Posts Tagged ‘Iraque’

Por Breno Altman

Fonte Site Opera Mundi – 6/4/2013

Pode-se não gostar da política e do estilo, mas a Coreia do Norte está longe de ser uma pantomima do absurdo

Não falta quem apresente o governo de Pyongyang como um bando de aloprados, chefiado por um herdeiro tonto e tutelado por generais dignos de Dr. Strangelove, o célebre filme de Stanley Kubrick estrelado por Peter Sellers. Mas fica difícil acreditar que um Estado pintado nessas cores possa ter sobrevivido a tantas dificuldades nesses últimos vinte anos.
Depois do fim da União Soviética e do campo socialista na Europa Oriental, que eram seus grandes parceiros econômicos, a Coreia do Norte entrou em colapso. O caos foi agravado por catástrofes naturais que empurraram o país para uma situação de fome. Poderia ter adotado o caminho de reformas semelhantes às chinesas, mas o risco de ser açambarcado por Seul afastou essa hipótese.
O forte nacionalismo, mesclado com economia socialista e mecanismos monárquicos, impulsionou uma estratégia de preservação do sistema. Laços com a China foram reatados. E os norte-coreanos resolveram peitar o cerco promovido pelos EUA, cuja exigência era rendição incondicional.
A consequência óbvia dessa decisão foi reforçar a defesa militar, tanto do ponto de vista material quando cultural. Na chamada ideologia juche, criada pelo fundador da Coreia do Norte, Kim Il Sung, que combina marxismo e patriotismo, as Forças Armadas são a coluna vertebral da nação.
Pyongyang, portanto, jamais descuidou de estar preparada para novos conflitos depois do armistício que, em julho de 1953, suspendeu a Guerra da Coreia. Sempre considerou que a disputa entre norte e sul teria a variável da presença de tropas estadounidenses.
Mas outras lições foram extraídas a partir dos anos 90. O primeiro desses ensinamentos foi que, após a debacle soviética, a Casa Branca passara a intervir militarmente contra os países que não se curvassem à sua geopolítica. Iugoslávia, Afeganistão, Iraque e, mais recentemente, Líbia servem como exemplos desse axioma.
O segundo aprendizado está na conclusão de que qualquer guerra convencional contra o Pentágono estaria provavelmente fadada à derrota. Somente uma força nuclear de dissuasão poderia servir de escudo eficaz.
Ao longo do tempo, o governo dos Kim deu-se conta de que, no controle desse dispositivo, poderia impor certas condições econômicas e políticas que ajudassem a recuperação do país, pois os temores militares de Seul e Tóquio obrigavam os EUA a negociar.
No curso dessa estratégia, demonstrações de poderio bélico e vontade de combate são essenciais. Os Estados Unidos recrudesceram, por sua vez, a pressão para que os norte-coreanos se desarmem, como pré-condição para qualquer alívio de medidas punitivas.
Pyongyang resolveu reiterar, nas últimas semanas, que não está para brincadeiras. De quebra, parece sinalizar que não aceita ficar sob o guarda-chuva chinês e rifar sua independência político-militar.
Pode-se não gostar da política e do estilo, mas a Coreia do Norte está longe de ser uma pantomima do absurdo. Eles sabem o que fazem. Seu regime sobrevive porque aprendeu que a única linguagem entendida por Washington é a força. Quem não entendeu isso, dançou na história.
Breno Altman, 51, é jornalista e diretor editorial do site Opera Mundi e da revista Samuel.
Anúncios
via ronaldo – livreiro

Mauro Santayana

(JB) – Os Estados Unidos advertiram o governo de Israel contra seu projeto de ataque preventivo às instalações nucleares do Irã, conforme noticiou The Guardian, em sua edição de 4ª feira. O aviso não foi das autoridades civis de Washington, e, sim, dos comandantes das tropas militares norte-americanas em operação na região do Golfo – o que, ao contrário do que se pode pensar, é ainda mais sério. O argumento dos militares é o de que esse ataque, além de não produzir os efeitos desejados – porque o Irã teria como retomar o seu programa nuclear – traria dificuldades políticas graves aos aliados ocidentais na região, sobretudo a Arábia Saudita e os Emirados Árabes – de cujo abastecimento direto depende a 5ª. Frota e as bases das forças terrestres e aéreas que ali operam.

Embora as dinastias árabes pró-ocidentais temam o poderio militar do Irã, temem mais a insurreição de seus súditos, no caso de que se façam cúmplices de novo ataque a outro país muçulmano. Nunca é demais lembrar que os Estados Unidos e a Europa dependem também do petróleo que passa pelo golfo e atravessa o Canal de Suez, controlado pelo Egito.

Há, nos Estados Unidos – e, entre eles, alguns estrategistas do Pentágono – os que pensam ser hora de ver em Israel um país como os outros, sem a aura mitológica que o envolve, pelo fato de servir como lar a um povo milenarmente perseguido e trucidado pela brutalidade do nacional-socialismo. Uma coisa é o povo – e todos os povos têm, em sua história, tempos de sacrifício e de heroísmo, embora poucos com tanta intensidade quanto o judeu e, hoje, o palestino – e outra o Estado, com as elites e os interesses que o controlam.

Nenhum outro governo – nem mesmo o dos Estados Unidos – são tão dominados pelos seus militares quanto o de Israel. Eminente pensador judeu resumiu o problema com a frase forte: todos os estados têm um exército; em Israel é o exército que tem um Estado.

O Pentágono acredita que uma guerra total contra o Irã seria apoiada pelos seus aliados da região, mas os observadores europeus mais sensatos não compartilham o mesmo otimismo. A ofensiva diplomática de Israel na Europa, em busca de apoio para – em seguida às eleições norte-americanas – uma ação imediata contra Teerã, não tem surtido efeito. Londres avisou que não só é contrária a qualquer ação armada, mas, também, se nega a permitir o uso das ilhas de Diego Garcia e Ascenção (cedidas pela Inglaterra para as bases ianques no Oceano Índico), como plataforma para qualquer hostilidade contra o país muçulmano.

Negativa da mesma natureza foi feita pela França, que, conforme disse François Hollande a Netanyahu, não participará, nem apoiará, qualquer iniciativa nesse sentido. É possível, embora não muito provável, que Israel conte com Ângela Merkel. Israel tem esperança na vitória de Romney, e a comunidade israelita dos Estados Unidos se encontra dividida. Os banqueiros e grandes industriais de armamento, de origem judaica, trabalham com afã para a derrota de Obama. E há o temor de que, no caso da vitória republicana, os israelitas venham a aproveitar o esvaziamento do poder democrata para o ataque planejado.

Além disso, Netanyahu não tem o apoio unânime entre os militares de seu país para esse projeto. Amy Ayalon, antigo comandante da Marinha, e dos serviços internos de segurança, o Shin Bet, disse que Israel não pode negar a nova realidade nos países islâmicos: “Nós vivemos – avisa – em novo Meio Oriente, onde as ruas se fortalecem e os governantes se debilitam”. E vai ao problema fundamental: se Israel quer a ajuda dos governos pragmáticos da região, terá que encontrar uma saída para a questão palestina. É esta também a opinião, embora não manifestada com clareza, do governo de Obama, de altos chefes militares americanos, e dos círculos mais sensatos da comunidade judaica naquele país.

O fato é que os Estados Unidos se encontram em uma situação complicada. Eles não têm condições militares objetivas para entrar em nova guerra na região, sem resolver antes o problema do Iraque e do Afeganistão. Seus pensadores mais lúcidos sabem que invadir o Irã poderá significar a Terceira Guerra Mundial, com o envolvimento do Paquistão no conflito e, em movimento posterior, da China e da Rússia. Washington, na defesa de seus interesses geopolíticos, deu autonomia demasiada a Israel, armando seu exército e o ajudando a desenvolver armas atômicas. Já não conseguem controlar Tel-Avive.

Estarão dispostos, mesmo com o insensato Romney, a partir para uma terceira guerra mundial? No tabuleiro de xadrez, se trata de “xeque ao Rei”; na mesa de bilhar, de sinuca de bico.

Wladmir Coelho
            A invasão do Iraque respeitou um roteiro semelhante ao apresentado para justificar o bloqueio ao Irã, ou seja, existência de armas ilegais – no caso iraniano a questão atômica – associada ao desrespeito as liberdades. Naturalmente o tema petróleo fica oculto nos documentos oficiais, mas sabemos todos da importância do Oriente Médio para a segurança energética dos Estados Unidos.
            Sofrer intervenções externas em função do controle do petróleo não é novidade na história recente do Irã a última ocorreu em 1953 quando o primeiro ministro Mohammed Mossadegh foi deposto após nacionalizar a exploração petrolífera. A respeito deste episódio o historiador da CIA Tim Weiner revela em seu livro, Legado de Cinzas, todo o preparativo do golpe através das embaixadas dos EUA e Inglaterra incluindo a participação do Aiatolá Khomeini inconformado com o caráter laico do governo Mossadegh.
            Voltando ao século XXI observamos no Irã à existência de um regime religioso ou clerical no qual existem claros limites a participação do cidadão não associado à religião oficial na vida política nacional, mas estes limites também ocorrem, por exemplo, entre os árabes e noruegueses que restringem a participação no governo aos membros da Igreja oficial. Os EUA pretendem bombardear estes países? A resposta é não. Estes governos não criam obstáculos aos seus interesses e podem apresentar qualquer forma de restrição democrática.
            No caso especifico do Irã a Revolução Islâmica, no final dos anos 70, representou uma modificação nas relações comerciais com os EUA criando para os antigos persas a necessidade de busca por novos consumidores. Neste momento surgem os chineses e seu imenso apetite por petróleo.
            Em 2010 a China assumiu a condição de maior investidor estrangeiro no Irã controlando aproximadamente 100 empresas de extração e comercialização de petróleo. A compra de armas, atividade tradicionalmente paralela ao ramo petrolífero, do Irã também ocorre preferencialmente através dos chineses.
            Ampliando do Irã para o Oriente Médio vamos observar uma clara dependência dos Chineses, a mesma dos EUA, do petróleo produzido nesta região existindo cálculos apresentando valores de 58% do total consumido na China em 2010 com estimativas de aumento para 70% em 2015. O problema para os chineses está na presença militar estadunidense gerando a possibilidade – em caso de conflito entre as duas potências – de embargo do fornecimento petrolífero e conseqüente paralisação das atividades econômicas.
              No caso dos Estados Unidos precisamos lembrar o método de trabalho quando o tema é petróleo não existindo simplesmente uma atitude egoísta em controlar áreas produtivas. A segurança energética dos EUA considera a idéia de “pico da produção” entendendo a existência da produção máxima petrolífera e sua queda a partir de sua verificação tornando necessário o controle imediato das reservas conhecidas.
             A China apoiou a resolução 1929 da ONU instituindo o bloqueio ao Irã, mas apresenta-se preocupada diante dos recentes episódios visando a queda do regime e busca meios de atenuar mostrando-se favorável a negociação no sentido contrário os EUA amplia a pressão para liquidação econômica do Irã. Neste ponto a presidente da Comissão de Assuntos exteriores da Câmara a republicana Ross-Lehtinen anuncia claramente a intenção de derrubar o regime iraniano para “impor” a democracia naquele país. Para quem duvida das intenções da deputada basta lembrar-se de suas declarações defendendo o assassinato de Fidel Castro e seu apoio aos movimentos separatistas do Tibet. Este é o pensamento da maioria dos deputados da grande democracia.
            Para piorar a situação existe sempre a possibilidade de invasão do Irã podendo ocorrer através das forças militares de Israel – este plano está pronto e anunciado desde 2009 – fato gerador de um conflito maior envolvendo todo o Oriente Médio com possibilidade de aplicação de artefatos atômicos e isso não seria nada bom para todo o planeta. Este é o mundo comercial do petróleo.

Fonte: http://politicaeconomicadopetroleo.blogspot.com