Posts Tagged ‘Tentativa de Golpe’

Ateísmo e cidadania

DANIEL SOTTOMAIOR


A maldade de ateus é outra dessas lendas preconceituosas, reafirmada “ad nauseam” pela Bíblia Sagrada e por quase todos os seus seguidores


No Brasil atual, é inimaginável um senador da República dizer que “tem pena” de judeus.
Ou um apresentador de TV afirmar repetidas vezes que certo criminoso “só pode ser negro”. Ou um candidato à Presidência afirmar que o judaísmo tem criado problemas no Brasil e no mundo e que é bom que o próximo mandatário supremo não seja judeu.
Ou um vilão de novela ser gay e atribuir sua maldade à própria homossexualidade.
No entanto, esse é o país em que vivem cerca de 4 milhões de ateus -número aproximado, já que o IBGE nos nega essa informação, a despeito do art. 5º da Constituição: “Ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica”.
Todos esses casos são reais, referindo-se na verdade a ateus, mas ninguém foi destituído, despedido ou processado pelo Ministério Público. Por que será?
A Folha dá enorme passo na direção certa ao abrir espaço a esta resposta ao artigo “Dilma e a fé Cristã”, de Frei Betto (“Tendências/Debates”, 10/10). Nele, o dominicano afirmou: “Nossos torturadores, sim, praticavam o ateísmo militante ao profanar, com violência, os templos vivos de Deus: as vítimas levadas ao pau de arara, ao choque elétrico, ao afogamento e à morte”.
Não há como salvar essa lógica.
Trata-se de expressão clara de preconceito. Se a frase é inaceitável referindo-se a judaísmo ou negritude, então o mesmo deve valer para o ateísmo. E o contexto não poderia ser pior: o mote do artigo é salvar a candidata de “acusações” de ateísmo, ao invés de mostrar que ateísmo não é matéria de acusação em sociedade não discriminadora.
Identificar grupos de pessoas a deficiência física, estética, mental, moral ou até teológica sempre foi a racionalização do discriminador.
A maldade dos ateus é mais uma dessas lendas preconceituosas, reafirmada “ad nauseam” pela sacrossanta Bíblia Sagrada e por quase todos os seus cristianíssimos seguidores, apesar de desautorizada por todos os dados disponíveis.
A Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) vem congregando descrentes em todos os quadrantes do país, esclarecendo a sociedade, defendendo os ateus da posição inferior que nos querem impingir, lutando por um Estado verdadeiramente laico e levando aos tribunais as pessoas e instituições que insistem no contrário.
Isso, sim, é ateísmo militante.
Ironicamente, bulas papais como “Ad extirpanda” e “Dum diversas” deixam claro que o cristianismo militante inclui tortura e escravização de descrentes. Não consta que tenham sido revogadas.
O grande manual de tortura de todos os tempos, “Malleus Maleficarum”, foi escrito também por dominicanos, e serviu de guia, durante séculos, para a violência católica contra infiéis.
No caso a que Frei Betto se refere, os papéis também estão invertidos: combater o ateísmo era uma das justificativas para a ditadura, sintomaticamente inaugurada com a Marcha da Família com Deus pela Liberdade.
É o teísmo militante, naquela época como hoje, alimentando-se do preconceito escancarado contra ateus, sequestrando e engravidando a política, em nome dos bons tempos, para nela conceber seus frutos. Vejam só no que deu.


DANIEL SOTTOMAIOR, 39, é presidente da Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos).

 

(atualizada às 14h55 e às 15h11)

O presidente do Equador, Rafael Correa, denunciou que a rebelião policial que sitiou a capital do país, Quito, nesta quinta-feira (30/9), é uma tentativa de golpe e disse ter receio de ser assassinado.

“Se algo acontecer comigo, saibam que meu amor pela pátria é infinito e que amarei eternamente minha família, e que tudo terá valido a pena”, declarou.

Em discurso ao vivo transmitido pela Rádio Pública do Equador, o presidente disse que se sente “sequestrado” e contou que dispararam bombas de gás lacrimogêneo em sua direção , por isso ele foi hospitalizado. Segundo ele, a bomba passou a centímetros de seu rosto. Outro artefato teria provocado um ferimento em sua perna, e o presidente foi levado para o Hospital da Polícia Nacional, em Quito.

“Estão me dizendo que o hospital está cercado, que estão revistando ambulâncias que saem e chegam, e que ninguém poderia sair nem entrar. Se isso for verdade, seria o sequestro do presidente da repúbica, o que seria algo extremamente grave. Seria traição à pátria”, afirmou.

Leia mais: 
Presidente do Equador sinaliza que pode dissolver Congresso e antecipar eleições 
Policiais fecham aeroporto de Quito e estradas que levam à capital do Equador, que vive crise política
 OEA anuncia reunião extraordinária sobre crise no Equador

Falando à rádio de dentro do hospital, de onde disse não ter visão do lado de fora, Correa acusou setores da oposição de terem enganado os policiais sobre os efeitos da nova lei do funcionalismo público.

“Espalharam a eles que íamos cortar o soldo pela metade, mas na verdade dobramos, e é justamente isso o que estabelece a nova lei! A lei estabelece que o Ministério do Trabalho definirá compensações para os policiais que têm de trabalhar horas extras. Inventaram uma mentira verossímil, e lamentavelmente os policiais foram ludibriados. Mas, por mais, que se tenham enganado as pessoas, é inadmissível q tenham ignorado os apelos a manter a ordem pública”, afirmou o presidente.

Entre os possíveis responsáveis pela suposta tentativa de golpe, o presidente Rafael Correa mencionou seu antecessor no cargo, Lucio Gutiérrez, derrubado por uma revolta popular em 2004.

“Está claríssimo de onde vêm essas intenções desestabilizadoras. São pessoas que estão tentando um golpe de estado porque não podem ganhar nas urnas”, disse.

Correa disse que, assim que possível, vai voltar para negociar e chamou os policiais de covarde por terem “apontado contra o presidente”.

“Impediram as pessoas de respirarem”, disse. “É impressionante: nossa força pública alvejou o presidente!”, desabafou.

Apesar de condenar a insurreição e de expressar confiança na “maioria” da corporação, que “sabe o carinho que temos por ela”, o presidente deu a entender que teme pela própria vida.

“O máximo que posso perder é a vida, e perderei com custo se for para salvar a democracia. Prefiro estar morto do que preso. Se quiserem, venham aqui e me deem um tiro, mas não derrubarão a república. Como disse [o poeta chileno Pablo] Neruda, ‘poderão cortar as flores, mas não poderão impedir que chegue a primavera'”, afirmou Correa.

Em discurso na praça pública, o chanceler do país, Ricardo Patiño, afirmou que pessoas estariam tentando invadir o hospital para “atacar a integridade física” do presidente e conclamou a população a rumar para o prédio e libertar Correa.

“Companheiros valentes aqui presentes, vamos juntos resgatar o presidente!”, pediu Patiño.

Ainda de acordo com a emissora, chanceleres de outros países estariam indo para o Equador para ajudar a mediar a crise. Um jornalista da rádio teria sido espancado e asfixiado por rebelados, mas já estaria socorrido.

No Equador, além das forças armadas, que reafirmaram sua subordinação ao presidente, que, pela Constituição (assim como no Brasil, no EUA e várias repúblicas democráticas), é o comandante supremo das forças armadas. Além disso, os prefeitos de cidades de porte médio como San Lorenzo e San Domingo expressou apoio ao presidente.

O governo da Espanha soltou uma nota oficial condenando uma suposta tentativa de golpe e declarou apoio incondicional ao governo eleito de Rafael Correa.