Posts Tagged ‘Vox Populi’

coimbra

do Poder Online via blog do Esmael Morais

Marcos Coimbra.Para o presidente do Instituto Vox Populi, o sociólogo Marcos Coimbra, o Datafolha produziu resultados de encomenda em sua última pesquisa de opinião sobre os sentimentos da população acerca do julgamento do Mensalão.

Segundo o jornal “Folha de São Paulo” divulgou no domingo, o levantamento do Datafolha apontava que 73% da população defendem cadeia para os acusados de participar do escândalo.

Em artigo intitulado “Resultados de encomenda”, publicado hoje no jornal “Correio Braziliense”, Marcos Coimbra afirma:
“A pesquisa abusou de perguntas indutivas, que tendiam a conduzir os entrevistados a determinadas respostas. Como diz a literatura em língua inglesa, fornecendo-lhes ‘pistas’ sobre as respostas ‘corretas’. Leia a íntegra do artigo de Marcos Coimbra: por Marcos CoimbraVia Correio Braziliense

Na primeira aula do curso de pesquisa de opinião, o aluno aprende as coisas básicas da profissão. Uma é ter cuidado com as perguntas indutivas.

É esse o nome que se dá às que são formuladas com um enunciado que oferece informação ao entrevistado antes que ele responda.
Há diversos tipos de indução, alguns dos quais muito comuns.

Quem não conhece, por exemplo, a pergunta chamada de “voto estimulado”, feita habitualmente nas pesquisas eleitorais? Ela pede ao respondente que diga em quem votaria, tendo em mãos uma lista com o nome dos candidatos.
É claro que, assim procedendo, avalia-se coisa diferente do “voto espontâneo”.

Para diminuir o risco de que a indução conduza os entrevistados a uma resposta, recomenda-se evitar que o pesquisador leia nomes. Mesmo inadvertidamente, ele poderia sugerir alguma preferência, seja pela ordem de leitura, seja por uma possível ênfase ao falar algum nome.

Daí, nas pesquisas face a face, o uso de cartões circulares, onde nenhum vem antes. Essa cautela — e outras parecidas — decorre da necessidade de ter claro o que se mede. Sem ela, podemos confundir o significado das respostas.

Dependendo do nível de indução, o resultado da pesquisa pode apenas refletir a reação ao estímulo. Em outras palavras, nada nos diz a respeito do que as pessoas genuinamente pensam quando não estão submetidas à situação de entrevista.Para ilustrar, tomemos um exemplo hipotético.

Vamos imaginar que alguém quer saber se as pessoas lamentaram a derrota da equipe de vôlei masculino na disputa pela medalha de ouro na Olimpíada. A forma “branda” de perguntar talvez fosse começar solicitando que dissessem se souberam do resultado e como reagiram — sem informar o placar.

Outra, de indução “pesada”, seria diferente. A pergunta viria a seguir a um enunciado do tipo “O Sr./A Sra. ficou triste ao saber que o Brasil perdeu para a Rússia, depois de liderar o jogo inteiro e precisar apenas um ponto para se sagrar campeão olímpico?”

Nessa segunda formulação, ela não somente induz um sentimento (mencionando a noção de “tristeza”), como oferece um motivo para ele (a ideia de ter estado perto de alcançar algo desejável).

É muito provável que os resultados das duas pesquisas fossem diferentes. Na primeira, teríamos a aferição da resposta espontânea — e mais real. Na segunda, a mensuração de uma reação artificialmente inflada. Em última instancia, fabricada pela própria entrevista.

É o que aconteceu com a recente pesquisa do Datafolha sobre os sentimentos da opinião pública a respeito do “mensalão” e seu julgamento.

Contrariando o que se esperaria de um instituto subordinado a um jornal, não deixa de ser curioso que decidisse fazer seu primeiro levantamento sobre o assunto 10 dias depois do início do processo no Supremo.

Dez dias depois de ter sido pauta obrigatória nos órgãos da “grande imprensa”. Dez dias depois de um noticiário sistematicamente negativo — como aferiram observadores imparciais.

Preferiu pesquisar só depois que a opinião pública tivesse sido “aquecida”. Foi à rua medir o fenômeno produzido.Não bastasse a oportunidade, a pesquisa abusou de perguntas indutivas, que tendiam a conduzir os entrevistados a determinadas respostas.

Como diz a literatura em língua inglesa, fornecendo-lhes “pistas” sobre as respostas “corretas”.Mas o mais extraordinário foi seu uso editorial, na manchete que ressaltava que a maioria desejava que os acusados fossem “condenados e presos”.

Parecia de encomenda: embora o resultado mais relevante da pesquisa fosse mostrar que 85% dos entrevistados sabiam pouco ou nada do assunto, o que interessava era afirmar a existência de um desejo de punição severa.E quem se importa com o que estabelecem as normas das boas pesquisas!

 

Pesquisa Vox Populi divulgada nesta segunda-feira (25/10) mostra Dilma Rousseff (PT) com 57% dos votos válidos, contra 43% do candidato José Serra (PSDB). A seis dias do segundo turno, a petista mantém os 14 pontos de diferença contra o adversário. Na última sondagem, publicada no dia 19, a candidata também obteve 57% e Serra os mesmos 43%.

Na sondagem de intenção de votos considerando brancos e nulos, a diferença entre os candidatos diminui para 11 pontos para a petista, que recebeu 49% da preferência, enquanto o tucano teve 39%. Brancos e nulos somam 6%. Não sabem ou não quiseram opinar chegam a 7%.

A margem de erro é de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos. O instituto ouviu 3 mil eleitores do dia 23 ao dia 24 de outubro, a pedido do portal iG.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/

Eduardo Simões
Da Reuters
Em São Paulo

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, tem 51% das intenções de voto, contra 39% de seu adversário, José Serra (PSDB), segundo pesquisa Vox Populi divulgada nesta terça-feira pelo portal IG.

De acordo com o Vox Populi, 4% dos entrevistados se declararam indecisos e 6% disseram que votariam em branco ou nulo.

Na pesquisa anterior do instituto, realizada nos dias 10 e 11 de outubro, Dilma tinha 48%, contra 40% de Serra. Os indecisos somavam 6% e os votos brancos e nulos, 6%.

Se considerados somente os votos válidos –que excluem os brancos, nulos e indecisos– Dilma tem 57%, contra 43% de Serra. Na sondagem anterior, a petista aparecia com 54% dos válidos, ante 46% do tucano.

O levantamento do Vox Populi analisou ainda o voto religioso. Conforme o instituto, Serra tem 44% das intenções de voto entre o eleitorado evangélico, ante 42% de Dilma. Entre os entrevistados que se declararam ateus, Dilma tem 49%, ante 36% de Serra.

Dilma também aparece à frente de Serra entre os eleitores que se disseram católicos praticantes (54% contra 37%) e não praticantes (55% contra 37%).

O voto religioso foi apontado como um dos fatores que impediram a vitória de Dilma já no primeiro turno da eleição presidencial em 3 de outubro.

O motivo seria uma rejeição dessa classe do eleitorado à suposta posição de Dilma favorável à descriminalização do aborto. Pressionada por setores religiosos, Dilma assinou uma carta na semana passada se comprometendo a não alterar a legislação existente sobre o aborto.

Segundo o Vox Populi, 89% dos entrevistados declararam estarem decididos sobre em quem votarão no dia 31 de outubro, enquanto 9% afirmaram que ainda podem trocar de candidato. A consolidação é maior entre os eleitores de Dilma, 93%, enquanto entre os de Serra 89% estão decididos.

A pesquisa, realizada entre os dias 15 e 17 de outubro, tem margem de erro de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos. O instituto ouviu 3.000 pessoas para o levantamento.

A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número 36193/2010.

Fonte: http://eleicoes.uol.com.br

reuters (via yahoo)

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O candidato à Presidência pelo PSDB, José Serra, afirmou nesta terça-feira que o instituto Vox Populi manipula o resultado de suas pesquisas desde o primeiro turno da eleição presidencial.

O Vox Populi divulgado nesta manhã apontou uma vantagem de 12 pontos para sua adversária Dilma Rousseff (PT).

“Pesquisa do Vox Populi nós não levamos em consideração porque trata-se de instituto de comprovada falta de credibilidade, que manipulou os resultados do primeiro turno inteiro para a realidade das urnas mostrar como eles estavam fantasiando”, disse Serra a jornalistas.

Mais cedo, o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), coordenador da campanha tucana, disse que a pesquisa desta terça-feira “é uma vergonha”.

Pelo Vox Populi, Dilma Rousseff tem 51 por cento das intenções de voto e Serra aparece com 39 por cento. Considerando apenas os votos válidos (sem nulos, brancos e indecisos), a petista tem 57 por cento, contra 43 por cento de Serra. Outras pesquisas mostraram diferença menor.

Pelo segundo dia consecutivo, Serra estava ao lado do deputado Fernando Gabeira, candidato derrotado ao governo do Rio. Membro do PV, sigla que optou pela neutralidade no segundo turno, Gabeira pode externar seu apoio por não ser dirigente dos verdes.

CÂMBIO

O candidato também fez comentários sobre o câmbio. Ele afirmou que a valorização do real é responsabilidade do atual governo, que estimulou as importações. Disse que o consumo de importados no início do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva era de 12 por cento e agora alcança 20 por cento, sem detalhar o parâmetro.

“No meu caso, presidente, a mudança vai ser muito mais ampla do ponto de vista de política econômica e de equipe, na maneira de encarar a questão econômica e o gasto público. É um outro contexto”, disse.

O governo vem tentando frear a alta do real e na segunda-feira, pela segunda vez neste mês, elevou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) em aplicações de estrangeiros em renda fixa.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

 

A candidata à presidência pelo PT, Dilma Rousseff, lidera a corrida eleitoral com 51% das intenções de voto, segundo pesquisa Vox Populi, divulgada nesta sexta-feira (17) no Jornal da Band. O candidato tucano José Serra atingiu 24% da preferência do eleitorado. Se o pleito fosse hoje, Dilma seria eleita já no primeiro turno. A margem de erro é de 1,8 pontos percentuais.

Em terceiro lugar, vem Marina Silva (PV) com 8%. Nenhum dos outros candidatos somou 1% dos votos. Brancos e nulos somam 5% e 11% dos eleitores não sabem ou não quiseram responder.

A pesquisa foi registrada junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 30.235/2010, no dia 11 de setembro. O levantamento foi realizado entre os dias 11 e 14 de setembro e entrevistou 3 mil eleitores

Tucano oscilou um ponto para cima, dentro da margem de erro, e petista agora fica estável após dois dias de queda

iG São Paulo

 

O candidato tucano à Presidência da República, José Serra, oscilou positivamente um ponto e chegou a 22% no tracking Vox Populi/Band/iG, que mede diariamente  as intenções de voto para a eleição presidencial deste ano. Foi a primeira vez que o tucano ganhou pontos desde o começo da medição no dia 31 de agosto. A mudança ocorre dentro da margem de erro, que é de 2,2 pontos percentuais.

A candidata petista Dilma Rousseff manteve-se na liderança, com 53% das intenções de voto, acumular uma queda de três pontos porcentuais em dois dias. Marina Silva (PV) continua na terceira colocação, com 9% das intenções de voto. Outros candidatos têm 1% dos votos. Os eleitores indecisos somam 10% e brancos e nulos 5%.

A região onde Dilma tem o melhor desempenho é o Nordeste. A candidata do PT está 60 pontos percentuais a frente de José Serra – 72% da petista contra 12% do tucano. Serra tem o melhor resultado na região Sul, onde a diferença para a primeira colocada cai para 11 pontos. Dilma lidera com 44% na região contra 33% de Serra.

Na pesquisa espontânea, quando não são apresentados os nomes dos candidatos ao eleitor, Dilma tem 43%, Serra tem 18% e Marina tem 7%. Lula é citado por 2% e “o candidato do PT” também recebe 2%.

A cada dia, o instituto realiza 500 novas entrevistas. A amostra consolidada com 2000 entrevistas, portanto, só é totalmente renovada após quatro dias. O levantamento foi registrado junto ao TSE sob o nº 27.428/10.

do Brasília Confidencial

Bras’lia - DF    A presidenciável do PT, Dilma Rousseff, alcançou 51% das intenções de voto e vantagem de 26 pontos sobre o candidato das oposições, José Serra (PSDB), informou ontem o instituto Vox Populi ao estrear nova modalidade de pesquisa para o portal iG e a Rede Bandeirantes. Serra obteve 25% e Marina Silva (PV) ficou com 9%. 

    A partir de agora, as pesquisas do Vox Populi serão feitas e divulgadas a cada dia. O número de entrevistados será sempre o mesmo – 2.000 eleitores – mas um quarto desse universo (500 eleitores) será renovado diariamente para permitir a rápida identificação de tendências das intenções de voto.

Se a eleição fosse hoje, candidata do PT venceria no primeiro turno, aponta levantamento divulgado nesta terça-feira

A candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, venceria no primeiro turno se a eleição fosse hoje, de acordo com a pesquisa Vox Populi/Band/iG divulgada nesta terça-feira. Dilma teria 45% das intenções de voto, contra 29% do presidenciável tucano, José Serra, e 8% da candidata do PV, Marina Silva. Para levar a disputa primeiro turno, a quantidade de votos válidos contabilizados por um determinado candidato deve ser superior à soma dos votos obtidos pelos demais concorrentes.

Os demais candidatos não atingiram 1% das intenções de voto, 5% declararam voto branco ou nulo e outros 12% se disseram indecisos. A pesquisa estimulada, que mostra os nomes dos candidatos para os entrevistados, foi feita entre os dias 7 e 10 de agosto, após o primeiro debate entre presidenciáveis, realizado pela Band no dia 5 de agosto.

 iG contratou pacote de pesquisas Vox Populi

iG inicia nova etapa da cobertura eleitoral

O melhor desempenho de Dilma é na região Nordeste e o pior é na região Sudeste. Em Pernambuco, ela teria 66% dos votos, contra 19% de Serra. Já o tucano tem seu melhor desempenho na região Sul e o pior, no Nordeste. Em São Paulo, Estado que governou até abril, Serra teria 40% dos votos, contra 33% da petista.

O instituto entrevistou 3 mil pessoas em 219 municípios de todos os Estados, incluindo o Distrito Federal e excluindo Roraima. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 22.956/10. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos.

Dilma também aparece na frente na pesquisa espontânea, com 32% das intenções de voto, ainda segundo a Vox Populi/Band/iG. José Serra aparece em segundo, com 18%, e Marina Silva em terceiro, com 5% das intenções de voto. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não é candidato, foi citado por 3% dos entrevistados. Outros 6% disseram votar nulo ou branco e 34% não sabem em quem votariam.

Na última pesquisa Vox Populi, publicada em 22 de julho, a candidata petista tinha 41%, contra 33% de Serra e 8% de Marina. Outros 4% declararam votar em branco ou anular e 13% estavam indecisos.

Levantamento produzido pelo instituto Vox Populi, divulgado pela Band nesta quarta-feira (21), confirma petista à frente de Serra

Por: Anselmo Massad, Rede Brasil Atual

Publicado em 21/07/2010

Última atualização às 19:04

São Paulo – A pesquisa eleitoral produzida pelo instituto Vox Populi e divulgada nesta quarta-feira (21) pela Band deve mostrar Dilma Rousseff (PT) à frente. A divulgação dos resultados detalhados ocorre no início da noite. Na corrida presidencial, Dilma aparece com 43% das intenções de voto, contra 37% de José Serra (PSDB). Marina teria 8%.

As informações foram colhidas junto a funcionários da Rede Bandeirantes, contratante da pesquisa. No último levantamento divulgado, em 29 de junho, a petista tinha seis pontos de vantagem, dependendo do cenário. No levantamento anterior, em maio, a diferença era de três pontos.

Desde a semana passada, circulavam rumores sobre um levantamento interno, encomendado pelo PT, que apontava números semelhantes.

A pesquisa Vox Populi ouviu 3 mil pessoas de 17 a 20 de julho. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos. O instituto registrou ainda pesquisas para nove estados – Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Neste sábado (24), o Datafolha deve divulgar nova pesquisa. Será a enquete com maior amostra do período eleitoral, 10,6 mil entrevistados. Simultaneamente, dados sobre disputas estaduais devem ser divulgadas.