2 milhão), OAS (R$ 1 milhão), Andrade Gutierrez (R$ 500 mil), Carioca (R$ 400 mil) e Triunfo (R$ 215 mil) completam a lista. Na lista de construtoras que repassaram dinheiro diretamente ao PSDB-SP estão também as vencedoras do lote 2 da linha 5 do metrô: Serveng e Galvão Engenharia.

Licitação suspensa –
Quando a Folha de S. Paulo revelou que os vencedores da licitação de cinco lotes do metrô já eram conhecidos seis meses antes da data marcada, o governo teve que suspender temporariamente as obras da Linha 5. O resultado da licitação só foi divulgado no fim de outubro de 2010. Entretanto, o diário paulista já havia registrado o nome dos ganhadores em vídeo e em cartório em abril de 2010.O Ministério Público Estadual investiga irregularidades nos contratos do Metrô de São Paulo desde 2008, quando surgiu a suspeita de que a multinacional Alstom teria pago propina a altos funcionários.Fonte: Brasília Confidencial

Leonardo Sakamot0 *

Quando fui ao Jóquei pela primeira vez, perguntei se seria possível apostar em todos os cavalos ao mesmo tempo – no que levei um didático e explicativo pescotapa de amigos mais experientes no assunto.

Talvez por isso, traumatizado, receie um pouco em questionar em público o motivo de, ora bolas, grandes empresas doarem dinheiro para diferentes candidatos que disputam o mesmo cargo nas eleições. Em outras palavras, apostam no Batman e no Coringa, no Superman e no Lex Luthor, no Scooby-Doo e nos Fantasmas, no Tico e no Teco – sem juízo de valor para com os candidatos, é claro. Qualquer um pode ser o Tico e o Teco. E, no caso brasileiro, o Superman não necessariamente é o mocinho. Muitas vezes, o Pinguim é mais honesto.

As grandes empreiteiras, por exemplo. Vendo as prestações de contas dos candidatos que venceram no primeiro turno das eleições e que estão disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral para qualquer pessoa se divertir, é possível constatar que 2010 foi mesmo uma festa da democracia. Olha, coisa bonita de se ver a construção republicana que essas empresas de cimento, pedra e vergalhão ergueram ao financiar as candidaturas de políticos de diferentes matizes! Bancaram até candidatos ditos verdes, veja só! Só um espírito verdadeiramente altivo ignoraria diferenças partidárias e injetaria recursos em campos opostos para possibilitar a compra de santinhos, adesivos, banners, faixas, gasolina, diárias de hotel, salário de marqueteiro e deixar correr o livre debate público. No final, apostaram no cavalo vencedor. Mas quem se importa com isso, não é mesmo?

Teoricamente, o ato de doação é um indício de que o doador comunga das propostas do candidato, deseja que ele o represente politicamente, seja por suas idéias, seja por sua classe social ou quer criar com ele um vínculo por meio desse apoio em campanha. Alguns eleitos mantém apenas diálogos cordiais com os financiadores (do tipo, “obrigado, mas fiquemos a uma distância de segurança para não pegar sapinho”), outros literalmente “pagam” através de serviços prestados. Não tanto pelo passado, mas para garantir o financiamento de amanhã. Entre as duas pontas, há muitas gradações.

Não estou querendo fulanizar a questão neste post porque são muitos os nomes. E os colegas da imprensa já estão fazendo um trabalho formidável ao relatar em matérias financiadores e financiados – relatos que vão se mutiplicar até o começo do ano.

Mas gostaria de aproveitar o clima em que os confetes e as serpentinas da democracia ainda estão esparramados pelo salão eleitoral para dar uma sugestão demagógica, porém divertida: que tal os senadores e deputados eleitos com recursos de empreiteiras serem impedidos de participarem de comissões e quaisquer ações no Congresso Nacional, Assembléias Estaduais e Câmara Distrital que envolvam discussão ou fiscalização das obras para a Copa de 2014 ou para as Olimpíadas de 2016? Se toparem irem mais longe, sugiro incluir também as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Que tal, hein, hein?

Perguntinha: se um investimento passa a não dar retorno, ele deixa de ser investimento?

Há aqueles candidatos, de diferentes partidos, de progressistas a conservadores, que não aceitam doações de pessoas jurídicas. São chamados de idiotas porque não teriam percebido que o mundo é outro e não se faz polílica sem muito dinheiro e sem empresas fluindo rios de recursos.

É outro porque nós permitimos que as eleições se tornassem um turfe. Ou melhor, um cassino sem regras, uma grande mesa de fundos de investimentos futuros. Ou viramos o jogo ou será impossível encontrar alguém que ganhou uma eleição sem rabo preso nesse país. Não estou aqui defendendo necessariamente o financiamento público de campanha ou coisa que o valha, mas pedindo para que todos não torçam o nariz quando ouvirem falar desse tipo de debate, fundamental para o futuro da nossa democracia.

* Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política. Cobriu conflitos armados e o desrespeito aos direitos humanos em Timor Leste, Angola e no Paquistão. Já foi professor de jornalismo na USP e, hoje, ministra aulas na pós-graduação da PUC-SP. Trabalhou em diversos veículos de comunicação, cobrindo os problemas sociais brasileiros. É coordenador da ONG Repórter Brasil e seu representante na Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo. É autor do: http://blogdosakamoto.uol.com.br/

Dilma recebeu até agora de doação para campanha R$ 11,6 milhões, duas vezes o que o Presidente Lula obteve na campanha pela reeleição há quatro anos (R$ 5,7 milhões), de acordo com o balanço parcial de ambas as candidaturas. Serra registrou doações no valor de R$ 3,6 milhões, o equivalente a 2,76 o que foi arrecadado por Geraldo Alckmin (R$ 1,3 milhão).
A receita obtida por Serra até o início de agosto é semelhante à que foi registrada quando o tucano disputou o governo de São Paulo, há quatro anos.
Até a semana passada, a expectativa de dirigentes da campanha de Serra era terminar o primeiro mês de campanha com cerca de R$ 15 milhões. O montante equivale a 2% da previsão total de gastos da campanha, de R$ 180 milhões, disse o responsável pelo comitê financeiro da campanha de Serra, ex-ministro José Gregori.. A campanha tucana arrecadou R$ 3,6 milhões e gastou R$ 2,7 milhões.
O caixa da campanha presidencial de Serra é menor do que o de Marina Silva (PV), que registrou receita de R$ 4,65 milhões. O total recebido pelo tucano se aproxima ao que candidatos a governos estaduais informaram ao TSE, como Paulo Skaf (PSB), candidato ao governo de São Paulo, com 2% das intenções de voto (R$ 3,49 milhões) e o governador Antonio Anastasia (PSDB), que tenta a reeleição em Minas Gerais (R$ 3,09 milhões).
Entre os três principais candidatos , Marina Silva foi a única que forneceu detalhes sobre os financiadores. Segundo a assessoria da campanha, a senadora e postulante do PV foi financiada basicamente pelo sistema financeiro: 80% dos recursos vieram de pessoas jurídicas; destes, a maior parte veio de bancos.
O presidente do PT e coordenador da campanha de Dilma, José Eduardo Dutra, disse ontem que dos R$ 11,6 milhões arrecadados, R$ 10 milhões foram gastos. A maior parte foi destinada à TV (R$ 2 milhões). Marina previu gastos de R$ 90 milhões e recebeu 5,16%. Os gastos chegam a R$ 3,58 milhões.Informações do valor