Posts Tagged ‘Relações Exteriores’

: Duas maiores economias do Brics pretendem, com o acordo firmado nesta terça-feira 26, em Durban, mudar o fluxo do comércio internacional, que é hoje dominado pelo dólar americano e pelo euro, e facilitar negociações bilaterais

 

Da BBC Brasil

Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, anunciaram hoje (26) um acordo de swap cambial (troca de moedas) no valor de US$ 30 bilhões (cerca de R$ 60 bilhões) com o Banco Central chinês que vai garantir a continuidade do comércio bilateral em caso de crises.

“Esse é um passo importante no estreitamento das relações Brasil–China”, disse Tombini. “O objetivo é facilitar o comércio entre os dois países independentemente da situação econômica internacional.”

Os dois países se comprometeram a reservar o montante definido para eventualmente usá-lo em operações de troca de moeda. O acordo visa a proteger os dois países das flutuações na cotação do dólar, moeda na qual é feito atualmente o comércio bilateral. Os US$ 30 bilhões seriam usados em situações de instabilidade da cotação da moeda americana.

O acordo foi anunciado em entrevista coletiva realizada em meio à reunião de cúpula do bloco na cidade sul-africana de Durban, e será válido inicialmente por três anos com a possibilidade de renovação caso Brasília e Pequim manifestem essa intenção.

Os termos do acordo começaram a ser negociados em julho de 2012, mas Mantega negou que o processo tenha sido apressado pelo acirramento da crise econômica global. “Se fosse por causa da crise teríamos de ter fechado isso antes”, declarou o ministro.

O montante que os países prometeram reservar para o swap cambial é o equivalente a oito meses de exportações do Brasil para a China. Durante a entrevista coletiva, Mantega também falou sobre o acordo que está sendo negociado entre os cinco membros do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) para a criação de um fundo de reserva que seria utilizado para ajudar países em apuros financeiros.

Segundo informações de integrantes da delegação brasileira, esse ‘fundo emergencial’ (acordo para reservas de contingência), seria de US$ 100 bilhões (cerca de R$ 201 bilhões). O ministro, no entanto, não falou em valores e indicou que o projeto será levado aos chefes de Estado e governo que se reúnem nesta quarta-feira em Durban.

No mesmo dia, líderes do Brics devem anunciar como será feita a implementação de um banco para o desenvolvimento do bloco. A proposta de criação do banco foi feita no último encontro do grupo, mas ainda não foi definido como ele deve atuar, onde será sua sede e os valores de capital inicial.

Edição: Denise Griesinger


Por Celso Lungaretti

Falamos em Caso Dreyfus, por se tratar de uma terrível injustiça e pelo intenso debate que gerou.

Comparamos com o martírio de Sacco e Vanzetti, porque os dois perseguidores togados de Cesare Battisti foram igual e absurdamente tendenciosos, alinhando-se, até o mais ínfimo detalhe, com o pleito italiano.
A execução destes imigrantes anarquistas em 1927 teve, como pretexto, homicídios que as autoridades estadunidenses sabiam terem sido cometidos por criminosos sem envolvimento político; e como verdadeiro motivo, a intimidação dos agrupamentos revolucionários.
Oficialmente inocentados meio século depois, foram, portanto, assassinados por linchadores travestidos de julgadores — como Battisti, por muito pouco, escapou de ser.
O paralelo mais apropriado, contudo, talvez não seja histórico, e sim literário: é com a via crucis de Joseph K. Com a diferença de que Battisti acabou sendo salvo por uma corrente de bons brasileiros e uma extraordinária estrangeira.
A exemplo do personagem principal de O Processo, Battisti repentinamente se viu em meio a um pesadelo do qual não conseguia acordar, sob acusações despropositadas e sem encontrar nenhuma autoridade que levasse em conta seus protestos e provas de inocência. Mais kafkiano, impossível.
Daí tanto perguntar, no seu livro Minha fuga sem fim, em entrevistas e mensagens: “Por que eu?”.
TRADIÇÃO DE FAMÍLIA
Neto, filho e irmão mais novo de comunistas, engajou-se naturalmente na Juventude do PCI e, aos 13 anos, já participava dos protestos estudantis que marcaram o 1968 europeu.
Depois, no cenário radicalizado do pós-1968, o ardor da idade, também naturalmente, o foi conduzindo cada vez mais para a esquerda: do PCI à Lotta Continua, desta à Autonomia Operária, até desembocar no Proletários Armados para o Comunismo, pequena organização regional com cerca de 60 integrantes.
Participou de assaltos para sustentar o movimento — as  expropriações de capitalistas — e não nega. Mas, assustado com a escalada de violência desatinada — cujo ápice foi a execução do sequestrado premiê Aldo Moro pelas Brigadas Vermelhas — desligou-se em 1978, logo após o primeiro assassinato reivindicado por um núcleo dos PAC, do qual só tomou conhecimento  a posteriori, recebendo-o com indignação.
Já era um mero foragido sem partido quando os PAC vitimaram outras três pessoas, no ano seguinte.
Detido, foi condenado em 1981 pelo que realmente fez (participação em grupo armado, assalto e receptação de armas), mas a uma pena rigorosa demais (12 anos), característica dos  anos de chumbo  na Itália, quando se admitia até a permanência de um suspeito em prisão PREVENTIVA por MAIS DE 10 ANOS!!!
Resgatado em outubro de 1981, por uma operação comandada pelo líder dos PAC, Pietro Mutti, abandonou a Itália, a luta armada e a própria participação política, ocultando-se na França, depois no México, onde iniciou sua carreira literária.

Aceitando a oferta do presidente François Mitterrand — abrigo permanente para os perseguidos políticos italianos que se comprometessem a não desenvolver atividades revolucionárias em solo francês –, levava existência pacata e laboriosa há 14 anos, quando, em 2004, a Itália o escolheu como alvo.

Tinha sido um personagem secundário e obscuro nos  anos de chumbo, quando cerca de 600 grupos e grupúsculos de ultraesquerda se constituíram na Itália. O fenômeno ganhou maiores proporções porque muitos militantes sinceros de esquerda foram levados ao desespero pela  traição histórica  do PCI, que tornou a revolução inviável num horizonte visível ao mancomunar-se com a reacionária, corrupta e mafiosa Democracia Cristã.
Destes 600, um terço esteve envolvido em ações armadas.
“POR QUE EU?”
Nem os PAC tinham posição de destaque na ultraesquerda, nem Battisti era personagem destacado dos PAC. Foi apenas a válvula de escape de que o  delator premiado  Pietro Mutti e outros  arrependidos, em depoimentos escandalosamente orquestrados, serviram-se para obter reduções de pena: estava a salvo no exterior, então poderiam descarregar sobre ele, sem dano, as próprias culpas.

Num tribunal que só faltou ser presidido por Tomás de Torquemada, Battisti acabou sendo novamente julgado na Itália e condenado à prisão perpétua em 1987.

A sentença se lastreou unicamente no depoimento desses prisioneiros que aspiravam a obter favores da Justiça italiana — cujas grotescas mentiras se evidenciaram, p. ex., na atribuição da autoria direta de dois homicídios quase simultâneos a Battisti, tendo a acusação de ser reescrita quando se percebeu a impossibilidade material de ele estar de corpo presente em ambas as cidades.
Depois, provou-se de forma cabal que Battisti não só fora representado por advogados hostis (pois defendiam os  arrependidos  cujos interesses conflitavam com os dele), como também falsários (pois forjaram as procurações que os davam como seus patronos).
Battisti escapara das garras da Justiça italiana, então valia tudo contra ele. Mas, ainda, como  vilão  menor.
Passou a ser encarado como um  vilão  maior quando alcançou o sucesso literário. Tinha muito a revelar sobre o  macartismo à italiana  dos anos de chumbo, tantas vezes denunciado pela Anistia Internacional e outros defensores dos direitos humanos.
Foi aí, em 2004, que a Itália direcionou suas baterias contra Battisti, investindo pesado em persuasões e pressões para que a França desonrasse a palavra empenhada por um presidente da República. Tudo isto facilitado pela voga direitista na Europa e pela histeria insuflada  ad nauseam  a partir do atentado contra o WTC.
Ao mesmo tempo que concedia a extradição antes negada, a França, por meio do seu serviço secreto, facilitou a evasão de Battisti. A habitual duplicidade francesa.
VÍTIMA DE DOIS SEQUESTROS. NO BRASIL
E o pesadelo se transferiu para o Brasil, onde o escritor teve a infelicidade de encontrar, no STF, dois inquisidores dispostos a tudo para entregarem o troféu a Silvio Berlusconi.

Preso em março/2007, seu caso deveria ter sido encerrado em janeiro/2009, quando o então ministro da Justiça Tarso Genro lhe concedeu refúgio.

Mas, ao contrário do que estabelecia a Lei do Refúgio, bem como da jurisprudência consolidada em episódios anteriores, o relator Cezar Peluso manteve Battisti sequestrado, na esperança de convencer o STF a revogar (na prática) a Lei e jogar no lixo a jurisprudência.
Apostando numa hipótese coerente com suas convicções pessoais (conservadoras, medievalistas e reacionárias), Peluso manteve encarcerado quem deveria libertar.
Ele e o então presidente Gilmar Mendes atraíram mais três ministros para sua aventura que, em última análise, visava erigir o Supremo em alternativa ao Poder Executivo, esvaziando-o ao assumir suas prerrogativas inerentes. A criminalização dos movimentos sociais também fazia, obviamente, parte do  pacote.
Foram juridicamente aberrantes as duas primeiras votações, em que o STF, por 5×4, derrubou uma decisão legítima do ministro da Justiça e autorizou a extradição de um condenado por delitos políticos, ao arrepio das leis e tradições brasileiras.
Como na nossa ditadura militar, delitos políticos foram falciosamente  metamorfoseados  em crimes comuns — a despeito da sentença italiana, dezenas de vezes, imputar a Battisti a subversão contra o Estado italiano e enquadrá-lo numa lei instituída exatamente para combater tal subversão!
blitzkrieg  direitista foi detida na terceira votação, quando Peluso e Mendes tentavam  automatizar  a extradição, cassando também uma  prerrogativa do presidente da República, condutor das relações internacionais do Brasil.
Contra este acinte à Constituição insurgiu-se um ministro legalista, Carlos Ayres Britto. Também por 5×4, ficou definido que a decisão final continuava sendo do presidente da República, como sempre foi.
Sabendo que Luiz Inácio Lula da Silva não cederia às afrontosas pressões italianas, o premiê Silvio Berlusconi já se conformava com a derrota em fevereiro de 2010, pedindo apenas que a pílula fosse dourada para não o deixar muito mal com o eleitorado do seu país.
Mesmo assim, quando Lula encerrou de vez o caso, Peluso apostou numa nova tentativa de virada de mesa. Ao invés de libertar Battisti no próprio dia 31/12/2010, que era o que lhe restava fazer segundo o ministro Marco Aurélio de Mello e o grande jurista Dalmo de Abreu Dallari, manteve-o, ainda, sequestrado.
E o sequestro, desta vez, saltou aos olhos e clamou aos céus. Só não viu quem não quis.
Com o STF decidindo, por sonoros 6×3 (só Ellen Gracie embarcou na canoa furada de Peluso e Mendes), que não havia mais motivo nenhum para o processo prosseguir nem para Battisti ser mantido preso, como fica a situação de quem cerceou arbitrariamente sua liberdade por cinco meses e oito dias?
Torno a perguntar: quem julga o presidente da mais alta Corte?
UM IMPERADOR EM PARAFUSO
Além do governo neofascista de Berlusconi, que usou todo o peso de um país do 1º mundo na tentativa de arrancar Battisti do Brasil; da cabeça-de-ponte no Supremo e do previsível engajamento dos reacionários brasileiros na cruzada italiana (vide a arguição da inconstitucionalidade do parecer da Advocacia Geral da União, por parte do DEM), uma menção especial cabe à grande imprensa brasileira em geral e a Mino Carta em particular.
Eles protagonizaram uma das páginas mais vergonhosas de nosso jornalismo em todos os tempos, com uma satanização sem limites, omitindo informações importantes, maximizando insignificâncias, não abrindo espaço para o  outro lado, cerceando o direito de resposta, manipulando, mentindo, pressionando, picareteando.

Nos momentos mais cruciais do caso, tratavam Battisti como  terrorista, o que nem a discricionária Justiça italiana dos  anos de chumbo  ousara. Tudo fizeram para que um ex-militante inativo há três décadas  fosse confundido com um Bin-Laden da vida.

Quanto a Mino Carta, sem jamais admitir que sua hostilidade a Battisti se devia a ser fanático adepto do PCI e feroz inimigo dos que contestaram o PCI, transformou sua revista num panfleto de péssima qualidade, multiplicando as matérias rancorosas contra Battisti de forma tão obsessiva que acabou sendo rejeitado até pelos leitores do seu blogue. Aí, como o imperador que supõe ser, escafedeu-se do próprio blogue…
Finalmente, se a jornada kafkiana de Battisti chegou a bom termo, isto em muito se deve ao espírito de Justiça e à faina incansável de Fred Vargas, Carlos Lungarzo e Eduardo Suplicy; aos artigos magistrais de Dalmo Dallari; ao abnegado trabalho de divulgação desenvolvido por Rui Martins na fase em que poucos se interessavam pelo assunto; e à dedicação de uma militância jovem e apaixonada, que vestiu a camisa e deu o sangue pela causa.
Seria impossível lembrar e citar todos; nem isto é tão importante quando se luta por ideais. Nossa verdadeira recompensa é saber que ajudamos a impedir que este episódio terminasse como o de Olga Benário e de Sacco e Vanzetti.

Por mais difícil que se apresente e por mais poderosos que sejam os inimigos enfrentados, nenhuma luta está perdida na véspera. Esta é a lição que fica.

Publicado originalmente no blog ….Ousar Lutar!!!!Ousar Vencer!!!!

 

Ao saudar a visita que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fará ao Brasil neste fim de semana, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) sugeriu que ele anuncie o fim do bloqueio econômico a Cuba durante o pronunciamento que fará ao povo brasileiro no domingo (20) na Cinelândia, área central do Rio de Janeiro.

– Que possa a Cinelândia se encher do povo brasileiro e possa o presidente Barack Obama estar certo de que, no seu discurso, quando ele disser que vai acabar com o bloqueio, com o embargo contra Cuba, ouvirá a reação positiva, os aplausos do povo brasileiro e dos povos das Américas – opinou Suplicy.

Na opinião do senador, a visita de Obama ao Brasil, que incluirá encontros com a presidente Dilma Rousseff em Brasília, significa um “acontecimento de extraordinária relevância” para as relações bilaterais entre Brasil e Estados Unidos.

– Eu tenho a convicção de que o presidente Barack Obama representa esperanças muito fortes de todos aqueles que lutaram, ao longo da história, pela liberdade – disse Suplicy ao afirmar que Obama representa os anseios e esperanças explicitadas pelo pastor protestante e ativista político Martin Luther King Jr. nos anos 1960.

Lembrando do discurso que o presidente norte-americano fez em Brandenburgo, na Alemanha, em 24 de julho de 2008, Suplicy conclamou Obama a dar um fim ao bloqueio econômico a Cuba e também criticou o tratamento dado pelos Estados Unidos à fronteira com o México. No pronunciamento na Alemanha, citou Suplicy, Obama disse que “os muros entre os países que têm mais e os que têm menos não podem continuar. Os muros entre raças e tribos, entre nativos e imigrantes, entre cristãos, mulçumanos e judeus não podem permanecer. Hoje são esses os muros que precisamos derrubar”.

– Eu tenho a esperança de que, ainda durante o seu mandato, possa o presidente Barack Obama tomar as medidas necessárias para não mais precisar haver muros que separem os Estados Unidos do México e do restante da América Latina – afirmou.

Em aparte, o senador João Pedro (PT-AM) elogiou o pronunciamento do colega e afirmou que o bloqueio norte-americano a Cuba perdeu o sentido depois do fim da chamada Guerra Fria.

Da Redação / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Os chamados “jornalistas independentes” cubanos criam constantemente falsas acusações contra o governo do país, que são convertidas em notícias por centenas de mídias ao redor do mundo. O agente Carlos Serpa, que trabalhou dentro dos grupos contrarrevolucionários, demonstra diante de uma câmera como se fabricam notícias falsas sobre Cuba.

Em vídeo divulgado pelo site Cuba Información, Serpa mostra como divulgava notícias falsas sobre Cuba. Em poucos minutos as “informações” eram reproduzidas nos noticiários de sites dos Estados Unidos e nas agências internacionais, como a Europa Press, uma agência espanhola que se pretende “moderada e equilibrada”.

Ele mesmo demonstra, diante das câmeras, por meio de uma chamada para a Rádio Marti de Miami, como qualquer testemunho inventado chegava, sem nenhuma checagem, aos noticiários de Miami que, por sua vez, são fonte habitual para outras mídias internacionais.

A lista de notícias publicadas nas agências e mídias, cuja fonte foi esse suposto “jornalista independente”, nos últimos anos, é enorme. Alto lógico se levarmos em conta que ele se converteu no “jornalista oficial” das tais Damas de Branco, a preferência mercadológica número um em Cuba das mídias corporativas.

No entanto, Carlos Serpa não foi fonte quase exclusiva somente dos raivosos meios de comunicação de Miami. Também agências e mídias de outros países construíram sua política informativa sobre Cuba sobre seus — quase únicos — testemunhos. É o caso, para citar um exemplo dentre milhares, da agência espanhola, Europa Press, empresa que pretende dar uma imagem de “moderação” e “equilíbrio” a seus leitores.

A revelação de Serpa coloca em questão o futuro das conhecidas “Damas de Branco”, já que horas antes era qualificado pelo grupo como porta-voz e “heroico correligionário”. Serpa contou à TV cubana todos os detalhes da dependência econômica e orgânica das “Damas” ao governo dos Estados Unidos e aos terroristas da máfia cubana de Miami e Porto Rico.
Veja o vídeo (em espanhol):

Destapan que cables de Europa Press y otras agencias reproducían mentiras sobre las Damas de Blanco

Fonte: Vermelho

 

Por Andrea Rodri

Associated Press (via @pagina13.org)

Marco Aurélio Garcia

HAVANA — O porto de Mariel operará a partir de 2014, informou nesta quinta-feira, 10, o emissário da presidência do Brasil, Marco Aurelio García, cujo governo financia a metade da obra.

O projeto portuário é o mais ambicioso da cooperação que Cuba recebe da nação sulamericana. Empresas brasileiras começaram faz alguns meses a construção que convertera Mariel em um dos complexos portuários mais importantes do Caribe com uma inversão total de cerca de 800 milhões de dólares, explicou García aos jornalistas, depois de manter um encontro com o presidente cubano Raúl Castro.

“O objetivo central de minha viagem era examinar o estado da cooperação Brasil-Cuba. Estamos envolvidos aqui em dois projetos que gostaria de destacar: o projeto de soja e milho na província oriental de Ciego de Avila e talvez o mais importante que é o porto de Mariel”, disse o funcionário brasileiro.

O financiamento para Mariel – uma localidade situada a 50 quilômetros a oeste da capital – se compõe de um crédito dividido em 4 partes (ou pagamentos)”, indicou García, dois deles já foram entregues e executados e um terceiro está aprovado se bem que o dinheiro ainda não se efetivou. Não especificou o montante de cada um.

Estuda-se um empréstimo suplementar – a quinta parte – indicou.

Em junho terá início o cais e para setembro estarão prontas as estradas, agregou o funcionário, que ocupa o cargo de assessor internacional da presidenta Dilma Rousseff.

“Estará em condições de operação em 2014 e sua gestão estará a cargo de uma empresa estrangeira, não brasileira”, completou García.

Marco Aurélio García visitou a construção acompanhado de funcionários cubanos.

Paralelamente, o enviado de Rousseff foi a Ciego de Avila, a uns 400 km da capital, onde um programa técnico do Brasil conseguiu a semeadura de cerca de 6 mil hectares de soja, uma iniciativa que se estenderá a 40 mil hectares proximamente.

Brasil é o segundo sócio comercial de Cuba na América Latina, depois da Venezuela, com um intercâmbio comercial de uns 624 milhões de dólares em 2009 e com uma balança favorável à nação sulamericana, segundo cifras oficiais.

De sua reunião com Raul Castro, García disse que “o presidente fez uma exposição bastante ampla não só sobre os aspectos econômicos, mas também sobre as mudanças sociais e políticas que se estão levando a cabo” em Cuba

O Brasil estará recebendo no próximo dia 19 de março a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se as agruras do Norte da África não alterarem os planos. Serão oferecidas ao ilustre visitante as honras de estilo, acompanhadas em edições especiais por todos os meios de comunicação de massa.

Encerradas as homenagens públicas, Obama e a presidenta Dilma Rousseff se reunirão a portas fechadas para discussão de matérias de interesse bilateral. Como de praxe, outros temas, ‘faits divers’ na linguagem diplomática, serão tratados, em especial questões de direitos humanos, de meio ambiente e de política internacional.

E se o assunto Cuba vier à tona ?

Presidente Obama, os Estados Unidos há mais de 50 anos mantêm Cuba num rígido embargo que muitos consideram verdadeiro bloqueio. Durante algum tempo, é certo, quase todos os países da América Latina acompanharam essa atitude rompendo relações com a Ilha. Mas aos poucos foram retomando os contactos e hoje as relações com Havana fluem normalmente. O senhor não acha que a insistente atitude de Washington com Cuba é um resquício da Guerra Fria e não tem mais cabimento?  A política em relação a Cuba não pode mais ser ditada de Miami. Afinal, transcorreu mais de meio século, com efeitos danosos ao povo e à economia cubana. Nenhum outro país sofreu restrição tão prolongada.

O embargo é sustentado por leis aprovadas no Capitólio nesse tempo todo e essas leis regem nossas relações com Havana.

Sabemos disso, mas ano após ano os países com assento nas Nações Unidas vêm pedindo o levantamento do embargo, inclusive com o voto de governos que mantêm estrita lealdade a Washington, como Inglaterra, Austrália, Canadá e tantos outros. Na última sessão da Assembléia Geral que tratou da questão, a votação pelo fim do embargo foi quase unânime. Só Israel votou com os senhores e houve três abstenções.

Nossas relações com Cuba dizem respeito apenas aos Estados Unidos e Cuba.

Não é o que pensa o mundo todo. Tem afetado os interesses de muitos países e empresas privadas que transacionam com Cuba. A Casa Branca precisa ouvir a voz que ecoa em todos os quadrantes do planeta.

Se Cuba adotasse passos concretos em direção à democracia, ao livre mercado e aos direitos humanos, os Estados Unidos poderiam rever essas relações.

Presidente Obama, o senhor sabe que historicamente o povo cubano lutou, de armas na mão inclusive, pela sua soberania. É um povo que coloca a dignidade e a independência em primeiro lugar. Cabe a esse povo e somente a ele, nos marcos de sua autodeterminação, escolher o regime político e econômico em que quer viver. Nesse momento mesmo estão discutindo amplamente profundas alterações em sua economia com evidentes repercussões no âmbito social. Quanto aos direitos humanos há avanços. O presidente Raul Castro concordou, após negociações com a Igreja Católica local, em libertar os últimos 52 dissidentes de um grupo de 75 condenados em 2003. Inclusive Oscar Biscet, o mais conhecido deles, que decidiu, a exemplo de outros, permanecer em Cuba. Desses, restam apenas três em prisão. À parte, o governo cubano libertou mais cerca de 50 presos que não estavam incluídos na lista dos chamados presos políticos e que haviam sido condenados por delitos contra-revolucionários, como seqüestros de embarcações e aviões e atos violentos.

Mas nós também demos passos para suavizar as relações.

No entanto, faltam os decisivos que serviriam para melhorar substancialmente o ambiente e contribuir para abrir caminhos. Não faz muito, os senhores se aproximaram de inimigos de guerra. É o caso da China e o emblemático caso do Vietnã. Decisivo é o fim do bloqueio. E falando de direitos humanos, por que o senhor não reassume a promessa feita em campanha de fechar a prisão de Guantánamo? Isto teria uma enorme repercussão internacional favorável à imagem de seu país.

Tenho problemas políticos agudos, necessito de apoio interno. Ademais, Cuba está na nossa lista de países que apóiam o terrorismo.

Desculpe, presidente Obama, anda livre pelas ruas de Miami o confesso terrorista Posada Carriles. Entretanto, cinco lutadores antiterroristas, Gerardo, Ramón, Antonio, Fernando e René, estão há quase 13 anos encarcerados em prisões americanas. Isto é uma flagrante injustiça! Universalmente, centenas de organizações e comitês formados em todo o mundo, a despeito das dificuldades e do silêncio quase absoluto dos meios de comunicação, clamam por sua libertação justamente em defesa da justiça e dos direitos humanos,

Eles todos foram e estão sendo submetidos à justiça de meu país com todos os direitos.

Com todo o respeito, presidente Obama, o senhor sabe que eles foram condenados a penas draconianas que somaram em conjunto quatro prisões perpétuas mais 77 anos. O julgamento ocorreu em condições que violentaram o devido processo legal e num foro – o de Miami – em clima incrivelmente adverso de pressões e intimidações da mídia e das organizações de exilados cubanos da cidade.

Com todo o respeito também, presidenta Rousseff, a senhora sabe que o poder judiciário em meu país é independente.

O senhor tem formação jurídica e deve sentir que é preciso corrigir uma grande injustiça. Meus assessores me informam que a maneira mais efetiva de resolver este caso é por meio do que a Constituição dos Estados Unidos chama de clemência executiva. O senhor, caro Obama, se assim o desejar, não teria sequer de indultar os Cinco, simplesmente manter a condenação, considerar cumpridos os 12 anos em que estão encarcerados e somente perdoar os anos que restam, sem ter de consultar qualquer instância judiciária. Habitualmente, o presidente dos Estados Unidos revisa os expedientes merecedores de tal tipo de clemência e permite que os réus saiam em liberdade depois de considerar sua sentença, por mais longa que seja, como tempo já cumprido. Se o senhor exercer a clemência executiva neste caso, as relações de Cuba com os Estados Unidos alcançarão novo patamar e abrirão caminho para outros sólidos avanços de lado a lado e que seu gesto será muito bem recebido em toda a América Latina, refletindo um profundo desejo de justiça e de respeito aos direitos humanos.

Bem, senhora presidenta Dilma, diante de argumentos tão consistentes, veremos o que se pode fazer.

Estaremos torcendo, presidente Obama.

Max Altman

14 de março de 2011

by mariafro

O Brasil durante o governo Lula ampliou suas relações comerciais com outros continentes para além das economias ocidentais dos mercados europeus e estadunidense. Lula estabeleceu uma série de relações de parcerias com países africanos e também no Oriente Médio, dialogando e estabelecendo tratados comerciais com os países de cultura árabe sejam africanos ou do Oriente Médio. Celso Amorim foi uma das grandes estrelas desta nova política de relações externas.

O preconceito contra o mundo árabe e islâmico e o oportunismo político da oposição demotucana e de seus porta-vozes na mídia velha muitas vezes exploraram factóides para impingir a pecha de que Lula era ‘amigos de ditadores’. Muito embora nenhum governador tenha aberto mão de investimentos de países árabes e/ou islâmicos em seus estados, incluindo o então, ex-governador José Serra.

Mas este eterno candidato morto-vivo à presidência, José Serra, mais uma vez fez uso de sua memória seletiva e do estereótipo pra atacar Lula e o PT. Eu não sei mais o que o Serra, este perdedor contumaz, fará para, sozinho, cair no ridículo. Observe abaixo que, aproveitando-se da repressão brutal que o ditador Gaddafi está imprimindo aos líbios em revolta, Serra conseguiu, no twitter, superar o Índio da Costa, vejamos:

Ghadaffi, da Líbia, foi terrorista internacional: derrubou vôo de passageiros da Panam sobre a Escócia. Amigo do PT e de Lula.22/02/2011 15:24 via Echofonjoseserra_
José Serra

Agora compare com a matéria abaixo, cujo link foi enviado pelo @viniciusduarte:

É bastante curioso que Serra não tenha demonstrado nenhuma aversão enquanto governador de São Paulo em negociar com ditadores, não acham?

Líbia quer investir US$ 500 milhões na América do Sul

Por: Alexandre Rocha na Agência de Notícias Brasil-Árabe

17/02/2009
Diplomacia
E parte disso no Brasil. A informação foi dada pelo vice-primeiro-ministro do país árabe, Imbarek Ashamikh, em reuniões com o governador de São Paulo, José Serra, e com o prefeito Gilberto Kassab.

São Paulo – O governo da Líbia separou US$ 500 milhões para investir em negócios na América do Sul e quer aplicar parte desses recursos no Brasil. A informação foi dada ontem (16) pelo vice-primeiro-ministro do país árabe, Imbarek Ashamikh, durante encontros, em São Paulo, com o governador do estado, José Serra, e com o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab.(grifos nossos).


Divulgação/Governo de SP
Serra (esq.) presenteou o vice-primeiro-ministro líbio (dir.)

Imbarek, que lidera uma delegação com representantes de diversas áreas do governo líbio, citou principalmente interesse no setor agropecuário. “O Brasil tem uma grande importância [na América do Sul] e a delegação que me acompanha estuda possibilidades de investimentos”, afirmou. “Existe vontade política na Líbia de investir no Brasil”, declarou, acrescentando que a quantia de US$ 500 milhões “é apenas o começo”.

Serra declarou que… leia mais:

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty, e a empresa construtora Queiroz Galvão articulam a saída de pelo menos 130 brasileiros da Líbia ainda hoje (22). Um navio deve transportar o grupo da cidade de Benghazi até a costa de um país mais próximo, ainda a ser definido. A direção da construtora negocia com os manifestantes, que dominam a cidade, para que autorizem o navio a atracar na região.

A medida foi tomada, segundo diplomatas, porque o aeroporto da capital da Líbia, Trípoli, está fechado. As pistas do Aeroporto de Benghazi estão sem condições para pousos e decolagens de aeronaves, de acordo com as autoridades. Assim, a única alternativa para os estrangeiros deixarem o país é por meio marítimo.

Desde a semana passada, a Líbia enfrenta uma série de manifestações contrárias ao governo do presidente líbio, Muammar Khadafi, que está no poder há quase 42 anos. Os manifestantes foram contidos de forma violenta por militares e policiais líbios. Há informações de que os enfrentamentos ocorreram em meio a bombardeios intensos e com o uso de violência.

A Organização das Nações Unidas (ONU) condenou o governo líbio e ordenou o fim da violência na região. Para as autoridades das Nações Unidas, há indícios de crimes contra a humanidade e evidências de violação de direitos humanos. As autoridades líbias negam as acusações. Mas a organizações não governamentais afirmam que os mortos podem superar 400.

No caso dos brasileiros, a Embaixada do Brasil na Líbia informou que há cerca de 600 no país. A maioria trabalha para as empresas Queiroz Galvão, Odebrecht e Andrade Gutierrez, além da Petrobras. Grande parte atua em Trípoli, mas os funcionários da Queiroz Galvão estão em Benghazi – cidade que enfrenta as manifestações mais intensas.

Por questão de segurança, a construtora Queiroz Galvão mantém as famílias de 50 brasileiros e também de empregados portugueses na casa do diretor da empresa para o Norte da África, Marcos Jordão. Há várias crianças no grupo. Os funcionários solteiros estão alojados em um hotel próximo à casa de Jordão. De acordo com relatos do grupo, todos passam bem.

Edição: Talita Cavalcante

Caros e caras,
 
Pode-se dizer tudo do Irã, e demais países mulçumanos, menos, baseado-se nos próprios conceitos “ocidentais”, que o presidente do Irã seja um “ditador”.
 
Mas o Secretário Especial para os Direitos Humanos, segundo o noticiário “ministro”, em tudo que Israel tem interesse, direto ou indireto, tenta atropelar a política externa do governo Lula, conduzida pelo Ministério das Relações Exteriores, cujo titular é o competente e ponderado ministro Celso Amorim, e desanda a falar como se estivesse numa assembléia de clube de futebol de várzea.
 
Não é a primeira vez!
 
Melhor seria se o secretário – “ministro” da versão na Internet da Folha de S. Paulo – cuidasse dos assuntos que lhes são afetos. Por exemplo: será que o “ministro” criticou a intenção do Tribunal de Contas da União (TCU), que quer “rever” as indenizações conferidas às vítimas do Regime Militar, duramente? Eu não li. Se alguém leu, me informe, por favor.
 
Talvez este cidadão queira ser demitido, ou drasticamente criticado, de modo a ter um pretexto para ir embora do governo Lula. Que fale sozinho.
 
Dilma Rousseff eleita, espero que este “ministro” venha a ficar bem longe do futuro governo Dilma, pois errou e falou demais ao longo do governo Lula!
 
Segue o noticiário.
 
Um abraço
Ricardo

DE SÃO PAULO
DA AGÊNCIA BRASIL

O governo brasileiro continua “pressionando diplomaticamente” o “ditador” do Irã para que enviar ao Brasil a iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, 43, condenada por adultério e sentenciada à morte por apedrejamento, afirmou o ministro brasileiro dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, nesta segunda-feira em São Bernardo do Campo (SP).

A iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani foi condenada a morte por apedrejamento por adultério e pelo assassinato do marido

“O governo Lula está pressionando diplomaticamente o governo iraniano para que permita que ela venha para o Brasil. E se esse ditador [o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad] tiver um mínimo de bom senso, deveria permitir que ela venha morar no Brasil e seja salva”, disse Vannuchi.

Para Vannuchi, o Brasil é o único país que pode negociar com o Irã, após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, junto com o governo turco, ter mediado as negociações entre o Irã e a Agência Internacional de Energia Atômica pelo programa nuclear iraniano.

Brasil e Irã trocaram várias mensagens nas últimas semanas pelo caso de Sakineh Mohamadi Ashtiani, 43 anos, mãe de dois filhos, condenada à morte por apedrejamento no Irã por adultério e também acusada de homicídio.

A sentença de apedrejamento contra Sakineh levou à condenação internacional e a grande pressão contra Teerã. O país adiou a execução da condenação, mas acrescentou ao processo uma acusação de participação no assassinato de seu marido, em 2005. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que mantém um diálogo aberto com o Irã, ofereceu asilo a Sakineh no Brasil.

OFERTA DE ASILO

No dia 31 de julho, o presidente Lula disse que iria usar sua “amizade” com Ahmadinejad para propor que a iraniana tivesse asilo do Brasil. Três dias depois, Ramin Mehmanparast, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, disse que Lula fizera a oferta, provavelmente, com base em informações erradas.

No último dia 9, o embaixador brasileiro no Irã, Antônio Salgado, se reuniu com o governo local para apresentar aos canais oficiais, formalmente, a oferta de asilo à iraniana. A visita é um recurso conhecido diplomaticamente como gestão, quando o ministro das Relações Exteriores ou mesmo o presidente de um país manda o embaixador procurar a chancelaria da capital onde atua para estabelecer relações formais.

Dias depois, diplomatas disseram que não faz sentido Teerã aceitar a oferta brasileira, já que Sakineh é uma iraniana criminosa condenada.

ABRIGO A CRIMINOSOS

O governo do Irã questionou nesta segunda-feira as “consequências” da oferta brasileira de asilar uma iraniana condenada à morte por apedrejamento, e perguntou se o “Brasil precisará ter um local para criminosos de outros países”, em uma nota emitida por sua embaixada em Brasília.

“Em relação à presença ou ao exílio [da condenada] Sakineh Mohamadi no Brasil, é necessário considerar alguns pontos e questões significativas. Quais são as consequências desse tipo de tratamento aos criminosos e assassinos?”, questiona o governo do Irã em seu comunicado.

“Esse ato não promoverá e não incitará criminosos a praticar crimes?”, completou.

“Será que a sociedade brasileira e o Brasil precisarão ter, no futuro, um lugar para os criminosos de outros países em seu território?”, questionou.

Segundo a nota divulgada nesta segunda-feira, o Irã “considera as declarações e o chamado” de Lula “um pedido de um país amigo”, que atribuiu a “sentimentos puramente humanitários” do presidente brasileiro.

OFERTA RECUSADA

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou nesta segunda-feira que não vai enviar Sakineh ao Brasil. “Eu acho que não há necessidade de criar problema para o presidente [Luiz Inácio] Lula [da Silva] e levá-la ao Brasil”, disse Ahmadinejad.

Em entrevista divulgada na televisão iraniana de língua inglesa Press TV, Ahmadinejad disse acreditar que não há necessidade de enviar Sakineh ao Brasil e afirmou esperar que o assunto “seja resolvido”. Ele não deu mais detalhes.

“Há um juiz no fim do dia e os juízes são independentes. Mas eu falei com o chefe do judiciário e o judiciário também não concorda com a proposta do Brasil”, disse Ahmadinejad.

COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS